Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 29 Jun 2022
Prior de mosteiro com problemas diz que o conflito é normal no crescimento
Chialà, eleito prior do Mosteiro de Bose em Janeiro, entrou na comunidade em 1989 e fez os seus votos perpétuos em 1997.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Mosteiro de Bose

O novo prior do Mosteiro de Bose, na Itália, falou sobre o estado da comunidade após um impasse interno contencioso que culminou com o exílio do seu fundador no ano passado.

Falando da tensão dentro do mosteiro e da expulsão do fundador e líder de longa data de Bose, Enzo Bianchi, o novo prior, Sabino Chialà, disse que a crise causou “feridas e lutas que tanto os prejudicaram” a eles e a quem acredita neles.

“A comunidade sofreu, quem está aqui e quem já não está, sofreu. Acima de tudo, o escândalo que causamos nas pessoas, nos amigos, naqueles que não conseguiam entender, fez-me sofrer muito”, disse numa entrevista recente ao jornal italiano Corriere della Sera.

Chialà, eleito prior do Mosteiro de Bose em Janeiro, entrou na comunidade em 1989 e fez os seus votos perpétuos em 1997. Serviu como líder da casa comunitária na cidade de Ostuni, no Sul da Itália, de 2013 a 2019, e regressou a Bose em 2019, onde actuou como mestre de noviços antes da sua eleição como prior.

Assumiu o lugar do prior anterior, Luciano Manicardi, cuja eleição em 2017 aparentemente não foi bem recebida por Bianchi, um monge leigo que fundou o Mosteiro de Bose na década de 1960 como uma comunidade ecuménica de homens e mulheres pertencentes a diferentes confissões cristãs, mas que vivem uma vida comum de oração, pobreza, celibato e obediência ao Evangelho.

Como fundador e líder de longa data de Bose, Bianchi ganhou prestígio internacional e foi homenageado por vários Papas, incluindo João Paulo II, Bento XVI e Francisco.

Renunciou à liderança do mosteiro em 2017, mas supostamente não aceitou a autoridade de Manicardi como o novo líder, causando um clima de tensão e conflito interno que rendeu várias queixas ao Vaticano, que lançou formalmente uma investigação sobre a comunidade em 2019.

Esse processo culminou com o Vaticano a ordenar que Bianchi e três outros membros da comunidade saíssem. Bianchi recusou durante mais de um ano, a certa altura levando o próprio Papa a envolver-se numa reunião com a liderança da comunidade.

Bianchi finalmente partiu em Junho de 2021 e agora vive na cidade de Albiano, na província de Trento, no Norte da Itália, onde abriu um novo centro espiritual, a Casa della Madia, como local de oração e contemplação para quem quer juntar-se a ele na sua vida monástica, ou que está de passagem e em busca de um pequeno retiro.

Publica consistentemente artigos e reflexões sobre temas de relevância em jornais italianos, a maioria dos quais aparece no segundo maior jornal da Itália, La Repubblica.

Falando da crise interna da comunidade, Chialà disse que muitas pessoas, incluindo amigos do passado, acreditam que Bose agora está “morto” e incapaz de se recuperar da sua turbulência interna.

Embora esta possa ser a opinião de alguns, “se há uma maneira pela qual Bose pode mostrar que não está morto, é vivendo”, disse Chialà, insistindo que o verdadeiro carisma de Bose não é Bianchi, mas “os irmãos e irmãs que moram lá”.

“Bose sempre insistiu que não nasceu do nada; é filho da tradição que remonta aos padres do deserto”, mas adquiriu uma qualidade especial depois de se inspirar no movimento ecuménico após o Concílio Vaticano II, disse.

O mosteiro cresceu graças às pessoas, incluindo Bianchi, que acreditaram nele e se comprometeram com esse estilo de vida, unindo diferentes tradições eclesiais, disse Chialà, acrescentando: “Esta tradição agora deve continuar no seu caminho”.

Sobre o escândalo causado pela crise com Bianchi, Chialà disse acreditar que muito disso é “psicológico” e que a dor causada, embora inevitável, faz parte da vida cristã.

Questionado sobre como Bose pode começar de novo, a resposta de Chialà foi: “a partir das mulheres e homens do nosso tempo”.

“Na medida em que partimos de pessoas concretas, evitamos qualquer idealização, vemos as pessoas na sua falibilidade e investimos em capital real. Basicamente, é o que Deus fez. Ele acreditava no homem apesar da sua falibilidade”, afirmou.

Nesse sentido, disse que a humanidade deve ser vista pelo que é, “não deve ser forçada ao clichê do que se pode imaginar, esperar ou sonhar”.

“Acreditamos que os nossos sonhos são a melhor coisa que pode haver. Em vez disso, os nossos sonhos são sempre muito mais pobres do que os de Deus”, observou Chialà, dizendo que o verdadeiro problema é sermos capazes de nos deixar desafiar pelo desconhecido, porque talvez descubramos que o sonho de Deus é muito maior que o nosso. “Mas também acredito nisto para a nossa comunidade”, acrescentou.

Dado tudo o que o Mosteiro de Bose suportou, Chialà disse que é mais óbvio do que nunca que a comunidade “não é uma obra humana”, mas é inspirada por Deus.

“Se Bose tem futuro, é porque acredita e encontra energia, substância, em algo que o transcende”, disse, “não depende das pessoas”.

Chialà observou que houve escândalos e conflitos ao longo da vida da Igreja, dizendo que “os cristãos começaram a lutar cinco minutos antes de se reunirem”.

“É um drama no coração da Igreja desde o início, porque está dentro do ser humano”, afirmou, e sublinhou a importância de olhar para trás e perceber como os conflitos anteriores que surgiram foram resolvidos.

Mais do que tudo, o que a comunidade precisa é de “um acto de coragem e verdade”.

“Partimos daí, não escondemos. Bose assumiu a nossa fragilidade a um preço caro. Até os nossos convidados e amigos, que talvez nos tenham idealizado um pouco demais”, explicou.

No entanto, a comunidade avançou continuando o seu trabalho diário e voltando às fontes do monaquismo e da vida espiritual quotidiana, adiantou, dizendo que já vê “um resultado positivo no enraizamento, na nova motivação, no repensar”.

“É um regresso ao essencial depois de um tempo de desordem. Se quiser, de embriaguez”, disse, e destacou a importância do diálogo, especialmente em Bose, que é composto por membros pertencentes a diferentes tradições cristãs.

Chialà disse que ainda se está a habituar à ideia de ser prior do mosteiro, e que “assim que não for mais necessário”, será “a pessoa mais feliz a partir”. “Sinto-me extremamente livre”, confessou.

Negou que ainda haja um clima de divisão, dizendo que sentiu “o apoio e o carinho da comunidade” desde a sua eleição em Janeiro, que, segundo ele, “ajuda muito a exercer o ministério numa situação um tanto complexa”.

Artigo original de Elise Ann Allen, publicado no Crux a 29 de Junho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui