Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com The Tablet | 5 Jul 2022
Minorias religiosas enfrentam crescente perseguição digital
“O mais chocante de tudo é que os governos estão a fechar os olhos a isto, ou até mesmo a incentivar activamente”.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © CNS photo/Ari Jalal, Reuters

Um relatório da instituição de caridade Open Doors alertou que as minorias religiosas enfrentam uma “existência Orwelliana” sob crescente perseguição digital.

A instituição diz que a tecnologia de vigilância e a monitorização das redes sociais pelos Estados foram combinados com censura e desinformação em plataformas digitais para atingir minorias religiosas.

A Open Doors, que faz campanha pelos cristãos perseguidos em todo o mundo, publicou o relatório em parceria com as universidades de Birmingham e Roehampton. O seu lançamento coincidiu com a Conferência Ministerial Internacional sobre Liberdade de Religião ou Crença, que se reúne em Londres hoje e amanhã.

“Observamos como multidões e grupos terroristas em todo o mundo estão a fazer uso de plataformas digitais para aumentar o seu controlo sobre as minorias religiosas”, disse David Landrum, director de advocacia e média da Open Doors UK.

“O mais chocante de tudo é que os governos estão a fechar os olhos a isto, ou até mesmo a incentivar activamente o comportamento violento e opressivo”.

O relatório cita o uso extensivo de tecnologia de vigilância pelo governo chinês para atacar comunidades religiosas e o papel da desinformação online em fomentar a hostilidade contra as minorias na Índia.

Também observa o crescimento da perseguição digital noutros países da África e da Ásia Central, como Myanmar, onde se espalham histórias online a culparem cristãos e outras minorias pela disseminação da Covid-19. Na Líbia, a monitorização da internet é usada para atingir aqueles que acedem a recursos cristãos online.

Criticando a falta de cobertura da perseguição digital no último relatório de direitos humanos do Foreign, Commonwealth and Development Office, a Open Doors pediu ao governo do Reino Unido que dê prioridade a investigações e acções sobre o assunto. Também recomenda a cooperação com instituições internacionais para estabelecer padrões éticos no desenvolvimento e exportação de tecnologias de vigilância.

Num prefácio do relatório, Sam Brownback, ex-embaixador-geral dos EUA para a liberdade religiosa internacional, adverte que o governo chinês transformou a província de Xinjiang “num laboratório” para a “opressão tecnológica”.

“Os Uighurs de lá tornaram-se efectivamente uma ferramenta de marketing para vender essas tecnologias em todo o mundo – um teste beta para um estado policial virtual”, escreveu.

Outras recomendações do relatório incluem pedidos para que empresas digitais e plataformas de redes sociais respondam de forma robusta à desinformação e aos pedidos dos estados por censura e para “defenderem os direitos humanos e as liberdades civis, resistindo a essas exigências de regimes autoritários”.

O relatório diz que há “tempo agora para chegar a um consenso sobre essa tecnologia e estabelecer regulamentação para proteger os indivíduos”. Brownback descreve isto como “um momento decisivo para os países que valorizam a liberdade e os direitos humanos”.

Artigo de Patrick Hudson, publicado no The tablet a 5 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Minorias  •  Direitos humanos  •  Censura  •  Religião  •  Perseguição digital  •  Tecnologia  •  Estado
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui