Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 13 Set 2022
Papa chega ao Cazaquistão a condenar invasão “sem sentido e trágica” da Ucrânia
O Cazaquistão, afirmou, representa “uma encruzilhada geopolítica significativa” e, como tal, tem “um papel fundamental a desempenhar na diminuição dos casos de conflito”.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Andrew Medichini/AP

O Papa Francisco chegou ao Cazaquistão na terça-feira a condenar a guerra na Ucrânia e a dizer aos líderes cazaquistaneses que, dada a localização do país e a composição étnica e religiosa diversificada, desempenha um papel único na promoção da paz na região.

Também elogiou a coexistência harmoniosa das diversas comunidades do Cazaquistão e elogiou o compromisso do país com o desarmamento nuclear e a protecção do meio ambiente, bem como a decisão no ano passado das autoridades cazaquistanesas de abolirem a pena de morte.

Falando às autoridades civis e ao corpo diplomático no Cazaquistão, o Papa, no seu discurso de 13 de Setembro, disse que está a visitar o país “como um peregrino da paz, procurando diálogo e unidade”.

O Cazaquistão, afirmou, representa “uma encruzilhada geopolítica significativa” e, como tal, tem “um papel fundamental a desempenhar na diminuição dos casos de conflito”.

Francisco lembrou que quando o seu antecessor, João Paulo II, visitou o país em 2001, foi apenas alguns dias depois dos trágicos ataques terroristas de 11 de Setembro nos Estados Unidos. Agora, Francisco encontra-se a visitar o Cazaquistão “no decorrer da guerra sem sentido e trágica que eclodiu com a invasão da Ucrânia”, observou.

O Papa Francisco disse que veio “para ecoar o apelo de todos aqueles que clamam pela paz, que é o caminho essencial para o desenvolvimento do mundo globalizado”.

O Papa Francisco irá fazer uma visita oficial à capital cazaquistanesa de Nur-Sultan entre 13 e 15 de Setembro para participar na sétima edição do Congresso de Líderes das Religiões Mundiais e Tradicionais.

O Patriarca ortodoxo russo Kirill, que tem apoiado abertamente a invasão da Ucrânia pela Rússia a 24 de Fevereiro, também era suposto participar no encontro, provocando rumores de um possível encontro entre o Papa e o Patriarca, mas desistiu no último minuto.

Um segundo encontro entre Francisco e Kirill, após o seu encontro histórico em Havana, em 2016, estava a ser organizado em Jerusalém em Junho, no entanto, naquela ocasião, o Vaticano cancelou-o devido às possíveis consequências diplomáticas sobre o apoio de Kirill à guerra na Ucrânia.

O Papa Francisco expressou em várias ocasiões o seu desejo de visitar a Rússia e a Ucrânia. A sua visita ao Cazaquistão, que partilha 5.000 milhas de fronteira com a Rússia e também uma parte da fronteira com a Ucrânia, será a mais próxima que esteve de qualquer um dos países desde que a guerra começou, há seis meses.

No seu discurso às autoridades, o primeiro discurso formal da viagem, Francisco sublinhou a necessidade de “expandir os esforços da diplomacia para promover o diálogo e o encontro”.

“Hoje o problema de um é o problema de todos, e aqueles que detêm maior poder no mundo têm maior responsabilidade em relação aos outros, especialmente aqueles países mais propensos a distúrbios e conflitos”, afirmou.

“Esta deve ser a nossa preocupação, não apenas os nossos próprios interesses individuais”, insistiu.

Francisco disse que agora é a hora de “parar de intensificar as rivalidades e reforçar os blocos opostos”, dizendo que há uma necessidade urgente de líderes “que, a nível internacional, possam permitir que os povos cresçam em compreensão e diálogo mútuos”.

Invocando o “espírito de Helsínquia”, em referência aos históricos Acordos de Helsínquia de 1975 sobre segurança e cooperação na Europa, disse que os líderes mundiais devem mostrar determinação “para fortalecer o multilateralismo, para construir um mundo mais estável e pacífico, com um olhar nas gerações futuras”.

Para que isso aconteça, disse, “é preciso compreensão, paciência e diálogo com todos. Repito: com todos”.

O Papa Francisco também destacou a complicada história do Cazaquistão, especialmente durante a era soviética, lembrando como o país era um local de exílio para prisioneiros e detidos, que muitas vezes eram enviados para trabalhar em campos de trabalho cazaquistaneses.

O Cazaquistão, então, “abraça uma gloriosa história de cultura, humanidade e sofrimento. Como deixar de lembrar, em particular, os campos de prisioneiros e as deportações em massa que testemunharam, nas cidades e nas planícies sem fim dessas regiões, a opressão de tantos povos?” , questionou.

No entanto, os cazaquistaneses superaram essa história, observou. “A lembrança da sua reclusão levou a uma profunda preocupação com a inclusão”.

O Pontífice pediu que a memória dos grandes deslocamentos e sofrimentos sofridos pelo povo seja “uma parte indispensável da sua jornada para o futuro, inspirando-os a dar prioridade absoluta à dignidade humana, à dignidade de cada homem e mulher, e de todas as etnias, grupos sociais e religiosos”.

Francisco concentrou grande parte do seu discurso na imagem da dombra, um instrumento tradicional cazaquistanês semelhante a uma guitarra, feito de madeira e duas cordas. As duas cordas, explicou são emblemáticas do papel do Cazaquistão como uma “ponte entre a Europa e a Ásia”.

Também servem como um lembrete de que “a harmonia cresce e amadurece na união, na unidade coral que leva a uma vida social «sinfónica»”, que o Papa disse ser uma imagem especialmente comovente para as 550 etnias e 80 línguas diferentes presentes no país.

Neste contexto, o Papa Francisco também falou da importância da liberdade religiosa, que é garantida pela constituição cazaquistanesa, dizendo que uma secularidade saudável “reconhece o papel importante e indispensável da religião e resiste às formas de extremismo que a desfiguram”.

Esta forma de secularidade é “uma condição essencial para a igualdade de tratamento de cada cidadão”, disse. “A liberdade religiosa representa o melhor canal para a convivência civil”.

Também falou da democracia e do próprio processo de democratização do Cazaquistão, que às vezes tem sido tumultuoso, dizendo que a democracia como um sistema “constitui a forma mais adequada para traduzir o poder em serviço para todo o povo e não apenas para alguns”.

A procura do Cazaquistão por uma maior democracia, visando “reforçar as competências do Parlamento e das autoridades locais e, de forma mais geral, uma maior distribuição de poder”, observou, é um “processo meritório e exigente” que requer tempo e esforço, “sem voltar atrás”.

“Democracia e modernização devem ser mais do que belas palavras em todos os lugares; devem ser incorporados no serviço concreto às pessoas”, explicou, dizendo que isso implica “uma «boa política», nascida da partir da escuta das pessoas e para responder às suas necessidades legítimas”, bem como um envolvimento constante com a sociedade civil, ONGs e organizações humanitárias, e uma preocupação especial com os trabalhadores, jovens e os mais vulneráveis”.

Este “estilo político verdadeiramente democrático”, afirmou, “é a resposta mais eficaz a possíveis casos de extremismo, personalismo e populismo que ameaçam a estabilidade e o bem-estar dos povos”.

O Papa Francisco também elogiou o Cazaquistão pela aprovação de um projecto de lei no ano passado que aboliu a pena de morte e pelos seus esforços ambientais e compromisso com o desarmamento nuclear.

Observando que a Santa Sé e o Cazaquistão estão prestes a celebrar 30 anos de relações diplomáticas, assegurou aos líderes o desejo dos católicos de “continuarem a testemunhar o espírito de abertura e diálogo respeitoso que distingue esta terra”.

Francisco encerrou o seu discurso agradecendo às autoridades pelo acolhimento e rezando para que Deus abençoe “a vocação de paz e unidade própria do Cazaquistão, o país do encontro”.

Artigo de Elise Ann Allen, publicado no Crux a 13 de Setembro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Papa francisco  •  Viagem Apostólica  •  Cazaquistão  •  Conflito  •  Ucrânia  •  Diálogo
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui