Arquidiocese

ANO PASTORAL
"Onde há amor, aí habita Deus"

[+info e Calendário]

 

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 29 Set 2022
Arcebispo diz que Língua Gestual ajuda à ligação com pessoas em crise
A intenção de García-Siller aprender Língua Gestual na Primavera passada era servir a comunidade surda da Arquidiocese.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Nuri Vallbona/Reuters via CNS

Ao celebrar uma missa para a comunidade de Uvalde na primeira noite após o tiroteio na Robb Elementary School, o arcebispo Gustavo García-Siller chamou as crianças presentes na parte da frente da igreja para comunicar directamente com elas, mas não recebeu nenhum feedback.

Naquele momento, o arcebispo de San Antonio, Texas, sabia que precisava de uma maneira de comunicar com as crianças além da palavra falada. Depois de pedir orientação ao Espírito Santo, decidiu tentar Língua Gestual, que tinha aprendido alguns meses antes, sabendo apenas algumas palavras.

García-Siller começou então a gesticular às crianças as mensagens relacionadas com a paz que elas eventualmente imitavam. Dias depois, noutra missa de intenção especial após o tiroteio de 24 de Maio, Garcia-Siller chamou novamente as e ensinou-lhes as palavras “paz”, “amor” e “Espírito Santo” em Língua Gestual.

“Às vezes não sabemos o que dizer, como consolar as pessoas, expressar como nos sentimos, e às vezes podemos apenas fazer os sinais e viver um dia de cada vez”, disse García-Siller ao Crux após a missa.

A intenção de García-Siller aprender Língua Gestual na Primavera passada era servir a comunidade surda da Arquidiocese. Acontece que, no entanto, isso ajudou-o a navegar por várias crises neste Verão. Primeiro foi o tiroteio em Uvalde, onde 21 pessoas foram mortas. E então, em Junho, depois de 53 migrantes terem sido encontrados mortos num camião abandonado nos arredores de San Antonio, usou Língua Gestual para dizer palavras como “amor” e “obrigado” aos sobreviventes que visitou no hospital.

Agora, meses depois dessas tragédias, García-Siller continua a usar e aprender Língua Gestual. É algo que espera que continue a fazer parte da vida católica na Arquidiocese para todos os paroquianos.

“Não só para os surdos, mas às vezes não sabemos como comunicar uns com os outros e a Língua Gestual pode ser um óptimo veículo porque é baseada em palavras e letras, mas também com símbolos, com sinais, e podemos ligar-nos de formas maravilhosas”, disse Garcia-Siller. “Tem sido uma coisa tremenda e estou muito animado”.

“Isto causou uma reacção muito poderosa”, continuou. “A sensação de que estamos a comunicar, que estamos em contacto, que de alguma forma estamos a construir uma ponte para as pessoas expressarem o que estão a passar”.

O arcebispo tinha o desejo de aprender Língua Gestual, reconhecendo que as celebrações na Arquidiocese muitas vezes incluíam intérpretes para os paroquianos surdos e que “se queremos realmente incluí-los, eles precisam de saber que quero comunicar com eles de forma mais directa”.

“A motivação era a necessidade das pessoas e a de comunicar com elas, e entendê-las porque entendê-las facilita a comunicação, e se elas estiverem a falar em Língua Gestual comigo, se eu não as entender, não será um bom serviço de minha parte”, disse Garcia-Siller.

Quando suas aulas de Língua Gestual começaram, os instrutores iam começar por ensinar-lhe o seu nome. Em vez disso, ele escolheu, um tanto providencialmente dadas as circunstâncias futuras, aprender a palavra paz, explicando ao Crux que acredita que o seu chamamento é ser um instrumento de paz.

A Igreja Católica de Nossa Senhora das Dores é a paróquia de origem da comunidade surda da Arquidiocese, onde García-Siller e outros irão pregar e ministrar. Ao anunciar a designação no final de Agosto, o pároco da igreja, o padre José Ramón Pérez-Martínez, disse que, com isso, a igreja “pretende fortalecer as acomodações e os recursos para a comunidade surda”.

Para o resto da Arquidiocese, García-Siller continua a explorar quando e como incorporar adequadamente a Língua Gestual na missa.

Observou que também viu o benefício de usar a Língua Gestual durante uma missa bilingue, porque permite que alcance as comunidades de língua espanhola e inglesa, bem como a comunidade surda, porque liga os paroquianos e ele não tem que repetir a mesma coisa em três línguas.

García-Siller sublinhou, porém, que o principal objectivo da Língua Gestual é atender a comunidade surda.

“O ponto principal tem que ser uma linguagem de pessoas que precisamos de honrar e servir”, disse García-Siller. “Este é o nosso objectivo e, como consequência, podemos construir unidade, podemos ligar-nos a pessoas em crise”.

Artigo de John Lavenburg, publicado no Crux a 29 de Setembro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui