Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 5 Jul 2022
Quando os jovens não estão bem
Associação católica na Alsácia adopta uma abordagem secular para ouvir e apoiar jovens de 15 a 25 anos que precisam de um espaço para falar sobre os seus problemas.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DEEMERWHA STUDIO/STOCK.ADOBE

“Eu costumava ter ataques de pânico”, admite Sophie.

“Tinha fobias, dores de estômago. Não me atrevia a sair. Os meus pais mandaram-me ao psiquiatra... Não adiantou nada”, conta esta jovem de 17 anos de Mulhouse, a segunda maior cidade da região da Alsácia, na fronteira com a Alemanha e a Suíça.

Sophie poderia facilmente ter escapado do radar de jovens que precisavam de ajuda. Sempre foi uma excelente aluna, trabalhando constantemente para obter as melhores notas. Mas os seus estudos eram na verdade um refúgio de um pai doente e alcoólico, uma mãe austera e o isolamento da sua família alargada.

Então, um dia, o director assistente da sua escola católica particular encaminhou-a para a TJL (ToutJourLà), uma associação de conselheiros na Alsácia para jovens de 15 a 25 anos.

O grupo, fundado há 12 anos, é dependente da Arquidiocese de Estrasburgo, mas adoptou uma abordagem secular.

Ao mesmo tempo em que realiza reuniões em escolas secundárias e faculdades católicas na Alsácia, também recebe estudantes e jovens profissionais nos seus gabinetes em Estrasburgo e Mulhouse.

“Lá encontrei pessoas em quem podia confiar”, diz Sophie.

“Hoje sinto-me melhor. Os psiquiatras são bons, mas não há relação, e eu preciso disso”, admite.

 

Sempre dois ouvintes

O método TJL: há sempre dois ouvintes, o que coloca o jovem no centro de uma conversa real.

“Eles nem sempre têm o mesmo ponto de vista e também falam comigo sobre si mesmos. Isso ajuda-me a seguir em frente para encontrar o meu próprio caminho”, diz Sophie.

Embora viva num ambiente familiar onde Deus está presente, não é a orientação espiritual no sentido religioso que ela vem procurar, como a maioria dos jovens.

“Tomamos Cristo como nosso modelo, a sua visão das pessoas que Ele conhece e o Seu desejo de colocá-las de pé novamente, mas não falamos sobre isso a menos que o jovem queira”, diz a sua pessoa de contacto e ouvinte, Marie-Marguerite Ancel-Chalvet, co-fundadora da TJL e actual presidente.

Esta ex-empresária é formada em teologia e psicologia sistémica. Tem uma forte fé e desejo de ajudar jovens imprevisíveis, bem como um calor e franqueza que os jovens apreciam.

 

Nenhum assunto é tabu

Amigos “coloridos”, vícios? Nenhum tópico está fora dos limites ou é tabu.

“Não peço que mudem de atitude, mas digo-lhes quando estão a entrar na «nuvem»”, explica. Tradução: quando enveredam por um caminho “nublado”.

É uma forma de falar com sentido, e não apenas de ouvir, a jovens oriundos de meios maioritariamente privilegiados, onde o seu mal-estar muitas vezes não é bem identificado.

“Também nestas famílias estão cada vez pior, com forte pressão académica, ansiedade sobre o rumo que estão a tomar na vida, pais pouco presentes ou que estão a separar-se, abuso sexual entre jovens, pornografia, meninas tratadas como objectos…”, diz Ancel-Chalvet, listando alguns dos problemas.

“Eles sabem muito bem como causar uma boa impressão, e o problema básico às vezes só aparece na quarta ou quinta consulta, então demoramos a conhecer-nos”, continua, antes de mostrar uma mensagem de texto que recebeu no dia anterior de um jovem a confidenciar pensamentos de suicídio.

 

80 a 100 jovens por ano

Ancel-Chalvet e outro colaborador da arquidiocese são empregados assalariados. Com uma equipa de ouvintes voluntários, acompanham de 80 a 100 jovens por ano, muitas vezes encaminhados por outras organizações.

Os jovens podem ir pelo tempo que quiserem e gratuitamente. Os ouvintes da TJL encaminham-nos para profissionais se necessário.

No total, a equipa gasta 30 horas de escuta por semana, cinco horas diárias de mensagens de texto e 100 reuniões por ano com pais, professores e assistentes sociais.

Priscilla, vítima de agressão sexual, foi rejeitada pelo pai por ser homossexual. Abandonou os seus estudos de enfermagem, refugiou-se na cannabis e sentiu-se mal a trabalhar num lar de idosos.

A TJL ajudou-a a preencher uma queixa, encorajou-a a afirmar-se, sem cortar os laços, e apoiou-a no seu plano de conversão.

“ A Marie-Marguerite quase me mandou «pôs os pontos nos i's e cruzar os t's» com o meu pai. Na verdade, é muito melhor dizer coisas”, diz Priscilla, agradecida.

Procurando desenvolver a sua missão e melhorar as suas condições de acolhimento, a associação obteve recentemente o apoio de uma fundação que disponibiliza um “kit de iniciação” a quem nela se queira inspirar em toda a França.

Muitos dos jovens que foram apoiados ao longo dos últimos 12 anos voltaram a encontrar-se no passado fim-de-semana em Estrasburgo para um dia de celebração. Foi uma oportunidade de avaliarem o caminho de resiliência que tantos deles trilharam.

Artigo de Élise Descamps, publicado no La Croix International a 4 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Alsácia  •  França  •  Jovens  •  Acompanhamento  •  Tout Jour Là
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui