Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com The Tablet | 14 Jul 2022
Iraque – Arcebispo saúda currículo inclusivo
O número de cristãos no Iraque caiu rapidamente no meio da desintegração política que se seguiu à invasão liderada pelos EUA em 2003.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © CNS/Tyler Orsburn

Um arcebispo iraquiano saudou os planos para novos materiais didácticos destinados a combater o sectarismo, menos de uma década depois de extremistas quase terem destruído o frágil tecido social do país.

Bashar Warda, arcebispo católico caldeu de Erbil, no norte do Iraque, falava na Conferência Ministerial sobre Liberdade de Religião ou Crença, que foi organizada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros em Londres na semana passada.

Afirmou a uma plateia de representantes do governo e da sociedade civil que o governo da região semiautónoma do Curdistão está a preparar um currículo para ensinar crianças em idade escolar sobre todas as religiões representadas no Iraque.

“Durante o regime Ba’ath – estudei durante 12 anos – nada foi mencionado sobre cristãos, yezidis, mandeístas, judeus”. A educação, disse ele, é a chave para a “reconciliação, para nos conhecermos”.

O arcebispo disse ao The Tablet mais tarde: “Todos esses grupos estão em falta no currículo e a única informação que [os alunos] tiveram de saber [foi] que existem não-muçulmanos: os infiéis. Assim é possível perceber porque é que as pessoas diriam, «Ok, é melhor limpá-los daqui»”.

Mas acrescentou ainda: “Se o currículo reconhecer oficialmente sua presença e a sua contribuição para a história e a cultura iraquianas, então as coisas vão mudar”.

Embora o currículo esteja a ser preparado apenas para o Curdistão iraquiano, Warda expressou a esperança de que sirva como “um exemplo e um encorajamento para o resto do Iraque”, acrescentando: “Todas as minorias religiosas pedem isso há muito tempo, pois é um passo muito importante para a convivência.”

Warda disse que os iraquianos hoje estão unidos em servir “o bem comum” e estão “cansados” do sectarismo.

O número de cristãos no Iraque caiu rapidamente no meio da desintegração política que se seguiu à invasão liderada pelos EUA em 2003 e culminou na captura do território do norte pelo Estado Islâmico (EI) em 2014.

Os insurgentes do EI, que eram extremistas sunitas, fizeram disso um objectivo para limpar a terra de não-muçulmanos, massacrando ou escravizando Yezidis e exigindo que os cristãos paguem dinheiro de protecção, fujam ou sejam mortos.

Aqueles que saíram recusaram-se a entrar nos campos administrados pelo ACNUR, por medo de encontrar simpatizantes do EI, de modo que a arquidiocese recebeu mais de 13.000 iraquianos deslocados, principalmente cristãos, e montou 26 campos para essas pessoas.

“Mais de 60 santuários, mosteiros e igrejas foram bombardeados, mais de 1.200 pessoas foram mortas, muitas sequestradas, [houve] ameaças… os números são altos para outros [não-muçulmanos]”, lembrou Warda.

Como muitos cristãos procuraram asilo fora do Médio Oriente, havia receio pelo fim do cristianismo e do pluralismo religioso no Iraque.

A comunidade judaica do Iraque floresceu no Iraque, mas fugiu rapidamente após a criação do estado de Israel em 1948. Acredita-se que a comunidade cristã existe desde o primeiro século, os mandeístas reverenciam João Batista e as crenças sincréticas dos yezidis datam do século XII.

Artigo de Abigail Frymann Rouch, publicado no The Tablet a 14 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui