Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 27 Set 2022
Papa pede “coragem” para “abandonar os combustíveis fósseis”
Francisco dirigiu-se a mil jovens reunidos em Assis para reflectir sobre a reforma do sistema económico, dizendo que é necessário fazer “sacrifícios” para garantir uma transição ecológica.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

O Papa Francisco disse a jovens economistas, empresários e investigadores universitários que o modelo de desenvolvimento do mundo deve ser seriamente questionado e reformado sem demora.

O Papa fez o seu apelo neste sábado passado em Assis diante de mil jovens adultos de todo o mundo que se reuniram em Assis para uma reunião de três dias intitulada “A Economia de Francisco”, que explorou maneiras de criar um desenvolvimento sustentável e ecologicamente viável.

“Já não nos podemos contentar em esperar pela próxima cimeira internacional: a terra está a arder hoje. E hoje é o dia de mudar”, disse o Papa de 85 anos.

Os jovens economistas e empresários deram as boas-vindas a Francisco no Lyrick Theatre com aplausos prolongados e ovações dinâmicas. E ficou claro que o Pontífice queria levar a sério as preocupações deles com o meio ambiente.

“O dano deve ser reparado”, insistiu. “Crescemos a abusar do planeta e da atmosfera. Hoje também devemos aprender a fazer sacrifícios em estilos de vida que ainda não são sustentáveis”, continuou o Papa, fazendo um discurso que lembra fortemente a Laudato si’, a sua encíclica ecológica e social publicada em 2015 pouco antes da cimeira do clima de Paris.

Francisco disse que os “sacrifícios” irão exigir “nova coragem”, especialmente para “abandonar as fontes de combustíveis fósseis” e “acelerar o desenvolvimento de fontes de impacto zero ou positivo”.

 

“Olhem para os rostos de jovens ultraespecializados em economia liberal”

Dirigindo-se aos jovens adultos, a grande maioria com menos de 35 anos, o Papa elogiou a sua geração por ser “criativa”, “optimista” e “entusiasta”.

“Uma sociedade e economia sem jovens é triste, pessimista e cínica”, disse.

“Se querem ver isso, vão para essas universidades ultraespecializadas em economia liberal e olhem para os rostos dos jovens que lá estão”, acrescentou.

Ao mesmo tempo, Francisco criticou os excessos das finanças.

“Cuidado com a natureza gasosa das finanças, devemos trazer a actividade económica de volta às suas raízes, às suas raízes humanas”, aconselhou.

“Graças a Deus, vocês estão aqui”, disse Francisco aos jovens.

Se esta geração é necessária, aos olhos do Papa, é porque a anterior “lhes deixou um legado de muitas riquezas, mas não soubemos preservar o planeta e não estamos a preservar a paz”.

 

Os pobres “no centro”

O Pontífice criticou “o paradigma económico do século XX, que saqueou os recursos naturais e a terra” e disse que o esforço para fazer as mudanças necessárias nesse paradigma equivale à batalha de David contra Golias.

Sublinhou que sem mudanças profundas no sistema económico, nenhuma "transição ecológica" será possível.

Ao longo do seu discurso, o Papa repetidamente vinculou o sistema económico à emergência climática.

Sem “questionar o modelo de desenvolvimento”, disse, “serão os nossos filhos e netos que vão pagar a conta, uma conta que será demasiado alta e demasiado injusta”.

“É necessária uma mudança rápida e decisiva”, advertiu Francisco, pedindo para os pobres serem colocados “no centro” da visão da reforma económica.

Os jovens presentes no teatro interromperam o Papa várias vezes com aplausos, o que provocou uma resposta bem-humorada dele a determinado momento.

“Eu não parei para receber aplausos, só precisava de respirar”, sorriu.

 

“Vi claramente as desigualdades no nosso sistema económico”

Tamiris Cristhina Resende, uma académica brasileira de 30 anos que estava sentada perto de Francisco no palco, não perdeu uma palavra de seu discurso.

“Como o Papa”, disse, “nasci numa região muito pobre, no sul do mundo, e vi claramente as desigualdades do nosso sistema económico”.

Resende, que ensina “políticas públicas” na Universidade de Belo Horizonte, passou os últimos dois anos envolvida com “A Economia de Francisco”, um movimento que o Papa e os seus assessores do Vaticano lançaram em 2019 para desafiar as gerações mais jovens.

Nos últimos meses, tem lido os textos do Papa e reflectido com outros economistas e empresários de todo o mundo. Isso encorajou-a a desenvolver ainda mais seus cursos universitários e a forma como trabalha no departamento financeiro da sua prefeitura.

“Integrei nos meus cursos elementos sobre os quais quase nunca falei antes, como a dimensão social dos investimentos e da sustentabilidade”, disse.

“Estou menos focada na necessidade de lucro para as empresas”, acrescentou Resende.

Durante os seus três dias em Assis, conheceu pessoas como Mabih Nji, de 38 anos, chefe de uma farmácia hospitalar no Leste da Costa do Marfim; e Mario Aguilar, um guatemalteco que dirige uma construtora com 200 funcionários nos Estados Unidos.

Havia também Diletta Pasqualotto, uma italiana de 31 anos que assumiu o negócio fundado pelo seu pai.

Todos estes jovens estavam em Assis no sábado quando o Papa Francisco lhes disse: “Digo isto com toda a seriedade: conto convosco! Por favor, não nos deixem em paz, dêem-nos um exemplo!”.

Artigo de Loup Besmond de Senneville, publicado no La Croix International a 26 de Setembro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui