Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 19 Set 2022
“Muitos judeus já deixaram a Rússia”, diz rabino-chefe exilado
Entrevista exclusiva do "La Croix" com Pinchas Goldschmidt, o ex-rabino-chefe de Moscovo que se exilou logo após a Rússia invadir a Ucrânia.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © BBC

Quando Vladimir Putin ordenou que as tropas russas invadissem a Ucrânia, esperava que os líderes civis e religiosos na Rússia apoiassem a “operação militar” especial, como o Kremlin a apelidou.

E não apenas líderes da Igreja Ortodoxa.

“Houve pressão sobre a comunidade judaica em Moscovo para apoiar a guerra”, disse Pinchas Goldschmidt, que era rabino-chefe da capital russa quando a invasão ocorreu em Fevereiro.

Mas ele decidiu que não poderia apoiar a invasão, por isso algumas semanas depois partiu para o exílio com a sua esposa

O rabino Goldschmidt, que é presidente da Conferência de Rabinos Europeus, esteve em Paris na quinta-feira para uma reunião do Instituto para a Liberdade de Fé e Segurança na Europa (IFFSE).

Nesta entrevista exclusiva a Juliette Paquier do La Croix, lamentou a situação actual da comunidade judaica na Rússia e alertou para as ameaças às liberdades religiosas das minorias no Velho Continente.

 

Está em Paris para participar num encontro do Instituto para a Liberdade de Fé e Segurança na Europa (IFFSE), criado por iniciativa da Conferência de Rabinos Europeus, a que preside. Em que consiste esta iniciativa?

O objectivo deste instituto é criar uniões inter-religiosas e internacionais para a defesa da liberdade religiosa e segurança das comunidades religiosas na Europa. O instituto reúne personalidades políticas como Manuel Valls, Armin Laschet, ex-senadores americanos e personalidades religiosas, como o líder da Igreja Protestante da Suécia, o Imam de Roma, etc. Trabalhamos na defesa das liberdades religiosas, hoje atacadas na Europa. Estes ataques contra os direitos das minorias estão a destruir todo o conceito da Europa, baseado nos direitos humanos e na liberdade religiosa. Estamos também a falar da segurança das comunidades religiosas. Além disso, a situação de guerra na Ucrânia mergulha o continente na incerteza.

 

Deixou a comunidade judaica em Moscovo, da qual era o rabino-chefe, logo após o início da guerra na Ucrânia. O que é que aconteceu?

Houve pressão sobre a comunidade judaica em Moscovo para apoiar a guerra. Mas entendi que não podíamos ficar calados, que tínhamos que falar. Então, no início de Março, deixei Moscovo com a minha esposa. Fomos à Europa Oriental, onde visitamos centros para refugiados ucranianos. Juntamente com a Conferência dos Rabinos Europeus, também criamos um fundo para os ajudar. Desde então, resido a maior parte do tempo em Israel, ou na Europa para visitar as comunidades do continente. Muitos judeus já deixaram a Rússia ou estão a caminho. O futuro na Rússia será muito difícil. Espero um dia poder voltar.

 

Que desafios é que as comunidades judaicas na Europa enfrentam hoje?

Existem vários: primeiro, os governos ainda estão a tentar aprovar leis contra o abate ritual. Esses poderes políticos estão a tentar restringir o futuro judaico na Europa. Outra questão importante é a circuncisão. Na Conferência de Rabinos Europeus estamos a trabalhar com a Comissão Europeia e teremos uma reunião em Bruxelas no dia 20 de Outubro para tratar dessas questões. Além disso, o desafio de segurança ainda é relevante; é triste, mas é recorrente no judaísmo europeu. É necessário ter forças de segurança em cada sinagoga, local de culto e centro comunitário judaico. Por fim, um dos grandes desafios é retomar as celebrações religiosas como antes da pandemia, que enfraqueceu e empobreceu muitas pequenas comunidades.

 

E em França?

Do lado de fora, tem-se a impressão de que os judeus da França estão a tentar emigrar. Durante um tempo, houve este ditado: “O último judeu a deixar a França apaga as luzes”. Após os ataques de 2015, os meus amigos em Paris estavam a falar em sair. Hoje, sinto que a conversa mudou, graças ao tratamento da ameaça terrorista pelas autoridades francesas, bem como à colaboração europeia na inteligência. Ontem, visitei o novo centro comunitário em Levallois. Há alguns anos inauguramos o Centro Judaico Europeu. O judaísmo francês está a recuperar.

Artigo de Juliette Paquier, publicado no La Croix International a 16 de Setembro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Ucrânia  •  Judaísmo  •  Guerra  •  Exílio  •  Moscovo  •  Pinchas Goldschmidt
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui