Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 19 Jul 2022
Bispo ucraniano diz que seria um “desastre” se o Papa visitasse Moscovo antes de Kiev
Além do Canadá, a única viagem papal programada é uma ao Cazaquistão, de 14 a 15 de Setembro, para participar num encontro inter-religioso.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © CNS photo/Oleksandr Ratushniak, Reuters

Não só seria um “desastre” se o Papa Francisco visitasse a Rússia antes de ir à a Ucrânia, como o Pontífice disse que gostaria de fazer, mas se isso acontecer, as fronteiras ucranianas podem ser fechadas ao Papa, de acordo com Arcebispo Latino de Lviv.

“Não apenas os fiéis greco-católicos, mas também não concordamos com todos os gestos do Santo Padre em relação à Rússia; mas talvez não entendamos bem as suas intenções e políticas”, disse o arcebispo Mieczysław Mokrzycki, que lidera a comunidade de 1,5 milhões de ritos Latinos na Ucrânia.

“Vamos torcer para que o Papa tenha boas intenções e, com sua maneira de agir, em breve traga paz à Ucrânia”, disse Mokrzycki.

Mesmo antes da invasão da Ucrânia ordenada pelo presidente russo Vladimir Putin a 24 de Fevereiro, Francisco já falava sobre uma possível viagem à “Ucrânia martirizada”. Ultimamente, porém, expressou o desejo de ir primeiro a Moscovo, para ajudar no processo de diálogo.

Falando ao semanário alemão Die Tagespost, Mokrzycki disse que os seus “fiéis dizem que é preciso primeiro voltar-se para a vítima, para quem sofre e só depois para quem causou a dor”.

O prelado também disse que, embora os ucranianos sejam muito gratos ao Papa “por ter estado perto do povo desde o início com as suas orações e muitos apelos”, não esquecem o facto de que, até agora, Francisco nunca disse claramente que a Rússia estava a realizar uma invasão à Ucrânia.

Mokrzycki disse que não apenas os fiéis da Igreja greco-católica ucraniana estão intrigados com o que consideram uma atitude ambígua do Papa e das suas ações destinadas a não fechar as portas do diálogo com a Rússia.

Em Março passado, o Papa Francisco revelou em entrevista ao jornal Corriere della Sera que pediu para viajar para Moscovo para se encontrar com Putin, para pedir-lhe que parasse a guerra na Ucrânia, mas ainda não recebeu resposta.

No entanto, falando à Reuters este mês, Francisco revelou que o Kremlin tinha fechado a porta a essa possibilidade quando a Santa Sé a propôs pela primeira vez há alguns meses, mas agora algo pode ter mudado.

“Eu gostaria de ir (à Ucrânia) e queria ir a Moscovo primeiro”, disse. “Trocamos mensagens sobre isto, porque pensei que se o presidente russo me desse uma pequena janela para servir a causa da paz [valia a pena tentar]”.

“Agora é possível, depois de voltar do Canadá, que eu vá à Ucrânia”, afirmou. “A primeira coisa é ir à Rússia para tentar ajudar de alguma forma, mas gostaria de ir às duas capitais.”

Francisco estará no Canadá de 24 a 29 de Julho.

O arcebispo Paul Gallagher, ministro dos Negócios Estrangeiros do Vaticano, disse numa entrevista recente que a viagem de Francisco à Ucrânia pode ser iminente, não descartando uma incursão em Setembro.

“O Papa Francisco definitivamente irá à Ucrânia”, observou, acrescentando que o Papa está “muito convencido” de que tal visita pode ter resultados positivos.

Além do Canadá, a única viagem papal programada é uma ao Cazaquistão, de 14 a 15 de Setembro, para participar num encontro inter-religioso. Embora o Vaticano ainda não tenha anunciado oficialmente, Francisco disse à emissora de notícias mexicana Televisa que espera encontrar-se com o patriarca ortodoxo russo Kirill durante esta visita.

Apesar das suas reservas em relação à ida do Papa Francisco a Moscovo, Mokrzycki disse que o pontífice é bem-vindo à Ucrânia e que os bispos locais – tanto do rito latino quanto do greco-católico – o convidam para uma visita há vários anos.

“Com o início da guerra, este convite tornou-se ainda mais ardente, porque acreditamos que o Pedro do nosso tempo tem um dom e uma bênção especial que recebeu de Deus”, disse o presidente dos bispos católicos romanos ucranianos, em comunicado publicado no site da arquidiocese de Lviv durante o fim-de-semana.

“Se viesse à Ucrânia, se entrasse na terra destes mártires ensanguentados e a abençoasse, o Senhor conceder-nos-ia graça e faria um milagre, e a paz chegaria à nossa terra natal”, disse Mokrzycki. “Estamos felizes por o Santo Padre já ter expressado a sua vontade de vir à Ucrânia”.

Andrii Yurash, principal diplomata da Ucrânia no Vaticano, disse que o seu governo está actualmente a trabalhar para tornar realidade o sinal de apoio do Papa, o que seria amplamente apreciado.

Disse recentemente ao Crux que tem “muitas dúvidas de que isso [irá] acontecer em Agosto. Talvez Setembro… no entanto, tudo depende da vontade de Deus”.

“Não é apenas um gesto formal, é um verdadeiro gesto de apoio”, concluiu. "É um verdadeiro gesto de compreensão.”

Artigo de Inés San Martín, publicado no Crux a 19 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Papa Francisco  •  Ucrânia  •  Guerra  •  Paz  •  Rússia  •  Viagem Papal
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui