Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter da Arquidiocese de Braga
19 Mar 2021
Trabalho digno e justo para todas as pessoas
Discurso de D. Jorge Ortiga na abertura da terceira sessão da Nova Ágora de 2021.
PARTILHAR IMPRIMIR
 

Estes nossos encontros da Nova Ágora nunca tiveram um intuito meramente religioso. Querem ser expressão de uma Igreja que está entre o povo. Sabe que a sua marca identitária passa pela sinodalidade, ou seja, vontade de caminhar juntos dentro das suas instâncias mas também na relação com o mundo. Temos o nosso caminho. Sabemos que existentes outros, diferentes mas não concorrentes. Com todos queremos estabelecer pontes, desde as diferentes manifestações culturais ao mundo da ciência e da investigação, da política à economia. Trabalhamos pela dignidade de toda a pessoa humana e fixamo-nos no bem comum como o bem de todos e de cada um.

Hoje, não posso deixar de estruturar esta saudação, a todos quantos nos seguem pela internet, a partir da festa religiosas que celebramos. Celebramos a festa de S. José. Não sei se foi uma mera coincidência. Na verdade, olhamos para ele como o padroeiro do trabalhadores, alguém que trabalhou para sustentar uma família no meio de muitos problemas e dificuldades. Também não é por acaso que iniciamos hoje um ano dedicado à família, para reflectir sobre sua identidade a partir do documento do Papa Francisco intitulado Amoris Laetitia, A alegria do amor. Daí que, com esta sessão, gostaria de convocar as famílias cristãs para um trabalho de reflexão sobre o que deve ser a família, hoje, e atrevo-me a endereçar idêntico convite a outras pessoas que acreditam no valor da família neste contexto social em que vivemos. Fica, para nós, solenemente aberto este ano familiar que nos vai ajudar a caminhar com as famílias numa atitude chamada samaritana, ou seja, que quer individualizar as feridas que incomodam os lares para as carregar com eles rumo a uma solução geradora de felicidade.

A experiência da pandemia veio pôr em evidência a centralidade da família e a sua missão como verdadeira Igreja a realizar-se nos contornos dos lares e a mostrar a urgência de estabelecer laços de comunhão e de estímulos variados para que a sociedade, assim como também a Igreja, cresça como uma autêntica família de famílias. Penso que ninguém duvida que a dureza destes dias se tornou mais suave nos locais onde existiu um verdadeira rectaguarda familiar… e que tudo se complicou, ainda mais, quando a solidão determinou isolamentos e carência de afectos.

A partir da família compreendemos a importância do trabalho. Ele é um elemento fundamental para a dignidade das pessoas, de modo que podemos afirmar que sem ele não há dignidade de vida. Sabemos que o trabalho é um direito mas também sabemos que nem todo o tipo de trabalho dignifica. Há trabalhos indignos que são sinais de exploração humana, como são aqueles sem condições para trabalhar, a exploração das mulheres, aquelas que entregam o seu corpo à prostituição, quem vive da corrupção. Esta dignidade supõe uma igualdade de retribuição salarial entre homens e mulheres e um respeito pelos direitos que se foram conquistando ao longo dos anos, uma conciliação entre a vida profissional, familiar e pessoal, a inclusão das pessoas com necessidades especiais, nomeadamente nas limitações a nível de mobilidade, com tudo o que isto implica, no mercado do trabalho.

Na referida encíclica, o Papa Francisco afirma que “o trabalho torna possível simultaneamente o desenvolvimento da sociedade, o sustento da família e também a sua estabilidade e fecundidade”. Isto faz com que o trabalho seja digno quando olha para a família e permite que nada lhe falte de essencial. É por tudo isto que “o desemprego e a precariedade laboral geram sofrimento” e afectam a “serenidade das famílias”. Desemprego e precariedade: duas grandes preocupações que a pandemia veio tornar mais visíveis.

A precariedade tem muitos rostos. Contratos temporários, contratos a prazo, contratos a termo certo, recibos verdes, bolsas de investigação, estágios curriculares que se alargam a todas as faixas etárias. Creio que a lista não está completa. Muitos consideram estas realidades um verdadeiro flagelo dado que, entre outras coisas, os trabalhadores com contratos precários são os que auferem menores salários, colocando as pessoas e suas famílias no limiar da pobreza. O trabalho precário gera insegurança e fragilidade laboral. Há quem diga que a flexibilização do mercado do trabalho e a intensificação da precariedade laboral são os dois grandes problemas que importa abordar para uma sociedade mais justa e igual.

Não quis intrometer-me nem antecipar as exposições e diálogos. Foi só sublinhar a importância de alguns elementos neste tempo de crise económica a ter incidências sociais que podem agravar o bem estar de muitos portugueses. As comunicações e diálogo sequente, sempre aberto a receber outras ideias através dos meios digitais, serão uma ajuda para que a Arquidiocese de Braga caminhe com o povo e seus problemas. Não os conseguiremos resolver. A sensibilização já é um serviço muito concreto. Deixo uma certeza com palavras do Papa. “Onde houver um trabalhador ali estarão o interesse e o olhar de amor do Senhor e da Igreja”.

Quero agradecer as reflexões que serão oferecidas pelos nossos convidados. A sua experiência e competência serão a garantia de que iremos reflectir de um modo sério e comprometido. O acolhimento que prestaremos às suas comunicações são a melhor gratidão a dizer-lhe que nos enriqueceram e que partiremos com vontade de trabalhar por um mundo mais humano.

† Jorge Ortiga, Arcebispo Primaz

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Departamento para a Comunicação Social
Contactos
Director

P. Paulo Alexandre Terroso Silva

Morada

Rua de S. Domingos, 94 B
4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190