Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Vatican News | 9 Jun 2022
Bósnia-Herzegovina: A guerra visível num museu, 30 anos depois
A Guerra da Bósnia-Herzegovina durou de Março de 1992 a Dezembro de 1995. Três décadas depois, as consequências ainda são visíveis, e o conflito na Ucrânia desperta demónios antigos.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

A velha cidade de Mostar na Bósnia Herzegovina oferece aos seus visitantes a possibilidade de visitar um “Museu da Guerra e do Genocídio”. Criado do zero há quatro anos por um pequeno número de voluntários ansiosos por manter viva a memória da guerra que dilacerou a ex-república Jugoslava entre 1992 e 1995, o museu é composto por inúmeras histórias pessoais.

Na altura da sua criação, a exposição estava alojada numa única sala. Então, os habitantes de Mostar começaram a trazer mais objectos e as suas experiências. O museu teve que ser movido e expandir-se para exibir tudo.

 

A história do Dr. Eniz Begic

As roupas e sapatos entre os restos humanos encontrados nas inúmeras valas comuns espalhadas pela Bósnia revelam a experiência do povo de Mostar.

Conhecemos a história do Dr. Eniz Begic, um médico muçulmano bósnio, que antes da guerra tratava todos os seus pacientes sem perguntar se eram croatas, sérvios ou bósnios. Foi preso pelos sérvios bósnios, sob a liderança do general Ratko Mladic, e levado para o campo de concentração de Omarska.

Um dos pacientes do médico partilhou o seu testemunho com o museu. O paciente conta que foi em busca do médico até que, com a ajuda de um soldado bósnio-sérvio amigável, conseguiu enviar comida ao médico todos os dias, pois havia jurado que nada lhe faltaria durante a sua detenção.

No fim da guerra, o médico nunca foi encontrado, mas testemunhos do campo de detenção revelaram que o Dr. Begic distribuía regularmente os alimentos que lhe chegavam aos outros prisioneiros “sem guardar nada para si”. As circunstâncias da sua morte ainda não são claras.

O museu está cheio de testemunhos como este. Também contém muitas fotografias tiradas por prisioneiros ou soldados que não foram exibidas na imprensa naquela altura. Também são projectados vídeos para os visitantes. Oferecem o relato de testemunhas directas dos piores momentos de Mostar, de forças de paz da ONU, que destacam a insuficiência da sua mão de obra para proteger os civis na chegada das tropas sérvias bósnias. Muitas execuções sumárias também são documentadas.

 

Uma sombra da guerra na Ucrânia

Ao entrar neste pequeno museu, é impossível não fazer uma ligação semelhante com a guerra que hoje se trava entre a Rússia e a Ucrânia. O paralelo pode ser feito ao olhar para cada fotografia, ao ler os depoimentos.

Na parte de trás do museu em Mostar, há uma sala repleta de mensagens dos visitantes em diferentes idiomas. Os escritos mais recentes falam da guerra na Ucrânia.

O contraste com a actividade movimentada e barulhenta da velha cidade é óbvio. A guerra tem 30 anos, a pandemia acabou e os turistas estão de regresso, tão numerosos quanto antes. Os sinos estão a tocar, um muezzin está a chamar para a oração e as comunidades estão a viver juntas novamente.

Dos mais de 100.000 habitantes de Mostar, 48% são croatas, 44% bósnios e 4% sérvios. Os sérvios são a única comunidade que não regressou à cidade após a guerra. Na verdade, eram 18% da população antes de 1992.

No entanto, a composição actual da comunidade tem um padrão diferente. Se, antes da guerra, sérvios, croatas e bósnios viviam nos mesmos bairros, hoje as áreas estão “etnicamente” divididas. Os croatas estão principalmente na margem oeste do Neretva, o rio que atravessa Mostar, enquanto os bósnios vivem na margem leste. As pessoas passam e trabalham em ambos os lados da ponte sem problemas, mas a sensação de que cada comunidade tem o seu próprio território permanece.

Outra consequência da guerra é que há menos casamentos mistos. Um ferreiro da velha cidade explica que é muçulmano, mas a sua esposa é católica. Entre duas batidas do seu martelo numa decoração de cobre em que estava a trabalhar, o homem de 60 anos descreveu como lutou com as forças bósnias quando os primos da sua esposa estavam do outro lado nas forças armadas bósnias croatas. “Tudo isso está no passado”, diz, “todos nos reunimos como uma família em feriados muçulmanos e cristãos”, continuou, culpando os “políticos” que descreve como “corruptos” pelas actuais tensões.

A antiga ponte otomana de Mostar atrai sempre curiosos. É o símbolo da cidade, mas parece ter perdido a sua função principal que era unir as comunidades. Foi destruída a 9 de Novembro de 1993 por um bombardeamento croata, para isolar ainda mais a população bósnia sitiada. Embora reconstruída de forma idêntica e classificada como Património Mundial da UNESCO em 2005, revela a dor e o ódio que fracturou a multietnicidade histórica do lugar.

A guerra não desapareceu completamente. Deixou rastos por toda a cidade. Mesmo que a reconstrução esteja em andamento, os prédios destruídos e os impactos nas paredes lembram a todos a tragédia vivida, os bombardeamentos, os tiroteios, as vidas perdidas na tentativa de encher um galão de água. Os cemitérios de Mostar mostram a extensão do desperdício de vida humana. Em várias fileiras, as sepulturas exibem a idade dos mortos. A maioria deles tem menos de trinta anos. O mais novo tem 19 anos. Numa esquina, um quadro numa pedra diz a quem o vir: “não se esqueça”.

Milan, de 17 anos, que tem um emprego de Verão num centro cultural turco em Mostar, só sabe da guerra pelo que aprendeu na escola e pelo que a sua família lhe contou. “Ainda estamos a conviver com as consequências”, diz, antes de lançar uma explicação socioeconómica: “Não há trabalho para todos e as pessoas estão a deixar o país. Não posso dizer que somos pobres, mas era melhor dantes”. Dantes, diz Milan, foi o período Jugoslavo do marechal Tito. “Fomos um país que se desenvolveu após a Segunda Guerra Mundial. Tivemos crescimento e um exército poderoso”, acrescenta.

 

Paz frágil na Bósnia e Herzegovina

A guerra na Ucrânia ameaçou despertar demónios antigos. Logo após o início das hostilidades entre Kyiv e Moscovo a 24 de Fevereiro, a presidência colegial da Bósnia-Herzegovina ameaçou desmoronar.

A presidência colegial tem estado sob tensão constante depois de ter sido mergulhada numa crise política após as eleições de 2018, marcadas pela vitória de nacionalistas sérvios e bósnios que não permitiram a formação de um governo central da Federação da Bósnia e Herzegovina. Para além disso, a posição assumida por Milorad Dodik, o representante sérvio da Presidência, a favor de Moscovo enfraqueceu ainda mais uma situação já instável. Por enquanto, Dodik recuou e garantiu à União Europeia a necessidade de a Bósnia-Herzegovina permanecer “neutra” neste conflito. Este movimento também tranquiliza Menvirsa, um muçulmano bósnio de 32 anos e curador do Museu da Guerra e Genocídio em Mostar, que só aspira a viver em paz.

Esta não é a primeira tentativa de Milorad Dodik. A 9 de Janeiro, teve 800 soldados da Republika Srpska a marchar em Banja Luka num feriado nacionalista sérvio que foi declarado ilegal pelo Tribunal Constitucional da Bósnia porque discriminava as comunidades muçulmana e católica croata da Bósnia. Há trinta anos, a 9 de Janeiro de 1992, os sérvios bósnios declararam a criação do seu próprio estado na Bósnia e Herzegovina. Dois meses depois, estourou uma guerra que provocou mais de cem mil mortos.

O horror e a brutalidade dessa guerra, documentados por imagens e relatos de sobreviventes, emergiram do passado e parecem ser visíveis hoje na Ucrânia. Isto é demonstrado por duas imagens tiradas com trinta anos de diferença e que revelam o “cainismo existencial” denunciado pelo Papa Francisco em Abril. A primeira é uma foto do museu Mostar. Mostra uma mulher no seu oitavo mês de gravidez com um tiro no estômago com o seu filho ainda não nascido. A outra foto é de 9 de Março. É a da evacuação de uma mulher grávida, fatalmente ferida no bombardeio de uma maternidade em Mariupol, na Ucrânia.

Com a sua história, a ponte de Mostar ilustra plenamente os repetidos apelos do Papa Francisco, reiterados nas suas saudações ao corpo diplomático em Janeiro passado. A velha ponte, não sem dificuldades, esforça-se para reunir famílias e comunidades dilaceradas, para promover o perdão e a reconciliação. A sua vocação seria voltar a ser “ponte de encontro entre os povos, [...] de fraternidade e paz” em oposição ao “barulho ensurdecedor das guerras e dos conflitos”.

 

Artigo de Jean-Charles Putzolu, publicado no Vatican News a 8 de Junho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Guerra  •  Paz  •  Bósnia-Herzegovina  •  Museu  •  Guerra  •  Genocídio
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui