Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 28 Jun 2022
Uma Igreja, diferentes contas
É preocupante quando dioceses ricas não ajudam a formar o clero em lugares economicamente desfavorecidos; ou padres que não querem trabalhar em lugares que são perpetuamente pobres.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Bernard Hermant / Unsplash

Há algum tempo, estávamos a partilhar e um padre amigo disse-me: “a Igreja é universal em tudo, excepto no dinheiro”.

Por um momento, pensei no que ele disse e perguntei-lhe por que fez tal declaração. Ele esclareceu, dizendo: “Bem, como vês, algumas paróquias e dioceses estão a contar milhões, enquanto outras estão a contar algumas fracções”.

Embora tenhamos brincado sobre o assunto, após uma reflexão mais profunda, percebi que, sem dúvida, a Igreja tenta alcançar as igrejas locais em todo o mundo formando e voltando a formar padres e religiosos, construindo instituições de saúde e educacionais, fazendo doações a instituições de caridade e cuidando dos membros mais vulneráveis ​​da sociedade pela magnanimidade do Santo Padre.

No entanto, de alguma forma, essa magnanimidade não é aparentemente replicada entre paróquias, nações e dioceses em todo o mundo. Esta peça tenta chamar a atenção das partes eclesiásticas interessadas para fazer o necessário.

 

O efeito MCR

A Missão Católica Romana (MCR), como a Igreja é carinhosamente chamada na maior parte da África e da Ásia, é, sem dúvida, a instituição humana mais organizada do mundo.

Bem, o mandato divino da Igreja (Cf. Mt 18:18 e 16:18), sentido de responsabilidade e rectidão moral tornam-na desejada para um apoio generoso em todos os aspectos.

A Igreja pós-ressurreição foi caracterizada por um espírito generoso que fez com que cada crente vendesse tudo o que tinha e colocasse o dinheiro aos pés dos Apóstolos (Cf. Act 2,45).

O desenvolvimento da doutrina e dos sacramentos veio com a divisão do trabalho, pois os Apóstolos separaram claramente o Diaconato como um ministério de serviço para atender às viúvas de origem helenista que eram discriminadas enquanto se concentravam no ministério da palavra (Cf. Atos 6:1-15).

Com o passar do tempo, a Igreja manteve a fé como baluarte da caridade. Como uma administradora fiel, tenta redistribuir os seus escassos recursos enquanto exorta os líderes seculares a garantir equidade, justiça e paz.

Cabe à Acção Católica, impulsionada pela Doutrina Social Católica da Igreja, tornar o mundo um lugar melhor para se viver. Esta é uma obrigação moral que a Igreja procura cumprir como vanguarda de boa governação.

A magnanimidade da Igreja é modelada a partir de Cristo, o bom pastor, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos (cf. Mt 20,28).

João 3: 16 ilustra ainda mais o facto de que “Ele deu o seu filho unigénito”. Essa doação é um acto de auto-emulação que o Mestre espera da Igreja como superintendente dos bens temporais.

O efeito MCR aparece como consequência do empreendimento missionário que viu o cumprimento da Grande Comissão (Cf. Mt 28:16-20).

De recordar que a perseguição da Igreja primitiva e a descida do Espírito Santo sobre os Apóstolos catalisaram a fé para colheitas abundantes. De Jerusalém a Roma, de Cartago a Constantinopla, a fé cresceu aos trancos e barrancos.Do primeiro ao quinto século, a Igreja floresceu como “uma Outstation” do Império Romano.

Graças a Cipriano de Cartago, Santo Agostinho de Hipona, mártires como Perpétua, Felicidade, Ágata, Lúcia e Inês, a Igreja continuou a expandir as suas fronteiras em África.

Com cidadelas em Constantinopla (hoje Turquia), Núbia, Egipto e mais tarde Congo e Uganda, a Igreja cuidou e amamentou os seus terrenos recém-nascidos com o leite da bondade humana que fluía dos cristãos que estavam convencidos em manter o legado de vender “terras e outros bens e distribuir o dinheiro por todos, de acordo com as necessidades de cada um” (Cf. At 2,45), além de serem fiéis ao nome cristão como era em Antioquia (Cf. At 11,26).

 

Sociedades Missionárias Pontifícias, aprender com os Papas

Séculos passaram-se e a Santa Madre Igreja não deixou de atender às necessidades dos fiéis de todo o mundo.

Faz isto através de sociedades missionárias católicas também conhecidas como Missio.

Essas organizações que estão directamente sob a jurisdição do Papa incluem a Sociedade para a Propagação da Fé, a Sociedade de São Pedro Apóstolo, a Associação da Santa Infância e a União Missionária de Sacerdotes e Religiosos.

Fundada em 1922 como um corpo para missões no exterior, a Missio espalha o Evangelho de Cristo no mundo em países onde a fé cristã é nova, jovem ou pobre até que essas Igrejas sejam autossuficientes.

Com papéis específicos, como o combate à pobreza, doenças, injustiça e exploração, através dos seus 120 gabinetes em todo o mundo, o órgão aumenta a consciencialização e promove a oração e a colaboração em todo o mundo católico.

Mais concretamente, as Obras Missionárias Pontifícias atendem às necessidades espirituais e materiais das crianças católicas de todo o mundo através da Associação da Santa Infância.

Com o financiamento colectivo, a Igreja pode dar grandes passos na propagação da fé em países novos, jovens e pobres do mundo como a América Latina, Ásia e África; além de formar clérigos e religiosos, erigir seminários, conventos, reitorias, centros de saúde e instituições educativas através da Sociedade de São Pedro Apóstolo e da União Missionária de Sacerdotes e Religiosos.

Não é de admirar que o prefeito da Secretaria de Economia do Vaticano, o padre Juan Antonio Guerrero, SJ, tenha divulgado que o orçamento da Santa Sé para 2022 mostrou uma receita operacional de 823 milhões de dólares (em comparação com 265 milhões em 2021), despesas de 885 milhões de dólares (em comparação com 336 milhões em 2021) e um défice de 37 milhões de dólares (em comparação com 55 milhões em 2021), tornando-o muito maior do que nos anos anteriores.

O jesuíta espanhol explicou que enquanto 30% destes recursos foram gastos em “Missão Apostólica” que inclui 69 entidades, oito das quais absorvem cerca de dois terços dos recursos, 21% foram gastos em apoio a igrejas locais em dificuldade e contextos específicos de evangelização.

 

Igrejas locais e o escândalo de uma Igreja, diferentes contas

Apesar das conquistas mencionadas da Igreja Universal em coordenar perfeitamente as instituições de caridade nos sete continentes do mundo, as Igrejas locais parecem estar presas na tendência narcisista de se decorarem, ignorando a Igreja sofredora a morrer na penúria.

Talvez seja crucial perguntar como a Igreja está a ter no Magrebe Islâmico.

Com uma tolerância zero com os cristãos em “países de particular preocupação” como Birmânia, China, Eritreia, Índia, Irão, Nigéria, Coreia do Norte, Paquistão, Rússia, Arábia Saudita, Síria e Vietname, quantos países irmãos cristãos estão deliberada e estrategicamente a fazer esforços conjuntos em dinheiro e bondade para ajudar os seus irmãos cristãos nesses países?

Embora os esforços existentes do governo húngaro e de outros lugares nos Estados Unidos da América sejam louváveis, é triste notar que, embora algumas nações estejam bem, há outras nações onde os cristãos estão a morrer apenas porque espalham o nome de Cristo.

É preocupante que existam dioceses ricas que não estão dispostas a ajudar a treinar o clero em lugares economicamente desfavorecidos. Não é improvável encontrar padres que não estão dispostos a trabalhar em países devastados pela guerra ou onde Lázaro é perpetuamente pobre. Descrever isto como escandaloso é pouco.

A dinâmica não é diferente de como as paróquias mais ricas da mesma diocese tratam as mais pobres como leprosos.

Por exemplo, na Nigéria, enquanto as dioceses de Maiduguri, Yola, Jalingo e Sokoto estão sob o jugo da perseguição e destruição arbitrária de vidas e meios de subsistência, incluindo igrejas, as dioceses irmãs mais velhas parecem imperturbáveis, pois os seus recursos dificilmente as alcançam.

Na maioria das dioceses, as transferências são um grande problema, pois aqueles que são colocados na “manjedoura” (paróquias pobres) são frequentemente olhados com pena ou vistos como padres que ofenderam o bispo.

Enquanto, para alguns, o ministério pastoral é visto como “pague e leve”, para outros, é um cartel onde aqueles que lhe pertencem ganham muito no “casino”.

Até que a hierarquia da Igreja coloque pinos redondos em buracos redondos, a nossa permaneceria uma Igreja com contas diferentes no banco e na narrativa.

 

Artigo do Pe. Justine John Dyikuk, publicado no La Croix International a 27 de Junho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Missão  •  Pontífices  •  Missionários  •  Caridade  •  Igreja local  •  Igreja universal
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui