Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
dacs com la croix international | 28 Jul 2022
Bispo católico de Tigray pede fim do “genocídio” na Etiópia
O bispo Tesfaselassie Medhin, de Adigrat, na região de Tigray, na Etiópia, devastada pela guerra, alerta para uma crise humanitária muito mais séria e com perda de vidas que agora está a testemunhar.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © STR/EPA/MaxPPP

O bispo católico da região de Tigray, devastada pela guerra, na Etiópia, está a pedir à comunidade internacional que ajude a acabar com o que descreve como um “genocídio” na segunda nação mais populosa de África.

“Entendam que esta situação contínua de genocídio silencioso está a consumir a cada dia, minuto e hora, um imenso número de vidas inocentes de crianças, mulheres e homens de todas as idades”, disse o bispo Tesfaselassie Medhin, de Adigrat, na região de Tigray, na Etiópia, devastada pela guerra, em declaração à FIDES.

“Parem de apoiar e alimentar essa teimosia e, em vez disso, desbloqueiem e restaurem serviços básicos ao povo de Tigray; para pressionar seriamente e tomar medidas e um diálogo pacífico do governo com todas as organizações envolvidas no conflito”, disse o bispo Medhin a governos, ONGs e empresas que estão ou podem estar a contribuir para o prolongamento da guerra, cerco e bloqueios.

Grupos internacionais de direitos humanos afirmaram que as autoridades etíopes e milícias aliadas estão envolvidas numa campanha sistemática de limpeza étnica em Tigray, a região norte da Etiópia devastada pela guerra civil, depois de o primeiro-ministro do país, Abiy Ahmed Ali, iniciar um ataque militar surpresa em Novembro de 2020.

Abiy Ahmed lançou um ataque à Frente de Libertação Popular Tigray, ex-governantes da região semiautónoma e que governou a Etiópia por quase três décadas até assumir o poder em 2018.

O primeiro-ministro acusou a Frente de Libertação Popular Tigray de capturar a base do exército nacional em Mekele, a capital regional.

Os habitantes de Tigray são apenas uma pequena minoria de cerca de 5% num país de 115 milhões.

“Juntamente com a população, o meu clero, religiosos e religiosas e leigos da diocese, estou a experimentar pessoalmente o sofrimento do meu povo e não posso deixar de levantar a minha voz contra este quotidiano doloroso, implorando a paz do nosso Deus amoroso, diante de quem me ajoelho todos os dias para rezar”, disse D. Medhin.

 

Bens e serviços básicos não estão disponíveis

As Nações Unidas também relataram que dezenas de milhares de pessoas foram mortas e mais de 2 milhões de pessoas foram deslocadas, mas ninguém sabe exactamente quantos civis morreram no conflito.

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, a guerra e outros crimes contra a humanidade foram cometidos por ambos os lados na sangrenta guerra civil.

Especialistas que acompanharam de perto o conflito de Tigray dizem que cerca de 500.000 pessoas morreram de guerra e fome na região de Tigray nos últimos 16 meses.

“Se esta situação horrível não for resolvida o mais rápido possível, já estamos a testemunhar e testemunharemos o horror de uma crise humanitária muito mais grave e perda de vidas em Tigray”, disse o bispo da Igreja Católica Etíope de tradição alexandrina.

“Só alguma ajuda humanitária chegou nos últimos meses, embora muito pouca em comparação com as necessidades existentes”, disse D. Medhin, acrescentando que todos os serviços básicos, transportes terrestres e aéreos, telecomunicações, ou bancos ainda estão bloqueados.

“Os bens e serviços básicos não estão disponíveis no mercado ou são extremamente caros, tornando-os inacessíveis à população”, disse.

A falta de combustível e dinheiro, juntamente com as sanções impostas pelo governo federal, impediram que a ajuda humanitária chegasse às pessoas afectadas pela guerra que vivem em vários distritos rurais e urbanos da região norte da Etiópia, disse o bispo Medhin.

Em tal situação, “é extremamente difícil ou impossível fornecer” a ajuda pastoral, educacional, sanitária, humanitária necessária, disse.

“O cerco e os bloqueios em curso do governo e das forças de ocupação isolaram-nos completamente dos nossos pastores e comunidades, do resto do mundo e das nossas redes católicas internacionais”, afirmou D. Medhin.

Como resultado, 5,2 milhões de pessoas são forçadas a sofrer de desnutrição grave e fome”, observou.

Estima-se que 7,4 milhões de pessoas estão numa situação humanitária terrível e o conflito de Tigray está agora a mostrar sinais perigosos de um surto completo que pode consumir outras partes da Etiópia.

Artigo do La Croix International, publicado a 27 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Etiópia  •  Tigray  •  Guerra  •  Genocídio  •  Crise humanitária
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui