Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 22 Jun 2022
Reformulando a polaridade entre Francisco e Bento como um ponto positivo, não negativo
A luta entre o que se poderia chamar vagamente de visões de “Francisco” e “Bento”, que se sobrepõem, mas não são idênticas ao confronto entre esquerda e direita, é travada em várias frentes.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Gregorio Borgia/AP

De certo modo, as disputas entre visões rivais da Igreja Católica existem desde o início do cristianismo, quando Tiago viu a nova fé como um movimento dentro do judaísmo palestino, enquanto Paulo queria abri-la aos gentios.

Nos últimos nove anos, porém, essa realidade eterna ganhou uma nova dimensão por causa da anomalia histórica de dois Papas vivos, um governante e um emérito, ambos residentes no Vaticano, mas nenhum no Palácio Apostólico, que, em carne e osso, osso, parecem encarnar duas agendas alternativas para o futuro católico.

A luta entre o que se poderia chamar vagamente de visões de “Francisco” e “Bento”, que se sobrepõem, mas não são idênticas ao confronto entre esquerda e direita, é travada em várias frentes.

Às vezes, o campo de batalha é a política secular, como nas eleições de 2020 nos Estados Unidos e a questão de saber se um católico praticante que também é pró-escolha pode ser digno de apoio (ou, neste caso, até digno de receber a comunhão).

Visões católicas rivais devem colidir novamente neste Domingo na cidade italiana de médio porte de Verona, famosa como cenário de “Romeu e Julieta”. Lá, o candidato esquerdista a Presidente é um ex-jogador de futebol profissional apelidado de “altar boy” pela sua profunda piedade católica e devoção a alguns dos mais lendários padres de justiça social da Itália, enquanto o bispo local, de facto, apoiou o seu oponente conservador sobre o o apoio da esquerda ao casamento gay, ao aborto e à teoria de género.

Outras vezes, o terreno em que as visões católicas rivais se enfrentam é mais especificamente eclesiástico – quem é feito bispo ou cardeal, por exemplo, ou quanta flexibilidade na prática pastoral será tolerada na aplicação da doutrina da Igreja.

Tentar entender a situação é o objectivo ambicioso de um livro recente do jornalista veterano italiano Massimo Franco, intitulado Il Monastero: Benedict XVI nove anni di papato-ombra (“O Mosteiro: Bento XVI e Nove Anos de um Papado Sombrio”). É um texto brilhante, com a mistura perfeita de detalhes internos e a observação geral que é a marca registada de todo o trabalho de Franco.

A tese central é que, sem que nenhum deles desejasse, a convivência incómoda entre Francisco e Bento XVI criou centros de poder rivais no coração do Vaticano. O título do livro é uma referência ao mosteiro Mater Ecclesiae nos terrenos do Vaticano, onde Bento vive e que, como Franco o descreve, tornou-se um antípoda simbólico da Casa de Santa Marta, a residência onde Francisco se alojou.

Franco cita o ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o cardeal alemão Gerhard Mueller, conhecido como conservador e discípulo do Papa emérito que acabou por ser substituído, no sentido de que “o mosteiro [a residência de Bento] é o lugar onde as pessoas feridas por Francisco vão para serem curadas”.

Na terça-feira, o jornal Corriere della Sera, mais ou menos o New York Times da Itália, publicou a sua versão da coluna “Querida Abby” na qual um leitor indagava sobre o livro de Franco. Em resposta, o colunista Aldo Cazzullo invocou abertamente a perspectiva de um cisma dentro da Igreja Católica como resultado da situação que Franco descreve, enquanto confessa que não sabe se deve esperar mais da direita ou da esquerda.

Como Franco, muitos observadores acreditam que a polaridade entre Francisco e Bento XVI reflecte essas divisões ou, talvez, as exacerba. Percorrendo um pouco o livro, e muito mais na discussão que está a gerar, está a suposição de que ter dois Papas vivos que representam visões políticas e eclesiais diferentes é algo para de preocupante – que é desestabilizador, confuso, desorientador.

Para citar Yeats, presume-se que, em tal situação, “o centro não aguente”.

No entanto, não é possível que, em vez de preocupante, essa polaridade seja na verdade um reflexo da grandeza do catolicismo romano?

Como uma experiência mental, imagine se Barack Obama tivesse dito a Donald Trump em 2016: “Olhe, eu sei que não estou mais no comando, mas eu gostaria de ficar na Casa Branca de qualquer maneira e estar disponível caso queira a minha ajuda. Enquanto isso, vou apoiá-lo em silêncio”.

Além da implausibilidade de que um político de carreira realmente permaneceria em silêncio, tal cenário teria sido rejeitado imediatamente. A política secular é um jogo no qual há sempre um vencedor e um perdedor.

No entanto, o catolicismo deve ser diferente. A coexistência entre Francisco e Bento a poucos metros um do outro dentro do Vaticano, por mais desconfortável que possa ser às vezes, talvez seja a maior confirmação dessa diferença que a história já conjurou.

Este não é simplesmente um conceito jornalístico. Sete anos antes da sua renúncia, o próprio Bento XVI esboçou um quadro teológico dentro do qual a actual polaridade pode ser vista como uma vantagem e não uma fraqueza.

Aconteceu num diálogo entre Bento XVI e o clero das dioceses italianas de Belluno-Feltre e Treviso a 24 de Julho de 2007, bem antes de ele pensar em deixar o cargo. Um padre veterano perguntou a Bento XVI como equilibrar as dimensões humana e espiritual de uma vocação, lembrando um professor do seminário que o repreendeu por parecer gostar mais de jogar futebol do que de estudar direito canónico.

Com isso, a resposta de Bento XVI:

“O catolicismo, um tanto simplista, sempre foi considerado a religião do grande «ambos/e» – não das grandes exclusividades, mas da síntese. A palavra «católico» significa precisamente «síntese. Uma pastoral boa e verdadeiramente católica significa viver no ambos/e; viver a própria humanidade e o humanismo do homem... e, ao mesmo tempo, não esquecer Deus. … Portanto, eu diria simplesmente para me comprometer com a grande síntese católica, com esse «ambos/e». Nesse sentido, vivamos o catolicismo com alegria”, afirmou.

Foi um conselho convincente quando o assunto era conciliar futebol e direito canónico – o que, ironicamente, pode não ser assim tão diferente, já que ambos parecem apresentar discussões intermináveis ​​sobre como aplicar as regras.

Talvez o mesmo espírito “ambos/e” possa funcionar tão bem noutras frentes, incluindo a reconhecidamente nova dinâmica de um “papado na sombra”.

 

Artigo de John L. Allen, publicado no Crux a 22 de Junho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Papa Francisco  •  Bento XVI  •  Polaridade  •  Pontificado  •  Renúncia
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui