Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 1 Jul 2022
Líderes católicos elogiam decisão do Supremo Tribunal que encerra “Permanência no México”
Os Protocolos de Protecção aos Migrantes (PPM), popularmente conhecidos como “Permanência no México”, forçam os migrantes na fronteira sudoeste dos EUA com o México a esperar no México até que as autoridades de imigração decidam sobre os seus pedidos de asilo.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Jose Luis Gonzalez/Reuters via CNS

Os líderes da imigração católica dos Estados Unidos comemoraram uma decisão do Supremo Tribunal a 30 de Junho que permite que o governo Biden encerre uma controversa política de fronteira da era Trump, mas têm pouco optimismo de que a decisão levará a quaisquer medidas para uma verdadeira reforma da imigração.

“Este é o começo, não o fim”, disse o Bispo Auxiliar de Washington Mario Dorsonville, também presidente das Migrações da Conferência Episcopal, ao Crux. “Ainda precisamos de um processo bem organizado na fronteira em que as pessoas possam confiar.”

Os Protocolos de Protecção aos Migrantes (PPM), popularmente conhecidos como “Permanência no México”, forçam os migrantes na fronteira sudoeste dos EUA com o México a esperar no México até que as autoridades de imigração decidam sobre os seus pedidos de asilo.

A Igreja e os defensores da imigração há muito que a condenam como uma política de dissuasão ineficaz e desumana, citando acampamentos insalubres e susceptibilidade ao tráfico de pessoas, contrabandistas e outros crimes.

Numa decisão de 5-4 sobre o caso, Biden v. Texas, o Chefe da Justiça John Roberts, escreveu na opinião da maioria que “a rescisão dos PPM pelo governo não violou” a lei de imigração, observando também que os tribunais inferiores não tinham autoridade para ordenar o programa.

Roberts foi acompanhado na maioria pelos juízes Sonia Sotomayor, Elena Kagan, Brett Kavanaugh e o agora aposentado juiz Stephen Breyer. Os juízes Clarence Thomas, Samuel Alito, Neil Gorsuch e Amy Coney Barrett discordaram.

Em resposta à decisão de Dorsonville, a presidente e CEO da Catholic Charities USA, Donna Markham, e a directora executiva da Catholic Legal Immigration Network, Anna Gallagher, disseram numa declaração conjunta que a decisão preserva a capacidade do poder executivo de reverter “políticas insustentáveis, ilegais e imorais, independentemente de quem está no cargo”.

“A nossa é uma nação de leis e um farol de esperança para muitos em todo o mundo”, disse o comunicado. “Isto deve inspirar-nos a trabalhar em direcção a respostas justas e humanas à migração forçada, não a adoptar políticas fracassadas do passado”.

O bispo Mark Seitz, de El Paso, o novo presidente das Migrações da Conferência Episcopal dos Estados Unidos, disse estar satisfeito com a decisão porque farão “qualquer pequeno progresso que possa surgir no meio de um sistema muito estilhaçado”. Afirmou que agora há uma oportunidade de criar um sistema que permita uma passagem ordenada para os que têm uma causa legítima para irem para os EUA – seja preenchendo empregos necessários, ou fugindo de situações terríveis na sua pátria.

“Estamos a trabalhar com um sistema que utiliza peças quebradas, pensos rápidos e arame de para mantê-lo unido”, disse Seitz ao Crux. “Precisa realmente de uma abordagem abrangente”.

“Se tivéssemos um sistema ordenado, não teríamos situações como a que vimos em San Antonio na semana passada, com a morte de 50 pessoas”, continuou Seitz. “Podemos culpar os traficantes o quanto quisermos… mas precisamos de ter um sistema em que esses tipos de pessoas não sejam mais necessários e acho que seria possível se simplesmente permitíssemos que as pessoas que têm uma causa legítima pudessem atravessar”.

Os PPM foram anunciados pelo então secretário de Segurança Interna Kristjen Nielson a 20 de Dezembro de 2018 e começaram no início de 2019. De Janeiro de 2019 até ao final de 2020, o governo Trump enviou de volta pela fronteira cerca de 70.000 migrantes sob o programa.

O presidente Joe Biden prometeu suspender o programa na campanha e, a 1 de Junho de 2021, o secretário do Departamento de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, emitiu um memorando a encerrar oficialmente o programa.

O Texas e o Missouri prontamente avançaram com um processo. A 13 de Agosto de 2021, um juiz distrital no Texas decidiu que o governo Biden deveria fazer um esforço de “boa fé” para restabelecer a política, que dependia da cooperação do governo mexicano. O México e os EUA chegaram a um acordo em Dezembro de 2021, que procurava tornar o programa mais humano. Cerca de 7.300 migrantes foram inscritos na versão do programa do governo Biden.

A questão agora é o que acontece a seguir.

Marisa Limón Garza, directora sénior para a advocacia e programação do Hope Border Institute, com sede em El Paso, disse que não está totalmente optimista de que o governo Biden irá encerrar o programa porque, de certa forma, o beneficia politicamente e se encaixa numa abordagem hemisférica à imigração que foi expressa na recente Cimeira das Américas e na Declaração de Los Angeles sobre Migração e Protecção.

“Uma resposta hemisférica inclui vários governos a agirem de cada um de seus estados na América Latina e Central, e isso parece mais uma externalização do asilo, do qual os PMM são obviamente um modelo”, disse Garza ao Crux.

Além de rescindir os PMM, Garza disse que o governo Biden precisa de apresentar um plano visionário que aborde as realidades da imigração. Possíveis acções incluem encerrar o Título 42 e reabrir o processo de asilo, e reimaginar um gabinete de recursos humanitários que permita que os agentes de patrulha fronteiriça permaneçam em campo e empreguem pessoas dedicadas ao processamento de pedidos de asilo.

“As pessoas estarão em movimento, gostemos ou não, seja politicamente conveniente ou não, seja bonito ou não; é apenas real e como nós, os Estados Unidos, determinamos como queremos responder a isso é o que o governo Biden precisa de delinear”, disse Garza. “Precisamos que o governo tome as rédeas e precisamos que Biden se apoie no pensamento social católico que conhece e que o pratique porque é disso que precisamos desesperadamente”.

Seitz disse que a curto prazo espera que o governo Biden primeiro estabeleça um sistema ordenado para receber as centenas de imigrantes presos no México por causa dos PPM. Em segundo lugar, disse que espera que o governo Biden e o Congresso analisem todo o sistema, embora não esteja confiante de que o Congresso se possa unir para aprovar qualquer tipo de mudança.

“Não estou nem um pouco confiante, porque isto tornou-se um futebol político muito popular para os políticos e eles não mostraram vontade de lidar com estas questões", disse Seitz.

Em vez disso, Seitz disse que é o trabalho da comunidade de fé a fazer a diferença.

“Realmente não devemos colocar todas as nossas esperanças no sistema político”, disse Seitz. “Em última análise, não vai mudar a menos que o coração das pessoas mude e isso recaia sobre o nosso bailiado e a Igreja. É nosso trabalho amolecer o coração das pessoas, para realmente se importarem com os seus irmãos e irmãs”.

Artigo de John Lavenburg, publicado no Crux a 1 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Migrantes  •  Refugiados  •  Asilo  •  EUA  •  México  •  Biden  •  Trump  •  PPM  •  Protocolos de Protecção aos Migrantes  •  Supremo Tribunal
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui