Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Vida Nueva Digital | 18 Jul 2022
Religiosos de Cuba denunciam que, um ano após protestos, o regime ainda mantém cerca de 700 pessoas presas
Há condenados a quem foram impostas penas de entre cinco a 25 anos por “crime de sedição”.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

A 11 de Julho de 2021, ocorreu o maior protesto das últimas décadas contra o regime de Castro. Uma marcha de milhares de pessoas (principalmente jovens) que, pacificamente e em dezenas de cidades de todo o país, clamavam por mais liberdade e direitos individuais, assim como por melhores condições de vida.

O governo comunista não hesitou e prendeu e deteve centenas de manifestantes. Entre eles, como denunciou a Conferência dos Religiosos de Cuba em comunicado, “cerca de 700 ainda estão presos”.

Para manter essas pessoas e as suas famílias, que sofrem “dor e angústia”, “nos seus corações e mentes”, os sacerdotes cubanos sublinham que, além disso, “há vários detidos que ainda não foram a julgamento, infringindo os termos ordinários e extraordinários estabelecidos em lei”.

 

Sem provas de defesa

Da mesma forma, a vida religiosa da ilha caribenha observa que, “nas audiências de apelação realizadas, as provas apresentadas pela defesa continuam a não ser admitidas e avaliadas adequadamente, o que prejudica os acusados”.

Por todas estas razões, conclui-se que “a situação geral actual é semelhante à que se viveu há um ano, ou até pior”. Assim, constata-se inequivocamente que, “com dor”, lamentam que “as sanções e todo o processo dos detidos” continuem a ser “usados ​​como recurso intimidatório”. Drama que aos religiosos “preocupa e dói”.

 

Penas até 25 anos

Assim, o apelo ao regime castrista é claro: “Pedimos o arquivamento definitivo dos réus que não foram julgados, bem como o processo de revisão das condenações definitivas dos julgados”.

De facto, há condenados a quem foram impostas penas de entre cinco e 25 anos por “crime de sedição”. Algo injustificável para os religiosos quando se tratava de uma marcha pacífica para reivindicar direitos individuais e comunitários.

Significativamente, as declarações do Papa Francisco à Univisión tiveram muito eco, que, ao longo de uma entrevista, transmitida há dias, indicou que ama “muito o povo cubano”, todo um “símbolo” que “tem uma grande história”. De seguida, referiu-se ao ex-líder e irmão de Fidel, Raúl Castro: “Confesso, tenho uma relação humana com ele”.

 

“Os inimigos da Revolução Cubana”

O próprio “Granma”, o jornal oficial do regime, aproveitou o comentário de Bergoglio para dar a entender que apoia as suas autoridades: “A suas palavras a favor da Ilha suscitaram não poucas reacções de solidariedade e, também, comentários entre os inimigos do Revolução cubana”. A tal ponto que, segundo o Granma, “a televisão americana «consultou» o Sumo Pontífice para ouvir as suas opiniões um ano após as tentativas desestabilizadoras de 11 de Julho de 2021 em Cuba. No entanto, as respostas de Sua Santidade foram de apoio ao governo e ao povo cubano”.

Como relata o Diário de Cuba, vários leigos católicos mostram o seu pesar por esta posição do Papa. É o caso do historiador Leandro Fernández Otaño, que renunciou à docência para não pertencer à administração cubana e que assegurou o seguinte: “Santidade: há palavras que ferem mais que a repressão. Ouça as mães dos jovens presos do 11 de Julho e não os poderosos, devemos isso ao Evangelho. (…) Sua Santidade não fala de um processo de escuta? Bem, ouça primeiro o povo e depois os poderosos”.

Na mesma linha, o intelectual Dagoberto Valdés lamentou “profundamente” as declarações do Papa: “Agora compreende-se muito melhor a atitude do Episcopado cubano e da Santa Sé”.

 

Artigo de Miguel Ángel Malavia, publicado em Vida Nueva Digital a 18 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Cuba  •  Protestos  •  Presos  •  Presos políticos  •  Repressão  •  Religiosos
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui