Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter da Arquidiocese de Braga
DACS com Agência Ecclesia | 12 Jan 2022
Francisco lembra drama dos desempregados
O líder da Igreja Católica afirmou que os desempregados “se sentem justamente feridos na sua dignidade porque não conseguem encontrar um emprego”.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Vatican Media

O Papa evocou esta quarta-feira no Vaticano o drama dos desempregrados, agravado pelas consequências da pandemia, e denunciou a exploração dos trabalhadores, incluindo crianças.

Francisco relatou, na audiência pública semanal, que “muitos jovens, muitos pais e mães vivem o drama de não ter um emprego que lhes permita viver serenamente” e que, muitas vezes, a busca torna-se tão dramática que são levados ao ponto de perder toda a esperança e desejo de viver”, devendo os governantes “dar a todos” a possibilidade de ganhar o seu pão.

O líder da Igreja Católica afirmou que os desempregados “se sentem justamente feridos na sua dignidade porque não conseguem encontrar um emprego”, e explicou que “o que dá dignidade não é levar o pão para casa”, mas sim ganhar o pão”: se não dermos à nossa gente, aos nossos homens e mulheres, a capacidade de ganhar o pão, isso é uma injustiça social”, acrescentou.

Depois de um pequeno momento de oração, o pontífice apontou que “o trabalho é refém da injustiça social e, em vez de ser um meio de humanização, torna-se uma periferia existencial”, e pediu a recuperação do valor do trabalho para que este seja resgatado da lógica do mero lucro e possa ser vivido como direito e dever fundamental da pessoa, que exprime e incrementa a sua dignidade”.

O Papa Francisco lamentou também a persistência do trabalho sem direitos, “sem segurança”, e sublinhou o “terrível” problema do trabalho infantil, e disse que pensa “em todos os trabalhadores do mundo, especialmente naqueles que fazem trabalhos desgastantes em minas e em certas fábricas; naqueles que são explorados através do trabalho não declarado, nas vítimas do trabalho, nas crianças que são obrigadas a trabalhar e naqueles que vasculham as lixeiras em busca de algo útil para trocar”.

A partir, de novo, da figura de São José, apresentada pelos evangelistas Mateus e Marcos como “carpinteiro” ou “marceneiro” – e lembrando que o próprio Jesus “trabalhou e aprendeu esta arte” –, Francisco realçou que “o trabalho não é apenas um meio de ganhar a vida”, mas um lugar onde nos expressamos, nos sentimos úteis e aprendemos a grande lição da concretude, o que ajuda a vida espiritual a não se transformar em espiritualismo”.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Papa Francisco  •  trabalho  •  emprego
Departamento para a Comunicação Social
Contactos
Director

P. Paulo Alexandre Terroso Silva

Morada

Rua de S. Domingos, 94 B
4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190