Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 5 Jul 2022
O tirano e a criança
Poderia a co-produção ser a chave para combater o abuso clerical?
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

“A Igreja como um todo deve embarcar num processo mundial de verdade e reparação [começando] com o reconhecimento da responsabilidade”.

Esta afirmação da Comissão Independente sobre Abuso Sexual na Igreja Católica (CIASE) em França é o ponto de partida para este artigo.

Todos nós queremos uma Igreja que seja segura para todos: livre de abusos físicos, espirituais, emocionais, institucionais e de reputação. Queremos a cura em toda a sua complexidade para as vítimas, tanto os abusados ​​como os abusadores.

E queremos procedimentos adequados para evitar abusos e lidar com eles, quando e onde quer que ocorram. No entanto, infelizmente, parece haver uma enorme distância entre o que dizemos que queremos e o que estamos preparados para fazer acontecer. E há um desacordo genuíno sobre se a verdade é libertadora.

Faço parte da pequena equipa principal do Root & Branch, um fórum internacional online para a reforma da Igreja Católica. Somos todos voluntários e o nosso único financiamento vem de doações. A oração está no centro de tudo o que fazemos.

Estamos a tentar permanecer dentro da Igreja e gratos ao clero e aos religiosos que trabalham connosco. Como membros co-responsáveis ​​da Igreja, nós e a Scottish Laity Network co-organizamos quatro palestras online sobre abuso clerical, ao lado de alguns dos seus sobreviventes. As palestras foram intituladas Vidas Roubadas.

Num webinar recente do The Tablet, patrocinado pela Pastoral Review, perguntaram-me e aos outros membros do painel o que nos deu esperança para o futuro.

Dei por mim a citar Tom Doyle, um dos palestrantes de Vidas Roubadas, um padre americano que trabalha com sobreviventes e as suas famílias há 37 anos. “Os sobreviventes”, disse ele, “têm a chave da nossa futura Igreja”.

Tive de acrescentar que ainda não tinha “desembrulhado a sua declaração”, mas deu-me esperança. Então peço que tenham paciência comigo agora enquanto tento “descembrulhar” o que as palavras de Doyle podem significar.

 

Um sentimento de optimismo e esperança

A cada passo do nosso planeamento das Vidas Roubadas, consultamos e passamos algum tempo a conhecer vários sobreviventes de abuso sexual clerical que confiaram em nós o suficiente para tentar trabalhar connosco.

Estas mulheres e homens corajosos, um deles ex-padre, ainda estão a procurar a reconciliação com a sua fé cristã maltratada. Dizem-nos que encontraram cura na experiência de trabalhar com o Root and Branch, em forte contraste com as suas experiências com as autoridades da Igreja.

Esses sobreviventes enriqueceram o conteúdo das palestras de maneiras que não poderíamos imaginar, criando um sentimento incipiente de optimismo e esperança partilhado pelo nosso público online.

A sobrevivente RC-A711, que prefere permanecer anónima, escreveu na conclusão das conversas: “o produto final pareceu tão adequado. Foi isso que eu quis dizer quando falei sobre co-produção real”.

Co-produção? Fomos imediatamente atingidos por essa palavra. O que queria dizer a RC-A711? A “co-produção” poderia ajudar-nos a entender por que os sobreviventes podem ser a chave para o futuro? Como estenderíamos tal “co-produção” para uma abordagem de toda a Igreja ao crime que é o abuso clerical?

 

O Tirano e a Criança

Gostaria de levá-los a Ouagadougou, capital do Burkino Faso. Estamos no final dos anos 1990.

Sou um dos dois editores de roteiros e séries na maior co-produção da televisão. A S4C (Canal 4, País de Gales) e as Escolas do Canal 4 encomendaram uma série animada de filmes de 15 minutos para crianças que irão reflectir a cultura de cada um dos 39 países coprodutores.

Será um ataque corajoso à “Disneyficação” da animação, o que significa que as crianças dos países mais pobres nunca puderam ver a sua própria cultura reflectida criativamente na TV. Vai ser caro e difícil.

A Télévision Nationale du Burkina comprou esta co-produção única. Talentos de qualidade serão encontrados e pagos fora do orçamento geral.

A única condição de envolvimento para animadores, designers, escritores, músicos é a nossa insistência para que cada filme carregue autenticamente a voz do país anfitrião.

Cada estação de TV paga de acordo com uma escala móvel de acordo com o PIB do seu país. A HBO pagará 18.000 libras por filme: o Burkina Faso 500 libras por todos os 39 filmes.

Antes de os contratos serem assinados, os maiores financiadores, HBO (EUA), TF1 (França) e ZDF (Alemanha), assumiram que fariam parte de um painel editorial ao lado dos iniciadores britânicos S4C e C4. Mas os comissários do Reino Unido disseram que não.

Um painel de tomadores de decisão que se considerassem superiores aos demais contrariaria o objectivo da série de trazer igualdade para todos.

Pela primeira vez, os grandes rebatedores, com o seu senso de superioridade (apoiado neste caso pela economia), não teriam permissão para interferir.

Em vez disso, dois especialistas independentes e objectivos – eu e o outro editor de roteiro – veremos o jogo justo.

O Burkina Faso inventa uma história chamada The Tyrant and the Child.

O tirano é intocável no seu vasto e lamacento palácio, com ferozes cães de guarda e uma mulher favorita que cumpre as suas ordens. Aterroriza os seus súditos nas suas cabanas de barro. Bane qualquer um que se oponha a ele.

Eventualmente, exila todos os adultos para o deserto para morrer. Mas uma criança encontra uma maneira de enganar o ditador cruel e resgatar a mulher favorita.

O filme parece, soa e sente-se autêntico. É adorado pelo seu público geral. Internacionalmente ganha muitos prémios. Nunca ninguém viu nada parecido.

O Burkina Faso é tão pobre que geralmente é invisível. A Télévision nationale du Burkina não pode dar-se ao luxo de fazer nenhum filme, muito menos para os seus filhos. Mas uma vez que lhes é permitida uma voz, transportam o mundo com eles.

A questão aqui é se a Igreja é capaz de ouvir a voz da criança.

Respeito mútuo, igualdade de contribuições, igualdade de recursos, apoio aos vulneráveis, ouvir e aprender com aqueles que são diferentes, transparência e autenticidade de voz: esses são os valores da co-produção. poderoso, o escrutínio é independente e objectivo.

 

Somos capazes de ouvir o apelo da criança?

Caso partilhem da opinião de muitos, de que a crise do abuso sexual clerical ficou para trás, vamos dar uma olhadela em algumas (não todas) as notícias de apenas uma semana no início deste ano.

13 de março. Suíça. A sobrevivente Doris Reisinger, uma alemã de 39 anos, que foi violada em Roma durante os seus 20 anos quando uma freira, por um membro do Vaticano que ouviu a sua confissão, recebe o prémio da Fundação Herbert Haag “pela liberdade na Igreja”.

No seu discurso, ela confirma que o seu agressor continua até hoje no seu papel pastoral.

“A ilusão da Igreja boa e confiável persiste”, diz ela. “Esta crise não tem fundo. É o fim da Igreja Católica”.

19 de março. O Tablet analisa o documentário francês lançado recentemente, Sex Slaves in the Catholic Church.

Afirma que, de 1994 a 2015, o Vaticano foi alertado por relatórios internos confidenciais sobre clérigos que violam freiras regularmente em mais de 23 países.

Com a cumplicidade dos tribunais da Igreja, o abuso continuou (num caso durante 60 anos).

As suas vítimas foram reduzidas ao silêncio, muitas vezes excluídas da sua comunidade. Num convento, 30 das 50 freiras foram forçadas a abortar. Advogados católicos impediram a transmissão durante cinco anos.

23 de março. Irlanda. Marie Collins, uma sobrevivente irlandesa que deixou a Pontifícia Comissão para a Protecção de Menores em 2017 em protesto contra “a relutância de alguns na Cúria do Vaticano em cooperar”, alerta que “a reorganização da Cúria revelada pelo Papa Francisco a 19 de Março [2022] que fará com que a comissão se torne parte do dicastério [a Congregação] para a Doutrina da Fé, prejudicará ainda mais o trabalho do corpo da qual ela fez parte”.

Explica que o “CDF tem um histórico muito mau de lidar com os sobreviventes de uma forma carinhosa e curativa; que não mudou nos últimos tempos”.

24 de março. Reino Unido. Danny Sullivan, o penúltimo presidente da Comissão Nacional de Salvaguarda Católica (Inglaterra e País de Gales), e ainda da confiança dos sobreviventes, afirma que a Igreja não pode “autopoliciar” as alegações de abuso.

25 de março. Nova Iorque. Um juiz liberta o depoimento arquivado sob a Lei de Vítimas Infantis do Estado de Nova Iorque, tirada de Howard Hubbard, bispo de Albany, NY, de 1977 a 2014.

“Hubbard nomeou vários padres que foram acusados ​​de abuso sexual que foram encaminhados para tratamento e depois regressaram ao ministério, sem notificação ao público... Hubbard testemunhou que não denunciou as acusações às autoridades porque não sentiu que era necessário por lei fazê-lo e, em vez disso, manteve as alegações em segredo por preocupação com o «escândalo e o respeito pelo sacerdócio».”

E continua. “Então não acreditem”, diz o advogado canónico Doyle, “em qualquer bispo que diga que esta crise ficou para trás”.

Além disso, acrescenta, “não pode acabar porque existem milhares – milhões – de sobreviventes que estão a sofrer e não estão a curar-se”-

 

Rasgando o véu do segredo em dois

Voltemos à noção de co-produção. Agora sei que quando os sobreviventes usam a palavra, referem-se a um processo que começou como um modelo de saúde mental.

Acontece que é praticamente a mesma coisa que a nossa co-produção para a TV dos anos 1990.

Como é que as coisas mudariam se toda a Igreja se dedicasse a resolver a questão do abuso clerical nesse sentido?

Porque prefeririam os católicos uma Igreja na qual as autoridades protegem o seu lugar privilegiado, como o tirano da história, exilando os dissidentes, os excluídos e os prejudicados no deserto espiritual?

Sobreviventes, as suas famílias, os seus apoiantes e defensores dizem-nos que a revelação às autoridades da Igreja é “re-traumatizante”. A resposta “oficial” mais comum é o silêncio. Mas também há negação, culpabilização da vítima e descrédito.

Quando a RC-A711 colocou, conforme solicitado, todas as suas preocupações e reclamações num e-mail para partilhar a sua “perspectiva sobre como os sobreviventes podem viver as suas relações com a Igreja”, foi vista pelas autoridades da Igreja como “um incómodo na melhor das hipóteses e, na pior das hipóteses, sendo manipuladora”.

A muitas das vítimas sé dito que estão apenas atrás de dinheiro.

Essas batalhas exaustivas destroem a única coisa que manteve muitos sobreviventes sãos durante o período de 20 ou 30 anos, em média, entre o abuso e a revelação: a crença de que o seu agressor era apenas uma maçã podre e que, se eles pudessem reunir coragem para dizer às autoridades da Igreja, a justiça seria feita.

Os sobreviventes dizem-nos que é muito melhor para a sua saúde mental, e também mais provável de resultar em processo, divulgar o que experimentaram a instituições de caridade seculares subfinanciadas, como o Projecto Lanterna, que apoia vítimas de abuso sexual na infância.

No Reino Unido, são os advogados e agentes de seguros da Igreja que parecem dar as cartas.

Mesmo quando um sobrevivente não tem intenção de fazer qualquer reivindicação, mas simplesmente busca acção, ou um pedido de desculpas, ou a cura da Igreja, os conselheiros de protecção rotineiramente procuram primeiro aconselhamento jurídico que muitas vezes vem através das seguradoras da Igreja.

No Reino Unido, este corrector, o Serviço Católico de Seguros (CIS), é propriedade das Conferências Episcopais da Escócia, Inglaterra e País de Gales.

O CIS tem acesso exclusivo à própria companhia de seguros da Igreja, a Catholic National Mutual Ltd, com sede na offshore de Guernsey.

A implicação da experiência dos sobreviventes é que a responsabilidade legal seria financeiramente cara: é melhor para os bispos e conselheiros de salvaguarda não dizerem, nem fazerem nada. A responsabilidade teológica e ética, aparentemente, não entra no cálculo.

Mas são os bispos que são condenados por este silêncio. Precisamos de lembrar que, a partir do momento da morte de Jesus por todos nós, os sacerdotes já não têm um lugar privilegiado para se esconder. O véu do Templo foi rasgado em dois.

 

Todos nós temos sangue nas nossas mãos

Comecei por dizer que todos queremos uma igreja que seja segura para todos. Mas se não fizermos nada, tornar-nos-emos como a multidão nas ruas de Jerusalém nos capítulos iniciais de Actos – pessoas “provenientes de todas as nações que há debaixo do céu” (Actos 2: 5) – todos temos sangue nas mãos.

Como Rowan Williams escreveu há muito tempo no seu texto clássico Ressurreição. Interpretando o Evangelho da Páscoa (Darton, Longman e Todd, 1982 e 2014), “a execução de Jesus, como um evento público lembrado, é apresentada aos ouvintes como a sua responsabilidade, não como um facto neutro”.

Williams aponta que Pedro prega a ressurreição primeiro à própria cidade – à própria multidão – que condenou Jesus à morte.

Williams não estava a escrever especificamente sobre o desafio que enfrentamos, mas a sua observação atinge o cerne da nossa responsabilidade mútua a crucificação que é o abuso clerical. Até que ponto todos nós permitimos que isto acontecesse?

Ao considerar as autoridades de Jerusalém que julgaram Jesus, diz Williams, “quando vejo que julgar me expõe ao julgamento, vejo que o meu papel opressivo e condenatório de facto fere-me e diminui-me, torna-me responsável perante o tribunal. Eu sou a minha própria vítima, não menos que aquela que julgo, e é por isso que preciso de salvação, resgate da armadilha da relação juiz-vítima... E então devo olhar para o meu parceiro: para a vítima que sozinha pode ser a fonte de renovação e transformação”.

O denunciante e sobrevivente Brian Devlin, abusado num seminário pelo seu conselheiro espiritual, escreve-me: “estamos a ver um novo movimento, um movimento a exigir – não a pedir, a exigir – reforma da Igreja. E no coração desse movimento de reforma estão aqueles quebrados pelo abuso de poder em todas as suas formas que foram visitados por padres, bispos e cardeais que são uma vergonha para a Igreja. Para que a Igreja se renove nos seus valores de bem-aventurança, ela deve abraçar plenamente e ser guiada por aqueles a quem mais prejudicou”.

Este é certamente o caminho da co-produção.

 

“O que devemos fazer?”

Pode isto acontecer? Não sem uma mudança radical no equilíbrio de poder, já que todo o abuso é abuso de poder. Doyle traça a raiz do fenómeno do abuso como o “erro intencional” da hierarquia da Igreja (ou talvez apenas dos seus bispos) de “sacrificar sobreviventes” para “o bem da Igreja”.

Dito de outra forma, Doyle está a propor que a hierarquia optou por substituir o princípio de amor inquestionável de Jesus, em favor da protecção da imagem, prestígio, poder e finanças da organização governante no interesse de um bem maior: a sobrevivência da Igreja institucional que é “essencial para a nossa salvação”.

“Este é um raciocínio falacioso”, diz Doyle.

Ousamos permitir que a Igreja se recuse a compensar as vítimas porque alega precisar do dinheiro para si mesma?

Ousamos olhar para o outro lado quando, em teoria para salvar os filhos de Deus, a Igreja na prática permite que padres abusem sexualmente de freiras e depois insistam em abortos? Não seria melhor amarrar uma pedra à volta de tal Igreja e atirá-la ao mar?

Devlin diz: “Se uma única pessoa que foi prejudicada pela maleficência de padres e bispos ainda se levanta e diz: »apesar de tudo que fez comigo, apesar da minha dor e das minhas cicatrizes, eu amo a minha Igreja, quero-a de volta», então aquela voz vale mais do que todos os cardeais e bispos de toda a Igreja”.

Rowan Williams colocou isto claramente, “o Jesus crucificado e condenado é ressuscitado por Deus e vingado... E a graça é libertada quando os juízes se voltam para a sua vítima e a reconhecem como a sua esperança e o seu salvador”.

Em Actos 2:37, o povo, ao ouvir Pedro proclamar a ressurreição, “ficaram emocionados até ao fundo do coração e perguntaram a Pedro e aos outros Apóstolos: «Que havemos de fazer, irmãos?» «Convertei-vos», respondeu Pedro”.

Somos nós, como Igreja, suficientemente atingidos no coração de forma conclusiva para acabar com o abuso clerical de uma maneira que valorize a justiça para todos? Ousamos embarcar numa co-produção verdadeiramente curativa?

 

Artigo de Penelope Middelboe em colaboração com a equipa Root & Branch, publicado no La Croix International a 5 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Abusos sexuais  •  CIASE  •  Protecção  •  Sobreviventes  •  Vítimas  •  Cura  •  Perdão  •  Root & Branch
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui