Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 26 Set 2022
Arquidiocese de Bombaim aprova plano de acção para ajudar migrantes Tribais
No início deste ano, a Comissão Arquidiocesana de Migrantes (AMC) lançou o “AMC Crisis Outreach” para fornecer abrigo temporário a mulheres e meninas migrantes que sofrem abusos.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Danish Siddiqui/Reuters via CNS

Católicos de todo o mundo marcaram o Dia Mundial dos Migrantes e Refugiados no dia 25 de Setembro e a Arquidiocese de Bombaim aproveitou a ocasião para se comprometer novamente a ajudar os migrantes Tribais na grande Mumbai.

A maioria dos migrantes na Índia vem de outras partes do país, mas as diferenças de idioma, religião e cultura significam que enfrentam muitos dos mesmos problemas que atingem as pessoas que cruzam as fronteiras internacionais. Isto é especialmente verdade para os trabalhadores domésticos, que muitas vezes vêm das comunidades Tribais e Dalits marginalizadas da Índia.

O Cardeal Oswald Gracias, de Bombaim, disse ao Crux que no processo sinodal arquidiocesano – realizado antes da reunião do Sínodo dos Bispos do próximo ano – falaram “da necessidade de a Igreja ser mais inclusiva, e a Arquidiocese de Bombaim fornecer a liderança e responder a os sinais dos tempos”.

No início deste ano, a Comissão Arquidiocesana de Migrantes (AMC) lançou o AMC Crisis Outreach para fornecer abrigo temporário a mulheres e meninas migrantes que sofrem abuso físico, sexual ou emocional no trabalho, ou que foram forçadas a deixar os seus empregos.

A Irmã Sarita Kerketta, membro da comunidade Tribal de Odisha, trabalha com o AMC e que também ajuda no Redentorists Migrant Ministry Outreach (PAHUNCH) no bairro nobre de Chembur, em Mumbai, onde muitos migrantes Tribais trabalham em serviços domésticos.

“Esta linha de ajuda é fornecida para prestar serviço aos migrantes Tribais de Chotanagpur e fornecer-lhes abrigo imediato em tempos de angústia de qualquer tipo. Além disso, dois conselheiros formados e dois especialistas jurídicos irão oferecer assistência”, disse ela ao Crux.

“Já ajudamos duas jovens migrantes Tribais em perigo e em situação de vulnerabilidade. Elas trabalhavam como empregadas domésticas em Mumbai e ambas foram demitidas dos seus empregos e casas sem aviso prévio. Uma foi demitida do seu emprego por exigir um salário justo e a outra Tribal foi expulsa de casa por alegações infundadas de que não estava apta para o trabalho doméstico”, afirmou.

“Ambas ficaram sem recursos e ficaram na principal estação ferroviária da cidade. A polícia reparou nelas e disse-lhes deixarem a estação, e nós demos-lhes abrigo por duas semanas e conseguimos realocá-las noutras famílias”, explicou.

Gracias disse que a situação com os migrantes Tribais na arquidiocese tem sido um dos seus “principais cuidados pastorais desde o início” e que organizou “muitas iniciativas para torná-la um lugar acolhedor, seguro e inclusivo para eles”.

O cardeal observou que, em 2016, esboçou um “plano de acção” para os migrantes Tribais.

Isso incluiu cuidar das suas necessidades pastorais, incluindo mais liturgias na língua Hindi, que é falada pela maioria dos migrantes Tribais (a principal língua em Mumbai é Marata), e formação sacramental.

Além disso, a arquidiocese organiza eventos sociais, como festas associadas a marcos culturais Tribais, como festivais de colheitas, além de eventos desportivos.

A arquidiocese também trabalhou para registar os migrantes tribais, anotando a sua paróquia e diocese de origem, bem como o seu endereço e ocupação actuais, para que a igreja possa comunicar melhor com eles.

“Actualmente, existem mais de 10 milhões de Tribais de Chota Nagpur [parte Oriental do estado de Maharashtra]: no pós-COVID, muitos mais chegaram à cidade. Deixaram as suas casas por falta de emprego e fontes de subsistência, também devido à pobreza. Como um grande número tem apenas o nível básico de alfabetização, costumam trabalhar como mão de obra doméstica nas cidades”, explicou Thanks.

Estima-se que os povos Tribais – de outras partes de Maharashtra e de outros estados – representem quase 10% da população de 20 milhões da Grande Mumbai.

Maria Gomes, membro da AMC, disse que a arquidiocese poderá agora “atender de forma mais eficaz as necessidades espirituais dos migrantes e dar-lhes maior visibilidade e reconhecimento nas igrejas, pequenas comunidades cristãs e instituições educativas”.

Artigo de Nirmala Carvalho, publicado no Crux a 26 de Setembro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Índia  •  Tribais  •  Migrantes  •  Bombaim  •  Mumbai
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui