Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
dacs com crux | 25 Jul 2022
Principal prelado canadiano espera que a viagem papal possa ajudar o país a “virar a página”
O bispo Raymond Poisson, de Saint-Jérôme, Quebec, e presidente da Conferência Canadiana dos Bispos Católicos (CCCB), disse que a viagem é “um presente de Deus e um acto generoso do Papa”
PARTILHAR IMPRIMIR
  © AP Photo/Andrew Medichini

O principal prelado católico do Canadá expressou a esperança de que a visita do Papa Francisco ao país esta semana fortaleça os esforços de reconciliação com as comunidades indígenas e ajude a “virar a página” para avançarem juntos.

Falando com o Crux, o bispo Raymond Poisson, de Saint-Jérôme, Quebec, e presidente da Conferência Canadiana dos Bispos Católicos (CCCB), disse que a viagem é “um presente de Deus e um acto generoso do Papa”, devido aos problemas contínuos no joelho.

“É um gesto concreto de reconciliação para virar a página”, afirmou Poisson, dizendo que isso não significa esquecer o passado, mas sim pensar “no hoje e no amanhã, fazendo algo em conjunto por um mundo melhor, uma sociedade melhor no país.”

O Papa Francisco está a caminho do Canadá para uma visita de 24 a 29 de Julho que o levará a Edmonton, Quebec e Iqaluit, como parte de um processo de reconciliação em andamento com as Primeiras Nações Indígenas sobre o papel histórico da Igreja Católica no sistema escolar residencial do país.

Embora as escolas residenciais do Canadá fossem uma iniciativa do governo, muitas eram administradas por ordens missionárias católicas. Enquanto ainda estavam a operar, cerca de 150.000 crianças foram retiradas à força das suas casas na tentativa de despojá-las da sua cultura nativa. Inúmeras crianças sofreram abuso físico, violação e desnutrição no que a Comissão de Verdade e Reconciliação do Canadá (TRC) em 2015 chamou de “genocídio cultural”.

Enquanto estiver no Canadá, espera-se que o Papa Francisco peça desculpas pelo papel da Igreja no abuso que as crianças indígenas sofreram em conformidade com o Call to Action 58 da TRC, que solicitou que, como parte do processo de cura, o Papa emitisse um pedido formal de desculpas em solo canadiano.

Francisco visitará Maskwacis, sede da antiga Escola Residencial Ermineskin, uma das maiores do Canadá, e também realizará uma reunião privada com sobreviventes de escolas residenciais na remota cidade de Iqaluit.

A viagem ao Canadá ocorre logo após a visita de uma delegação indígena a Roma em Março, durante a qual o Papa emitiu um pedido inicial de desculpas pela “conduta deplorável” da Igreja pelo seu papel no sistema escolar residencial.

Durante a visita das delegações de Roma, os sobreviventes da escola residencial solicitaram um pedido de desculpas em solo canadiano, uma compensação financeira e que a igreja abra os seus arquivos nas escolas residenciais para que as famílias possam saber o que aconteceu com os parentes que lá andaram.

Na sua entrevista ao Crux, Poisson abordou essas questões, apontando para a promessa do CCCB de arrecadar 30 milhões de dólares para beneficiar as comunidades indígenas nos próximos cinco anos, e a recente criação do Fundo de Reconciliação Indígena, que já começou a fazer pagamentos, para administrar esta soma.

A Igreja canadiana, disse Poisson, também está a conversar com comunidades indígenas sobre a abertura de arquivos. No entanto, alertou que “não existe um fundo central ou arquivo da igreja no Canadá sobre as escolas residenciais”.

“Cada comunidade envolvida na história dessas escolas tem os seus próprios arquivos”, explicou, dizendo que a questão também foi levantada com os departamentos do Vaticano durante a visita das delegações de Roma, “e não há nada em Roma sobre isso”.

Tudo está no Canadá, observou, afirmando que os arquivos das comunidades que administravam as escolas residenciais são principalmente sacramentais, documentando “quando as crianças fizeram a sua primeira comunhão ou crisma”, enquanto os arquivos das próprias escolas e das crianças que as frequentaram são mantidos pelo governo.

As leis de propriedade também entram em jogo, disse, mas insistiu que os bispos do Canadá estão a tentar “fazer algo em conjunto no que diz respeito aos limites dessas possibilidades legais”, e que espera que haja mais debates após a visita do Papa.

A visita do Papa Francisco, disse Poisson, não teria sido possível se ele não se tivesse desculpado com as delegações indígenas durante a visita a Roma em Março.

“É altura de fazer gestos concretos de reconciliação; virar a página, não para esquecer, mas para irmos mais em direcção ao futuro”, e dar passos “para uma sociedade melhor e uma igreja melhor”.

 

Um novo pedido de desculpas no Canadá é importante, assim como as visitas do Papa a antigas escolas residenciais e os seus encontros com indígenas e sobreviventes de escolas residenciais, apontou.

“É um acto concreto e acho que podemos envolver-nos mais neste processo de reconciliação juntos”, explicou, dizendo que o próximo passo para a igreja canadiana após a visita será envolver-se ainda mais com as comunidades indígenas e “fazer algo em conjunto” para continuarem o caminho da reconciliação.

“Estamos atentar e esperamos que isso seja possível agora que há muitas, muitas esperanças que são muito positivas de ambos os lados”, disse.

Observando que algumas comunidades indígenas expressaram frustração por não terem sido consultadas no planeamento do itinerário do Papa, que é limitado devido aos seus problemas contínuos no joelho, Poisson disse que o CCCB reservou um número significativo de ingressos para povos indígenas e comunidades que não vivem em áreas que o Papa irá visitar, mas que desejam participar em eventos papais.

“O programa é feito para esta reconciliação com estes povos indígenas”, disse, acrescentando que os indígenas geralmente “têm um grande, grande respeito pelos anciãos e pelo Papa. Reconhecem que é um acto muito generoso para vir aqui na sua condição neste momento, e acho que entendem que é mais fácil levar as pessoas até ele”.

O Canadá é um país grande, impossibilitando que o Papa visite todas as áreas, especialmente devido aos limites da sua saúde, mas deram o seu melhor, sublinhou Poisson.

Em termos de acomodações para o Papa Francisco, que já ficou confinado a uma cadeira de rodas devido a um ligamento do joelho inflamado e uma fractura anterior no joelho, Poisson disse que haverá uma equipa médica a viajar com o Papa, como é o caso em todas as viagens internacionais, e o itinerário inclui “muito tempo para o Papa descansar”.

Na maioria das vezes, Francisco não tem mais de dois eventos por dia e está a limitar as suas dormidas a apenas dois locais, tornando os ardores da viagem mais simples para o Pontífice de 85 anos.

“Espero que não seja demasiado preenchido para ele”, disse Poisson, mas observou que a condição do Papa é “de mobilidade, não é uma doença muito séria para a sua vida”, então a principal preocupação é garantir que tenha bastante descanso e que não ande muito.

Tanto os canadianos indígenas, quanto os não indígenas, estão entusiasmados com a visita, afirmou..

“Esperamos que depois desta visita, com este testemunho do Papa empenhado na reconciliação, possamos também colocar em prática nas comunidades locais algumas acções concretas sobre a reconciliação como um encontro mútuo, algo para recordar e conhecer mais sobre o seu património cultural. Esta é a nossa esperança”, concluiu.

 

Artigo de Elise Ann Allen, publicado no Crux a 24 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui