Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 30 Set 2022
Autoridades civis e eclesiásticas apoiam migrantes enquanto a Itália se prepara para uma política rígida
No Domingo – o Dia Mundial dos Migrantes e Refugiados – os italianos lotaram as urnas para as eleições gerais que viram a vitória arrebatadora da política italiana Giorgia Meloni e o seu partido de direita “Irmãos da Itália”.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © AP

Esta semana, líderes civis e eclesiais reuniram se em Roma para o Dia Mundial dos Migrantes e Refugiados para explorar soluções construtivas para o aumento do fluxo global em debates que ocorreram poucos dias depois de a Itália ter elegido um novo governo que deve adoptar políticas anti-migrantes radicais.

No Domingo – o Dia Mundial dos Migrantes e Refugiados – os italianos lotaram as urnas para as eleições gerais que viram a vitória arrebatadora da política italiana Giorgia Meloni e o seu partido de direita “Irmãos da Itália”.

No passado, Meloni opôs-se à imigração “irregular” e “ilegal” e expressou apoio a um bloqueio naval que recusava navios que transportavam migrantes a atracar nas costas italianas. Também propôs um acordo com as autoridades turcas e líbias que examinariam os migrantes antes que pudessem atravessar, e foi acusada de racismo.

Falando com jornalistas durante uma conferência de imprensa na quinta-feira, o cardeal canadiano Michael Czerny respondeu a uma pergunta sobre Meloni, que agora provavelmente será nomeada como nova primeira-ministra de Itália, dizendo que a Igreja em Itália está a fazer muito para “proteger os direitos mais básicos e mínimos daqueles que estão no mar”.

“São direitos que têm milhares de anos. Se alguém está com problemas no mar, somos moralmente obrigados a ajudá-los”, disse.

Czerny também falou no dia de abertura de uma conferência internacional sobre “Iniciativas na Educação para Refugiados e Migrantes”, que aconteceu de 26 a 28 de Setembro e culminou com uma audiência com o Papa Francisco na quinta-feira.

Uma conferência separada sobre migração também foi realizada esta semana a 26 e 27 de Setembro, organizada pela Comissão Católica Internacional de Migração e pela Embaixada do Canadá na Santa Sé sobre o tema “Construir o futuro através do patrocínio comunitário de refugiados – Comparar experiências e aprender uns com os outros”.

A conferência, que contou com a presença de autoridades da Igreja e do governo de todo o mundo, incluindo Julieta Valls Noyes, Secretária de Estado Adjunta para População, Refugiados e Migração e ex-vice-chefe de missão da Embaixada dos EUA na Santa Sé, explorou o papel do apadrinhamento comunitário como solução eficaz e positiva para a questão do acolhimento e integração dos migrantes nas comunidades locais.

Mark Wiggin, CEO da Cáritas na Diocese de Salford, Inglaterra, disse na sessão de abertura na segunda-feira que “o patrocínio da comunidade traz uma luz para a humanidade e como as pessoas comuns se podem tornar parte da solução de como estabelecer as pessoas”.

“Constrói formas íntimas de relacionamentos comunitários” e geralmente tem um impacto pessoal, tanto nos refugiados, quanto naqueles que os ajudam, disse.

Vários outros, incluindo Bill Canny, director de Serviços de Refugiados e Migração da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB); Andreas Hollstein, ex-presidente de Stadt, Altena, Alemanha; e Alessandra Santopadre, coordenadora de apadrinhamento de refugiados da Arquidiocese de Montreal, Canadá; todos elogiaram o patrocínio comunitário como uma iniciativa muito útil em termos de imigração e na formação de laços mais estreitos com o governo local.

Oliviero Forti, da Cáritas Itália, falou na segunda-feira sobre a iniciativa dos corredores humanitários, que permite a passagem segura e legal de refugiados vulneráveis ​​e em risco, dizendo: “Até ontem, os corredores humanitários eram uma boa oportunidade para abrir o diálogo com as instituições”.

“A única maneira de gerir a migração de maneira positiva é promover vias legais”, observou, dizendo que os corredores humanitários “são um exemplo de como promover o fenómeno a nível global”, mas podem estar em risco com o novo governo.

Falando ao Crux sobre o envolvimento com líderes vistos como anti-migrantes, Czerny disse que “não são os rótulos e tendências que contam, mas como os recém-chegados são recebidos”.

“Ao ajudar a protegê-los e acolhê-los, a Igreja dá uma importante contribuição e convence pelo bom exemplo”, disse, lembrando como o Papa Francisco em 2015, no meio da crise migratória europeia, pediu a todas as paróquias, comunidades religiosas, mosteiros e santuários que acolhessem uma família de refugiados.

Enquanto aqueles que atenderam a esse chamamento “raramente são notícia”, disse Czerny, “eles estão realmente a fazê-lo. E podemos fazer mais”.

Em declarações a jornalistas durante uma mesa redonda a 29 de Setembro, Valls Noyes disse que a Itália é uma parceira, amiga e aliada de longo prazo do governo dos EUA e, como tal, esperam “trabalhar com qualquer governo que a Itália forme”.

Em termos de migração e potencial adopção de políticas vistas como em desacordo com as prioridades de seu gabinete, Valls Noyes disse que vão “olhar para as políticas e acções de qualquer governo que se forme, e a resposta será em relação às acções, não para a retórica da campanha”.

“Vamos analisar as acções do governo da Itália e levantar os nossos interesses e preocupações com base nisso”, afirmou.

A própria Valls Noyes é filha de refugiados. Os seus pais entraram nos Estados Unidos vindos de Cuba antes de ela nascer, tornando o tema dos migrantes e refugiados não apenas uma questão de agenda, mas uma questão pessoal.

“Sinto que é o ponto culminante da minha carreira estar agora em posição de gerir o apoio a refugiados e pessoas vulneráveis ​​em todo o mundo através da assistência humanitária”, adiantou.

Observou que agora existem 100 milhões de pessoas deslocadas à força em todo o mundo, o que representa “mais de um por cento da população mundial, e é o maior número registado na história de pessoas deslocadas à força, muito mais do que após a Segunda Guerra Mundial”.

“As necessidades são grandes e crescentes”, especialmente após a “agressão nua e não provocada” da Rússia contra a Ucrânia, disse, observando que o seu gabinete durante a assembleia geral das Nações Unidas da semana passada anunciou mais de dois biliões de dólares em assistência humanitária adicional “para uma variedade de de diferentes respostas em todo o mundo”.

Valls Noyes viajou para Roma para a conferência sobre patrocínio comunitário, mas disse que também se encontrou individualmente com várias ONGs durante a visita, incluindo a Cáritas e a Comunidade de Sant'Egidio, que é o principal patrocinador da iniciativa dos corredores humanitários.

Questionada pelo Crux sobre o potencial do patrocínio comunitário para refugiados que procuram entrar nos Estados Unidos, Valls Noyes disse que o presidente dos EUA, Joe Biden, prometeu realocar 125.000 refugiados nos EUA para o próximo ano fiscal, e que o patrocínio comunitário é uma opção que o seu gabinete está a tenar reforçar.

A Secretária disse que seu gabinete tem nove parceiros diferentes para a realocação, incluindo a USCCB, e espera fazer “muito mais patrocínio comunitário”.

“Já tivemos algumas iniciativas de patrocínio comunitário, mas estamos realmente a procurar fortalecê-las nos próximos meses e ter uma grande complementaridade por patrocinadores comunitários ao modelo de realocação mais tradicional que tivemos recentemente”, disse.

“Acho que realmente vai inovar e tornar o programa melhor, mais forte e mais flexível quando pudermos ter comunidades e não apenas agências de realocação tradicionais a tentar encontrar apartamentos para as pessoas, encontrar-lhes empregos, matricular os seus filhos em escolas, encontrar-lhes aulas de inglês, mostrar-lhes onde estão as clínicas locais”, adiantou, dizendo que o papel das organizações religiosas é essencial nesse sentido.

Igrejas, sinagogas e mesquitas são úteis, declarou, porque as comunidades religiosas geralmente “estão muito, muito comprometidas com este trabalho e têm sido um dos principais apoiantes da realocação de refugiados nos Estados Unidos”.

Falando do Papa Francisco e da sua liderança na questão da migração, Valls Noyes disse que, para ela, “é sempre inspirador ver pessoas que elevam os requisitos morais acima das preocupações políticas ou partidárias” e acha que “o mundo precisa de pessoas assim”.

“O pontificado de João Paulo II foi tão importante para o fim da Guerra Fria. Há momentos na história em que os líderes morais podem posicionar-se ou concentrar a atenção do mundo nessas questões, e admiro o compromisso e a dedicação que o Papa Francisco trouxe às pessoas vulneráveis, aos refugiados e migrantes em todo o mundo”, explicou.

Num discurso aos participantes da conferência sobre educação de migrantes na quinta-feira, o Papa Francisco encorajou os participantes a continuarem os seus esforços especificamente nas áreas de investigação, ensino e “promoção social”.

Todos devem “trabalhar em conjunto com migrantes e refugiados para construir um futuro melhor”, disse ele, destacando o papel que as universidades podem desempenhar através de programas e bolsas, dizendo: “Toda a instituição educacional é chamada a ser um lugar de acolhimento, protecção, promoção e integração para todos, sem excluir ninguém”.

Falando sobre as mudanças que aconteceram nos padrões de migração global desde a grande crise migratória de 2015, Czerny disse ao Crux que a pandemia de COVID-19 e as muitas guerras travadas em todo o mundo, incluindo a guerra na Ucrânia, tiveram um grande impacto no mundo. comunidade de migrantes e refugiados.

No entanto, apesar das preocupações que surgiram, “uma tendência encorajadora é o patrocínio comunitário disponível em cada vez mais países, onde paróquias locais e outros grupos de base assumem a responsabilidade de acolher refugiados e ajudá-los a estabelecerem-se nos seus primeiros dois anos”, afirmou.

Quase todos os envolvidos com o patrocínio da comunidade “testemunham com alegria: «Isto foi uma grande bênção!»”, indicou.

Sobre o conflito na Ucrânia, Czerny disse que a “invasão muito trágica e destrutiva da Ucrânia” provocou uma nova e enorme onda de deslocados.

“Uma consequência terrível é o aumento do tráfico e da escravização”, afirmou, dizendo no entanto que uma “grande graça” que surgiu, tanto na Ucrânia, quanto nos países vizinhos, foi “uma resposta extraordinária de hospitalidade e apoio”.

“Esperamos que isso se traduza numa abertura contínua e maior, na Europa Oriental e em outras áreas, para outras pessoas em trânsito”, concluiu.

Artigo de Elise Ann Allen, publicado no Crux a 30 de Setembro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui