Arquidiocese

ANO PASTORAL
"Onde há amor, aí habita Deus"

[+info e Calendário]

 

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 29 Set 2022
Estudiosos bíblicos africanos chamam protecção ambiental de “mandato divino”
Organização de estudiosos bíblicos africanos descreveu a África como o epicentro da biodiversidade num comunicado de 16 de Setembro.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Baz Ratner/Reuters via CNS

Membros da Associação Pan-Africana de Exegetas instaram os governos, povos e empresas africanos a olharem a protecção ambiental como um mandato divino.

Fizeram o apelo no final do seu 20º congresso que ocorreu nas Ilhas Maurício de 3 a 10 de Setembro de 2022.

A organização de estudiosos bíblicos africanos descreveu a África como o epicentro da biodiversidade num comunicado de 16 de Setembro.

“Ficamos maravilhados com a imensa riqueza da biodiversidade ecológica da África, e a África, o nosso continente, é reconhecida como o continente com a maior biodiversidade do mundo”, diz o comunicado.

“Muitos países africanos abrigam as maiores espécies de plantas e animais do mundo, muitas vezes habitando o mesmo ecossistema”.

Existe mais de um milhão de espécies animais e 45.000 espécies de árvores no continente.

No entanto, essa riqueza ecológica está sob grave ameaça. Em 2008, os geógrafos da ONU construíram um atlas africano de mudança ambiental, que mostrou um grau perturbador de degradação ambiental.

Os geógrafos notaram “o aumento das cidades cinzentas sobre um campo outrora verde; áreas protegidas a encolherem à medida que as quintas invadem os seus limites; os trilhos das redes rodoviárias através das florestas; poluentes que passam pelas fronteiras dos países vizinhos; a erosão dos deltas; acampamentos de refugiados espalhados por todo o continente, causando ainda mais pressão sobre o meio ambiente; e glaciares de montanha a encolher”.

Na sua declaração, os estudiosos bíblicos observaram que a maioria das cidades africanas são construídas em favelas e guetos onde os seres humanos enfrentam riscos de saúde inimagináveis.

“Isto dificultou a eliminação de algumas doenças e criou um ambiente para novas. Actualmente, África permanece na parte inferior do índice global de pobreza, apesar de toda a sua riqueza natural e humana”, disse o comunicado.

Os estudiosos apontaram então para a poluição como causadora deste estado.

“Isto inclui abuso imprudente do ecossistema e degradação ambiental a vários níveis, como poluição do ar, poluição da água, poluição do solo, poluição sonora e perda de valor para o ecossistema e a vida humana a todos os níveis”, diz o comunicado.

“O facto é que enquanto os seres humanos obedecerem à palavra de Deus, o cosmos continuará a funcionar bem. As histórias da criação em Génesis 1-3 e no Salmo 8 oferecem um cenário em que Deus encarrega os seres humanos de serem servidores responsáveis ​​pela criação e promoverem a justiça ecológica num mundo despedaçado”, continuou.

“Há muito que podemos aprender com a Bíblia nos nossos esforços para enfrentar os inúmeros desafios ecológicos em África”, disseram os estudiosos.

“Embora a compreensão bíblica da criação seja uma perspectiva amplamente religiosa, empregando várias formas literárias no seu conteúdo, não necessariamente contradiz a visão científica autêntica. Em vez disso, oferece os fundamentos teológicos e éticos da perspectiva científica”, explicaram.

Disseram que a Bíblia ajuda o homem a entender que “a criação é um presente de Deus e o «livro da natureza» para ouvir a palavra de Deus e louvá-lo”.

Acrescentaram que vêem a Bíblia como o “livro fundamental da vida e a maior fonte da nossa compreensão da natureza de Deus e da maneira como Deus se relaciona com toda a criação”.

“Como estudiosos bíblicos africanos, vemos como nossa responsabilidade apresentar esta perspectiva bíblica sobre ecologia como uma resposta e uma solução para muitos desafios ecológicos no continente africano”.

Instando “responsabilidade ética e governação de desenvolvimento” na forma como o homem usa o meio ambiente, a associação exegética – que inclui bispos, padres e freiras – pediu aos governos e líderes africanos “que desenvolvam políticas que protejam o meio ambiente e a sua biodiversidade para a melhoria de vida no continente”.

Apelaram também às empresas e multinacionais que operam em África “a serem mais amigas do ambiente e ecologicamente sensíveis na forma como operam, e a trabalharem para a melhoria geral da harmonia criativa no continente e a conservação da sua rica biodiversidade”.

Disseram que a evidente interdependência entre o homem e a natureza exige “um maior compromisso com o cuidado da «casa comum» e um maior zelo para guardar e preservar todas as diversas criaturas que compartilham a terra connosco. Este foi o mandato divino para a criação, que também é dirigida aos africanos de maneira especial”.

Richard Munang, vice-director regional do Gabinete de África do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), disse ao Crux que a declaração dos estudiosos bíblicos era importante.

“Fazer as pazes com a natureza é a tarefa que define o século XXI”, disse.

“É uma questão de sobrevivência colectiva. Como comunidade global, ou todos sobrevivemos ao apocalipse das mudanças climáticas, ou todos continuamos a sofrer com os seus perigos e eventualmente perecemos”, concluiu.

Artigo de Ngala Killian Chimtom, publicado no Crux a 29 de Setembro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
África  •  Biodiversidade  •  Criação  •  Ecologia  •  Laudato Si'  •  Meio Ambiente
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui