Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com NCR | 4 Out 2022
Sínodo sobre a Sinodalidade teve os seus cépticos, mas está a provar ser um bálsamo para “feridas duradouras”
Artigo do Pe. Thomas Reese, Sj, publicado no "National Catholic Reporter".
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

Como preparação para o Sínodo sobre a Sinodalidade, que irá levar os bispos do mundo a Roma daqui a um ano, o Papa Francisco pediu que os católicos se reunissem nas suas paróquias e dioceses para se ouvirem uns aos outros e discernirem um caminho a seguir para a Igreja.

Muitos leigos nos Estados Unidos ficaram entusiasmados com a oportunidade. No passado, sentiram-se ignorados por uma igreja clerical e hierárquica. Outros ficaram confusos com o processo que favoreceu o discernimento em vez de levar recomendações a voto. Outros ainda “sentiram que o processo seria fútil”, que não importava o que fosse dito nas reuniões, os bispos fariam o que quisessem; nada mudaria.

Apesar dessas reservas, relataram os bispos dos EUA ao Vaticano, “muitos ficaram surpreendidos com um nível de envolvimento e riqueza que superou as suas expectativas. Foi frequentemente observado o quanto os participantes concordaram quando se ouviram uns aos outros”.

O relatório dos bispos, oficialmente a Síntese Nacional do Povo de Deus nos Estados Unidos da América para a Fase Diocesana do Sínodo 2021-2023, divulgado a 19 de Setembro, resume dez meses de sessões de escuta em paróquias e dioceses americanas. A síntese, nas palavras do bispo Daniel Flores, presidente do Comité da Doutrina dos bispos, relata “o que nós, como Igreja, nos ouvimos uns aos outros dizer”.

O relatório está organizado em quatro secções: “Perdurar as feridas”, “Reforçar a comunhão e a participação”, “Formação permanente para a missão” e “Envolver o discernimento”.

Nesta coluna, vou concentrar-me nas feridas duradouras relatadas na síntese.

O relatório reconhece: “Muitas dessas feridas foram infligidas não apenas por membros individuais da Igreja, mas muitas vezes pela própria instituição”. Esta é uma confissão extraordinária de uma igreja que alegremente reconhece os membros pecadores, mas raramente reconhece as falhas institucionais da “Santa Igreja Católica”.

No topo das feridas duradouras está a crise dos abusos sexuais. “O pecado e o crime de abuso sexual corroeram não apenas a confiança na hierarquia e a integridade moral da Igreja”, disseram os bispos, “mas também criaram uma cultura de medo que impede as pessoas de se relacionarem umas com as outras e, portanto, de experimentarem o sentimento de pertença e ligação pelos quais anseiam”.

Apesar do desejo da hierarquia de superar a crise dos abusos, os leigos ainda sentem essa ferida.

O relatório aponta que o sentido de comunidade nas paróquias sofreu com a pandemia de COVID-19 e que um “grande número de fiéis ainda não voltou ao culto”. Esta tem sido a experiência de outras denominações também. Ainda não se sabe se essas pessoas vão voltar.

Os participantes também ficaram magoados com as “ideologias políticas divisivas presentes na sociedade”. Reclamaram que “a política partidária está a inflitrar-se nas homilias e no ministério”, segundo o relatório, “e essa tendência criou divisões e intimidação entre os crentes”.

Essas divisões tiveram impacto na nossa vida de fé, até mesmo na Eucaristia. Alguns lamentaram o acesso limitado à missa pré-conciliar. Muitos sentiram que as diferenças sobre como celebrar a liturgia “às vezes atingem o nível da animosidade. As pessoas de cada lado da questão relataram sentir-se julgadas por aqueles que diferem delas”.

Os católicos também perceberam uma “falta de unidade entre os bispos nos Estados Unidos, e mesmo de alguns bispos individuais com o Santo Padre, como uma fonte de grave escândalo”. Esta divisão entre os bispos não é algo que os bispos reconhecem voluntariamente em público.

Além da polarização, a marginalização feriu a Igreja, além de ser uma fonte de escândalo.

Entre os marginalizados estão aqueles “que se tornam vulneráveis pela sua falta de poder social e/ou económico, como comunidades de imigrantes; minorias étnicas; aqueles que não têm documentos; os nascituros e as suas mães; pessoas em situação de pobreza, falta de habitação ou encarceramento; aquelas pessoas que têm deficiências ou problemas de saúde mental; e as pessoas que sofrem de vários vícios”.

Incluídas neste grupo também estão as mulheres, cujas vozes são frequentemente marginalizadas nos processos de tomada de decisão da igreja: “as mulheres da equipa paroquial disseram que se sentiam desvalorizadas, mal pagas, não apoiadas na procura de formação, trabalhavam longas horas e careciam de bons modelos de autocuidado”.

Outros são marginalizados na igreja porque “as circunstâncias nas suas próprias vidas são experimentadas como impedimentos à plena participação na vida da Igreja”. Aqui estão incluídos “membros da comunidade LGBTQ+, pessoas que se divorciaram ou que se casaram novamente sem declaração de nulidade, bem como indivíduos que se casaram civilmente, mas nunca se casaram na Igreja”.

Claramente, o povo de Deus apoia a abordagem pastoral a esses grupos defendida por Francisco.

A exposição destas feridas não é vista na síntese como uma experiência puramente negativa. Em vez disso, “as feridas duradouras causadas pelo escândalo de abuso sexual do clero, a pandemia, a polarização e a marginalização expuseram uma profunda fome de cura e o forte desejo de comunhão, comunidade e um sentimento de pertença e união”.

É digno de nota que muitas das prioridades dos bispos dos EUA receberam pouca atenção nas sessões de escuta.

Na síntese, não há menção ao ataque à liberdade religiosa da Igreja, nenhuma oposição ao casamento gay ou professores gays nas escolas católicas, nenhuma preocupação com pessoas transgénero em casas de banho ou desportos, nenhum desejo de proibir certas pessoas de receberem a Comunhão. A palavra aborto nunca é mencionada, embora “os nascituros e as suas mães” sejam mencionados juntamente com outros grupos marginalizados.

Sem dúvida que esses temas surgiram em algumas sessões, mas não em número suficiente para compor a síntese.

Admito que estava entre os cépticos quando o processo sinodal começou, mas a discussão aberta sobre as feridas duradouras na igreja mostra que os fiéis foram capazes de analisar a igreja e expressar as suas preocupações. Este é o primeiro passo para curar essas feridas.

Artigo do Pe. Thomas Reese, Sj, publicado no National Catholic Reporter a 3 de Outubro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Sínodo  •  Sinodalidade  •  Processo sinodal  •  EUA  •  Síntese
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui