Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
dacs com la croix international | 26 Jul 2022
Ajam com amor seja com quem for, em qualquer religião
Reflexão de um Irmão Cristão para nos ajudar a entender que as soluções para situações complicadas sobre a religião podem ser encontradas no amor, nunca na alienação.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

As pessoas são intimidadas pela sua religião e, de facto, muitas vezes agressivas por não terem nenhuma.

Também há o fenómeno comum de religiões serem proactivamente hostis umas às outras – ou melhor, os seus praticantes serem assim.

Acabei de receber e ler algumas coisas ridículas (e mal escritas) em artigos dizendo ao mundo leitor o que há de errado com o hinduísmo.

Vejam, as religiões contam milhares, muitas vezes milhões, de crentes, então desafiá-las com publicidade é a certeza de uma venda lucrativa.

Caros leitores que receberam este tipo de correspondência, relaxem – é um truque para acumular shekhels – ou dólares; diplomas universitários estão disponíveis em qualquer esquina. Não se deixem perturbar.

Ainda assim, podemos dizer algo de útil sobre esta multiplicidade de religiões? A minha própria religião, o cristianismo, tem um mau histórico de militância, e as conversões forçadas são um facto doentio da história cristã.

Acho que poderíamos dizer isso com verdade sobre todas as principais religiões. Nas costas de tais situações andam os políticos, fomentando o ódio para ganhar votos e dinheiro.

Grandes mulheres e homens sofrem enormemente pela sua sincera adesão à própria religião, é verdade, mas isso não anula a observação anterior.

O que podemos fazer para melhorar a situação? Se ainda todos fossem hindus, muçulmanos, cristãos, judeus ou budistas – bem, isso é obviamente ridículo. E então?

Ajuda lembrar que as religiões são pontos focais para as pessoas se encontrarem em amizade e abordarem colectivamente o seu relacionamento com a divindade da forma que herdaram e agora acreditam.

Assim, em vários festivais, todos os seguidores deste ou daquele personagem central, ou divindade, celebram a sua união de maneiras tradicionais, como o Natal, mesmo que de facto as mesmas pessoas tenham abandonado todas as outras práticas religiosas distintas.

O importante é o grupo, o terreno comum de celebração – isso já é um grande ponto positivo.

 

“Retirar forças da oração do meu centro religioso, o meu Deus”

Ainda melhor se outros se juntarem, apenas para tornar a celebração mais comemorativa!

Por razões organizacionais óbvias, não podemos todos participar em todas as celebrações – nenhum trabalho seria feito nos nossos escritórios ou lojas! – mas a atmosfera de respeito mútuo é fortalecida. Não existe a questão da hostilidade. Isso já é um grande começo.

Deixem-me chegar ao meu ponto principal: se o amor é o teor da nossa atitude para com pessoas de outras religiões – ou nenhuma – então está tudo bem. Se não, então há algo de errado COMIGO.

Se eu, como cristão, sou hostil com os vizinhos porque eles são muçulmanos, comunistas, mórmons ou de qualquer outra religião, estou errado.

Simples: não estou a amar e, portanto, estou errado. Não tenho que adoptar as práticas, as orações, a vestimenta, a linguagem, etc. – estou errado. Porque a minha resposta não é de amor. Sim, existem realidades sociais, é claro.

Estou confortável com meu filho hindu a cortejar uma jovem muçulmana? Ou vice-versa? Não estou – mas apenas porque é provável que leve a uma grande tensão e infelicidade na Índia como ela está.

Mas em nenhum caso a hostilidade é uma escolha desejável. Irão notar que saltei as histórias das religiões. Estas são principalmente sociais, não teológicas, quando se trata de relações, e essa é a parte que importa – eu ainda posso agir em amor com quem quer que seja, em qualquer religião.

Haverá sempre situações complicadas, mas insisto que a solução encontrada deve basear-se num amor amplo, e nunca na alienação.

Para isso, provavelmente precisarei de ir buscar forças à oração ao meu centro religioso, o meu Deus. Mas isto é apenas uma sugestão. O amor é a única resposta aceitável.

Deus vos abençoe.

 

Artigo do Irmão Brendan MacCarthaigh, publicado no La Croix International a 25 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Religiões  •   •  Amor  •  Deus  •  Cristianismo  •  Tolerância  •  Alienação
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui