Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 22 Jun 2022
Bispos africanos apelam aos líderes mundiais para protegerem a biodiversidade
Esta é a primeira vez que os prelados do continente assumem uma postura colectiva e pública sobre o clima.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Fredrick Nzwili/CNS

Os bispos africanos reunidos no Quénia divulgaram um comunicado na terça-feira pedindo aos governos mundiais que tomem medidas “urgentes e ambiciosas” para proteger a biodiversidade. Esta é a primeira vez que os prelados do continente assumem uma postura colectiva e pública sobre o clima.

“A nossa casa comum e a nossa família comum estão a sofrer”, diz o comunicado. “A biodiversidade está a sofrer a um ritmo mais rápido do que em qualquer outro momento da história, e sucessivos relatórios importantes destacaram a enorme escala da perda de natureza. A emergência climática está a causar o aumento dos mares, um planeta mais quente e um clima mais extremo, tudo isto está a devastar a criação de Deus”.

A declaração acompanha uma petição que está aberta para outros assinarem, e assim irá permanecer até à Conferência de Biodiversidade das Nações Unidas (COP15) deste ano, que acontecerá de 5 a 17 de Dezembro em Montreal, Canadá.

O apelo surge do Simpósio das Conferências Episcopais da África e Madagascar (SECAM), e de acordo com o comunicado de imprensa que acompanha o comunicado, “esta é a primeira vez que a igreja africana toma uma posição pública nesta área”. A Rede Eclesial da Floresta da Bacia do Congo (REBAC) e o Movimento Laudato Si’ (LSM) também apoiaram a petição.

Com a sua declaração e a petição, os bispos do SECAM juntaram-se aos que pedem que 50% da Terra seja protegida até 2030. O documento também pede que os direitos dos povos indígenas sejam respeitados e a paragem imediata da construção do Oleoduto da África Oriental. E pede aos governos – especialmente os do norte global – que sejam transparentes e responsáveis, enquanto são lembrados dos seus compromissos financeiros para interromper a perda de biodiversidade e iniciar a sua recuperação.

O texto foi apresentado num evento em Nairobi, onde estão a ocorrer sessões preparatórias para a COP15. A cimeira da ONU deveria ser originalmente realizada na China, mas na segunda-feira o secretariado anunciou que agora será realizada no Canadá, mas “sob a presidência da China”.

Como aponta a petição, “os biólogos estimam que estamos a levar as espécies à extinção a uma taxa superior de 100 a 1.000 vezes à taxa normal”.

Citando a Laudato Si’, a encíclica do Papa Francisco sobre a criação de Deus, os bispos dizem: “não temos esse direito”.

“De facto, ecossistemas saudáveis, principalmente florestas e oceanos, são mais capazes de armazenar carbono. Por outro lado, reduzir o aquecimento global reduz o risco de extinção de espécies”, lê-se na petição.

O Pontífice argentino fez do cuidado com o meio ambiente uma pedra angular social do seu pontificado, e está registado que esperava que a sua encíclica lançada em 2015, o primeiro documento papal dedicado ao meio ambiente, influenciasse o acordo de Paris de 2015 sobre as mudanças climáticas.

A Conferência de Biodiversidade COP15 irá reunir lideranças estatais, organizações regionais e actores não governamentais, e tem como objectivo aprovar a versão final da minuta do Global Biodiversity Framework (GBF) pós-2020, uma actualização da Convenção sobre Diversidade Biológica. A edição deste ano foi adiada duas vezes e transferida da China para o Canadá devido à COVID-19.

A Convenção sobre a Diversidade Biológica foi assinada por 150 líderes governamentais na Cimeira da Terra do Rio em 1992 e é dedicada à conservação da diversidade biológica. Já foi ratificada por 195 países mais a União Europeia, mas não pelos Estados Unidos ou pelo Vaticano, que ratificou várias outras convenções da ONU, incluindo sobre a eliminação da discriminação racial, o estatuto de refugiado, munições de fragmentação e armas biológicas.

A petição do SECAM para a COP15 segue uma assinada por mais de 120.000 católicos e 420 organizações apresentadas às autoridades da COP26 sobre Mudanças Climáticas, realizada em Glasgow no ano passado. A petição Planeta Saudável, Pessoas Saudáveis ​​pediu aos líderes mundiais que tomem medidas urgentes para a Criação de Deus.

Este ano na COP15, de acordo com a petição do site, será feito o mesmo e “levantar todas as vozes da Criação de Deus, especialmente as dos mais vulneráveis”.

A declaração do SECAM faz menção especial à biomassa da Bacia do Congo, a segunda maior floresta tropical do mundo, e onde a extracção ilegal e insustentável de madeira juntamente com a apropriação de terras e a agricultura industrial colocam em risco os povos indígenas e espécies ameaçadas.

O documento aponta que a emergência climática e a crise da biodiversidade estão intimamente ligadas.

 

A razão, dizem, é que a destruição da biomassa causa a perda de um recurso fundamental para a absorção de carbono da atmosfera, o que ajuda a mitigar o aquecimento global. Clima e biodiversidade são duas faces da mesma moeda e, por isso, devem ser enfrentados juntos, defende o SECAM.

Da mesma forma, o problema ecológico é indissociável de sua dimensão social: o comunicado aponta que esses abusos contra a biodiversidade afectam comunidades vulneráveis ​​que cuidam desses ecossistemas há séculos e também geram uma série de conflitos sociais.

Assim como na Laudato Si’, o documento dos bispos africanos considera que o cuidado com a natureza e com os mais vulneráveis ​​andam de mãos dadas. Sobre isso, afirmam: “Não temos o direito de destruir a biodiversidade”.

 

Artigo de Inés San Martín, publicado no Crux a 22 de Junho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
África  •  Biodiversidade  •  Ecologia  •  Laudato Si'  •  Papa Francisco  •  Casa Comum  •  Bispos  •  Petição
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui