Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com America | 15 Jul 2022
Lições de um boato no Twitter que alegou que o Papa Bento XVI tinha morrido
Acreditamos que a comunicação rápida é um sinal óbvio de progresso, uma grande melhoria em relação aos défices de informação das gerações passadas, mas ela só se torna uma ferramenta para o bem quando é tratada com humildade e responsabilidade.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © CNS photo/Paul Haring

Não, o Papa Emérito Bento XVI não está morto. Não, o Papa Francisco não está a renunciar. E não, o Vaticano não está a esconder uma máquina do tempo secreta. Pode ter ouvido todas estas histórias repetidas como notícias de última hora – algumas delas na semana passada –, mas se foi além da superfície, logo descobriu que elas não tinham mais credibilidade do que as fantasias de “O Código Da Vinci” ou outras velhas fábulas, como a alegação de que os jesuítas afundaram o Titanic, dispararam em Abraham Lincoln ou criaram os alienígenas espaciais de Roswell. Notícias falsas!

Muitos jornalistas católicos ontem à noite foram surpreendidos (ou acordados) por um telefone a tocar ou uma caixa de entrada a explodir por causa de “notícias” relatadas no Twitter: “O Papa Emérito Bento XVI morreu”. A conta que fez o anúncio (já apagada) era administrada por um notório fraudulento do Twitter que nem era assim tão subtil sobre a conta ser falsa; na verdade, nem é a primeira vez que ele falsifica uma história sobre a morte de Bento XVI.

Então por que caímos nessa? (E caímos — aqueles que apagaram discretamente os seus retweets da farsa incluíam mais do que alguns jornalistas.) A nossa necessidade de velocidade em muitos casos superou o nosso compromisso com a veracidade — e, portanto, não verificamos quase nada. Leva apenas alguns minutos a configurar uma conta no Twitter e tempo nenhum para começar a tweetar informações erradas, mas hoje em dia não demora muito até que alguém que deveria ser mais informado acabe a fazer retweet pelos os cliques.

É fácil culpar Donald J. Trump e os seus ajudantes como Kellyanne Conway (a da abordagem de “factos alternativos” à verdade), mas o problema é-lhes anterior por uma grande margem. Um exemplo famoso: o artista Bob Hope estava em casa a tomar o pequeno-almoço um dia em 1998, quando descobriu que estava morto. O deputado Bob Stump, do Arizona, anunciou a morte de Hope no plenário da Câmara dos Deputados em um discurso transmitido ao vivo na C-Span.

Isso rendeu óptimas manchetes. “Erro grave: morte de Hope muito exagerada”, disse o Washington Post. “Uma Comédia de Erros”, apelidou o Chicago Tribune. “Oops. Bob Hope não está morto”, relatou o The New York Times. Mas o Los Angeles Times fez melhor: “Sim, América, ainda há esperança”.

Pode perceber-se a tentação de Stump. Um republicano de alto escalão viu um obituário da Associated Press parcialmente escrito para Hope, que foi acidentalmente publicado online e rapidamente removido (sim, os jornalistas escrevem os obituários com antecedência) e chegou a Stump sem verificação. Hope era obviamente muito idoso (morreria em 2003, aos 100 anos) e muito querido, uma figura nacional. Por que não ser o primeiro a sair porta fora a lamentar a sua morte? Bem, para além do facto de não ser verdade.

O Papa Emérito Bento XVI tem 95 anos e claramente não está de boa saúde, e nove anos se passaram desde que anunciou que estava muito frágil para permanecer no cargo; faz algum sentido que falecesse em breve. E o Papa Francisco tem 85 anos e está visivelmente a lutar com a sua mobilidade; faz algum sentido que ele se aposente um dia, em breve. E ambos os homens são amados por muitos e desprezados por alguns. Qualquer um dos evento daria uma grande notícia.

Para além do facto de que, numa reflexão mais aprofundada, nenhuma das histórias ser verdadeira.

Tive um professor muito sábio há muitos anos numa aula sobre o Pontificado nos séculos XIX e XX, que apontou que quando Pio X foi eleito Papa em 1903, a maioria dos católicos americanos não sabia. Quando descobriram que havia um novo Papa, talvez vários meses depois, não teriam necessariamente aprendido o seu nome ou grande parte da sua biografia. Roma estava longe e a comunicação não era fácil ou regular.

Pode ser um choque para um estudante de história pensar que uma figura tão importante na igreja moderna era mais ou menos desconhecida para o mundo em geral, mas dá-nos uma lição valiosa: a comunicação rápida e fácil é principalmente neutra em termos de valor e a igreja e o mundo continuaram a viver quando isso era impossível. Acreditamos que a comunicação rápida é um sinal óbvio de progresso, uma grande melhoria em relação aos défices de informação das gerações passadas, mas ela só se torna uma ferramenta para o bem quando é tratada com humildade e responsabilidade.

Não quero voltar a 1903; nem é possível. Mas se os nossos bisavós esperaram três meses para saber que o Papa estava morto, talvez nós possamos esperar meio dia.

Artigo de James T. Keane, publicado em America a 12 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Desinformação  •  Boatos  •  Notícias falsas  •  Imprensa  •  Redes Sociais  •  Bento XVI  •  Papa Francisco
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui