Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Avvenire | 30 Jun 2022
Ucrânia. A história de Serheij, que encontrou refúgio num convento
Em Trentino, as freiras de clausura também abriram as suas portas para os fugitivos da guerra.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

Serheij, de 41 anos, um refugiado ucraniano de Donbass, e a sua família. Abraham, 29, refugiado nigeriano, e a sua família. São hóspedes do convento de clausura das monjas Serve di Maria de Arco, na província de Trento. Porque “clausura e hospitalidade não estão em contradição”, diz a Irmã Anna, 80 anos (mas parece muito mais jovem) de alegria, energia, coração aberto.

Como as suas irmãs Irmã Lúcia, Irmã Maria Agnese e Irmã Giovanna. “Há um mal-entendido. A clausura nasceu para realizar o ideal monástico do silêncio, do «deserto», da libertação do condicionamento. Mas o monasticismo não é uma fuga do mundo, apenas do mundo do poder, não é uma fuga do povo”. Assim, acrescenta, com surpreendente simplicidade, “as portas estão abertas e o coração ainda mais, para entrar numa relação mais íntima com o Senhor. Amá-lo mais é amar mais os homens”. Assim, há anos que o belo convento do século XVII está aberto ao exterior, a “casais em crise, pessoas em dificuldades, ou que só precisam de silêncio”.

São muitos espaços, um belo jardim cheio de flores. Uma bandeira da paz está pendurada numa das janelas. “Há quem critique, mas não fazemos política, só queremos paz”. Assim como as duas famílias anfitriãs. Tudo começou quando as irmãs conheceram o projecto Centro Astalli di Trento para acolher pessoas em ordens religiosas. E elas abriram as suas portas. “Acolher imigrantes é uma ideia que temos há muitos anos. Pessoas que sofreram tanto! Eles só querem trabalhar e viver em paz”. Assim como Serheij e Abraham. Encontramos o primeiro enquanto está a reparar a cerca de madeira do jardim.

É engenheiro de minas. Vem de Pokrovsk, a área onde a guerra é mais dramática nos dias de hoje, e trabalhou no sector de mineração de carvão. Conta-nos sobre a guerra e a viagem, graças ao tradutor do smartphone que a Irmã Anna usa com a facilidade de uma jovem. Ele chegou a 14 de Abril com a sua esposa, dois diplomados em administração, três filhos de 12, 8 e 6 anos e dois gatos. Uma viagem um pouco de comboio e um pouco a pé. Rota dos Balcãs, até Trento. Em seguida, o encontro com o Centro Astalli e o acolhimento das monjas. “Saímos para não mostrarmos a guerra aos nossos filhos”. Mas eles ouviram as bombas e o mais novo ainda está chocado. Na Ucrânia, a mãe idosa e doente permaneceu, mas, como muitos idosos, não quer sair. “A nossa casa ainda não foi destruída, mas os mísseis chegam todos os dias”, diz Serheij.

Mas a casa não está vazia. “As pessoas de Lugansk vivem lá e perderam as suas casas. Já não têm casa, já não há cidade”. Palavras dramáticas, mas Serheij não é um refugiado. Assim que chegou, imediatamente começou a fazer trabalhos de manutenção para as freiras e é muito bom. Em breve começará a trabalhar numa empresa termohidráulica onde já existe um trabalhador ucraniano que será o seu intérprete. As crianças terminaram a escola ucraniana em Dad e agora estão matriculadas nas escolas municipais de Arco. Novos refugiados e velhos refugiados. Europa e África. Abraham vem da Nigéria e chegou há mais de seis anos num barco, resgatado por um navio de uma ONG. Líbia, Sicília, depois Nápoles e finalmente Trento.

A sua esposa Tina, de 28 anos, juntou-se a ele, enquanto o filho Isaac, de 9 anos, permaneceu na Nigéria. “A viagem era muito perigosa, não podia arriscar a vida dele”. Agora pediram a reunificação, mas “há muitos problemas” – comenta a Irmã Anna amargamente – “também para obterem uma autorização de residência. Tudo é mais difícil para elesE. Mas eles vivem a sua vida com esperança. Assim nasceu em Trentino um menino que agora tem 4 anos e uma menina que tem um. Crianças italianas. “Ainda não, ainda não podemos”. Abraham responde com um sorriso amargo, pois está ciente das dificuldades de obtenção da cidadania para os filhos de refugiados nascidos na Itália. No entanto, ele, que era jardineiro na Nigéria, trabalha aqui num local de construção e fala italiano muito bem. Enquanto as crianças vão para as escolas de Arco.

Um acolhimento muito bem feito. As duas famílias administram-se sozinhas, graças também à contribuição pública para os ucranianos e aos fundos dos projectos do Centro Astalli. E agora com o salário dos dois pais. Um acolhimento que cresce como tomates, beringelas, cebolas, manjericões que crescem na horta do convento graças aos cuidados de Uliana, a mãe ucraniana. Frutos para partilhar, precisamente no espírito desta experiência. “Mais clausura é mais acolhimento, senão é uma prisão. Pelo contrário, a nossa vida é enriquecida com a vida desta família”, é a última bela mensagem que a Irmã Anna nos deixa.

 

“O projecto Centro Astalli

O projecto do Centro Astalli de Trento para o acolhimento nas ordens religiosas nasceu em 2016 “após o apelo do Papa Francisco para abrirmos as portas, uma escolha reforçada após os chamados «decretos de segurança» e os efeitos negativos produzidos”. É assim que explica o presidente do Centro Astalli, Stefano Graiff, o significado da iniciativa que envolve actualmente seis ordens religiosas: Jesuítas, Capuchinhos, Missionários Combonianos, Dehonianos, Canossianas e Servas de Maria, e em Setembro também os Franciscanos.

Actualmente abrigam 57 imigrantes, africanos e paquistaneses, além de 11 ucranianos (duas famílias). Recepção ampla, pequenos grupos. Todos são requerentes de asilo. Mas pode haver muitos mais.

Como explica o director do Centro Astalli, Stefano Canestrini, “desde o início do ano, mais de 200 paquistaneses chegaram da fronteira de Gorizia. Cerca de 97 deles vivem na rua porque as consultas na Esquadra para solicitar asilo demoram. E sem pedido, não se pode ser aceite. Ainda assim haveria lugares”, queixa-se.

De facto, para além das ordens religiosas, existe toda uma rede de associações que já acolhe mais de 400 requerentes de asilo. E o que também preocupa é esse fluxo anómalo de paquistaneses nos últimos meses, todos vindos da rota dos Balcãs e todos com destino a Trento. Sabendo bem para onde ir. Suspeita-se de uma organização que gere este fluxo, mas também o subsequente recrutamento de postos de trabalho. Trabalho escravo ou ilegal, exploração de empregadores paquistaneses e trentinos. Principalmente no sector do turismo. Hipótese sobre a qual está a trabalhar o Ministério Público de Trento.

Artigo de Antonio Maria Mira, publicado em Avvenire a 30 de Junho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Ucrânia  •  Clausura  •  Refugiados  •  Migrantes  •  Paquistão  •  Hospitalidade  •  Acolhimento
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui