Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 28 Jun 2022
Quatro padres e uma religiosa assassinados numa semana
Mortes Ocorreram no México, Haiti e Nigéria.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Christian Chavez/AP

Os últimos sete dias estiveram entre os mais mortíferos para padres e religiosos católicos nos últimos anos, com um assassínio violento a cada 33 horas.

Na última quarta-feira, 22 de Junho, o Papa Francisco condenou o assassínio naquela semana de dois padres jesuítas no México.

No domingo, 26 de Junho, o Pontífice voltava a lamentar a morte de uma religiosa, desta vez no final do seu Angelus semanal: a Irmã Luisa dell'Orto, Irmãzinha do Evangelho de São Carlos de Foucauld, foi assassinada no Sábado em Porto Príncipe, capital do Haiti.

Entre esses assassínios, mais dois ocorreram na Nigéria. A notícia dos dois incidentes separados que mataram dois padres, no entanto, foi divulgada após a última aparição pública do Papa.

 

Nigéria perde dois padres

No Sábado, 25 de Junho, o padre Vitus Borogo foi assassinado no estado de Kaduna, a mesma região onde duas igrejas foram atacadas uma semana antes. Acredita-se que os assassinos sejam membros da organização terrorista islâmica Boko Haram.

O padre de 50 anos serviu como presidente da Associação de Padres Diocesanos Católicos da Nigéria. Foi assassinado numa fazenda, durante o que o chanceler da diocese definiu como uma “invasão de terroristas”.

No Domingo, 26 de Junho, o padre Christopher Odia foi assassinado após ter sido sequestrado na Diocese de Auchi, estado de Edo, na região sul da Nigéria. Tinha sido raptado a caminho da missa dominical na Igreja Católica St. Michael Ikabigdo.

Tinha 41 anos e foi ordenado sacerdote em 2012.

De acordo com a Open Doors International, uma ONG que acompanha a perseguição cristã a nível global, em grande parte do norte da Nigéria os cristãos vivem sob a constante ameaça de ataques do Boko Haram, da Província da África Ocidental do Estado Islâmico (ISWAP), pastores Fulani e outros criminosos que sequestram e matam à vontade.

Enquanto todos os cidadãos do Norte da Nigéria estão sujeitos a ameaças e violência, os cristãos são frequentemente visados ​​especificamente por causa da sua fé – a ISWAP e o Boko Haram querem eliminar a presença cristã na Nigéria.

No Domingo, o bispo Matthew Kukah, da diocese de Sokoto, reclamou que um dos seus padres e uma religiosa sequestrados há três semanas continuam desaparecidos, e as pessoas que os levaram estão a negociar um resgate de quase meio milhão de dólares.

“Estamos a negociar com os sequestradores enquanto estou a falar porque não sei como recuperar o meu padre”, afirmou.

Kukah observou que membros da sua família já foram sequestrados e outro dos seus padres foi morto por sequestradores, assim como um seminarista.

“De alguma forma, gostamos de fingir que temos um governo”, disse. “É claro que temos o aparato do governo, temos os andaimes, mas esse andaime é importante porque as pessoas podem ver o acesso e os recursos apropriados do Estado”, acrescentou.

 

Uma religiosa italiana assassinada no Haiti

A Irmã Lucia Dell'Orto foi assassinada por três homens armados a 25 de Junho na capital haitiana, Porto Príncipe, onde viveu nos últimos 20 anos. Foi baleada por três homens armados e deixada na rua para morrer.

“Parece que não foi um assalto ou sequer uma tentativa de sequestro, mas um dos muitos casos de violência absurda que a proliferação de armas permite. Lucia não tinha inimigos”, disse ao jornal italiano Corriere dell Sera o padre Elder Maurice Hyppolite, sacerdote salesiano e conferencista na ilha caribenha.

“Ela estava ciente de que poderia acontecer alguma coisa; mesmo na sua última carta, disse que a situação era muito difícil”, disse a sua irmã Maria Adele ao jornal local da cidade italiana de Lomagna, no Norte de Milão, onde cresceram.

A religiosa era tão amada na sua cidade natal que até a presidência divulgou um comunicado, dizendo que Lomagna está “unida em choque, consternação e não aceitação”, o que quase os “leva a um movimento de rebelião”.

Na última carta que enviou para a Itália aos que fundaram os seus empreendimentos de caridade no Haiti, Dall'Orto escreveu que, embora alguns a considerassem louca por arriscar a sua vida ficando num lugar tão marcado pela violência, permanecia porque não podiam “manter silêncio” sobre o que viam e ouviam. “Poder contar com alguém é essencial para viver”, escreveu.

 

Dois jesuítas assassinados no México

A semana passada viu a morte de dois padres jesuítas, o padre Javier Campos e o padre Joaquin Mora, no México, um crime que trouxe rápida condenação do Papa Francisco.

Ao longo da semana, centenas de soldados vasculharam as montanhas da Sierra Tarahumara, no México, em busca de um chefe do cartel de Sinaloa local acusado de matar os dois jesuítas idosos juntamente com um guia turístico.

As vidas e mortes de Campos e Mora não apenas ilustram a carnificina que o país está a enfrentar, mas também um dos seus aspectos menos compreendidos: apesar de pertencerem a uma esmagadora maioria estatística, os cristãos na Colômbia que enfrentam a violência correm um risco notável. Enfrentam perigo não pelas suas crenças religiosas, mas por pregarem contra o tráfico de drogas e a matança de formas que enfurecem tanto os gangues quanto os paramilitares de esquerda e direita.

Como os bispos disseram num comunicado divulgado a 23 de Junho, três dias após o assassínio, a violência no México tem “perturbado a vida quotidiana de toda a sociedade, afectando as actividades produtivas nas cidades e no campo, exercendo pressão com extorsão contra aqueles que no campo trabalham honestamente em mercados, escolas e pequenas empresas, juntamente com empresas de médio e grande porte. [Os criminosos] tomaram conta das ruas, bairros e cidades inteiras, bem como estradas e rodovias”.

Embora não sejam alvo da sua fé, mas da influência do seu ministério em manter os seus “clientes” fora das ruas, os cartéis de drogas mataram entre 45 e 50 padres nos últimos 15 anos. A maioria foi apanhada no fogo cruzado ou recusou-se a realizar serviços sacramentais, como baptismos ou casamentos a traficantes.

Artigo de Inés San Martín, publicado no Crux a 28 de Junho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Perseguição  •  Cristãos  •  Católicos  •  Haiti  •  Nigéria  •  México  •  Assassínios  •  Sacerdotes  •  Religiosa
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui