Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 8 Jun 2022
Bispo da África do Sul pede mais compaixão pelos migrantes
Um importante bispo católico da África do Sul diz que o país precisa de começar a olhar para os migrantes “como pessoas que precisam de ajuda”.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © AP

O bispo Joseph Mary Kizito de Aliwal é o bispo de ligação para migrantes e refugiados na Conferência Episcopal da África do Sul.

A África do Sul tem visto uma série de ataques xenófobos contra migrantes de outros países africanos, com os migrantes a serem responsabilizados pelo crime e pelo roubo de empregos dos sul-africanos. Há quase quatro milhões de pessoas nascidas no exterior na África do Sul, que tem uma população de 60 milhões.

Kizito diz que a África do Sul perdeu o sentido de “Ubuntu”, uma frase zulu que significa “humanidade em relação aos outros”.

Falando ao Crux após um workshop sobre migração que aconteceu na Diocese de Belém e Transfronteiriça, o bispo pediu compaixão pelos refugiados, porque são pessoas que fogem da “pobreza, crime, instabilidade política, guerras, fome, mudanças climáticas e ainda mais” nos seus países de origem.

 

No início do segundo dia do workshop, disse que planeia trabalhar com os departamentos de Assuntos Internos, para que “o espírito de compaixão, bondade e caridade possa chegar até eles”. Isso é uma indicação de que o governo não tem sido compassivo com os migrantes que chegam à África do Sul?

Temos que ser objectivos em relação aos migrantes e refugiados. Um dos meus apelos é ser humano e olhar com compaixão para aquelas pessoas que procuram refúgio na África do Sul. Há uma perda daquele sentido humano de “Ubuntu”. Precisamos de pedir aos departamentos governamentais que observem a maneira como tratam e cuidam daqueles que batem às suas portas. Existem muitas relações entre os povos da África e da África do Sul. Quando olhamos para Lesoto e Zimbabue, há muita irmandade entre eles. Somos chamados a recorrer à compaixão na Bíblia. Por exemplo, no Evangelho de Mateus: “Em tudo, faça aos outros o que gostarias que te fizessem: porque esta é a lei e os profetas”. No livro do Êxodo e na cultura somos sempre chamados a abraçar os estranhos e todos os que chegam às nossas aldeias e municípios. Na nossa cultura africana não há estrangeiros. Nós, africanos, pensamos na comunidade antes de cada pessoa. UmuNtu ungumuNtu ngabaNtu: Uma pessoa é uma pessoa através de outras pessoas. “Sou porque somos, e como somos, portanto, sou”. Precisamos de olhar para as pessoas que vêm para a África do Sul como pessoas que precisam de ajuda. Elas estão a ser expulsas dos seus países devido à pobreza, crime, instabilidade política, guerras, fome, mudanças climáticas e muito mais. Jesus está a chamar-nos para estarmos presentes para os necessitados. Pertençam ou não ao nosso grupo social. Jesus chama-nos a ser compassivos como o Bom Samaritano.

 

Pode dar uma ideia do fluxo de migrantes para a África do Sul: de onde vêm predominantemente e porquê?

Na África do Sul, a maioria dos migrantes africanos vem do Zimbabue, Lesoto, Moçambique, Malawi, RDC, Nigéria, Etiópia, Somália, Gana, Eritreia, Ruanda, Uganda e Camarões. Depois, aqueles que vêm de fora de África vêm do Reino Unido, Índia, Bangladesh, Paquistão e Portugal.

As principais causas impulsionadoras são a pobreza nos seus países. Há muitos países que estão a enfrentar conflitos políticos e de segurança e crimes. Essas guerras ao redor de África fazem com que as pessoas estejam em movimento. A maioria dos países africanos são incapazes de fornecer empregos aos seus cidadãos. A educação oferecida não capacita os jovens a usar os seus próprios recursos locais para fornecer abrigo, água potável e serviços médicos básicos. Falta democracia e direitos humanos. As pessoas vivem com medo – o medo de expressar as suas opiniões. Desde a independência, os nossos líderes políticos pouco fizeram para aliviar a pobreza nos seus países. Há corrupção e captura do Estado em vários países africanos. Muito dinheiro foi usado pelas pessoas do governo sem responsabilidade. A África ainda é um continente muito rural. Precisamos de transformar essas áreas rurais em áreas urbanas, para poder oferecer suporte técnico e know-how. Vamos oferecer ao povo de África os seus direitos dados por Deus para poderem viver um estilo de vida decente, para que não estejam em movimento. A marginalização das mulheres na maioria dos países precisa de ser reavaliada. Precisamos de ter novas estratégias para os jovens; para lhes oferecer programas de habilidades práticas. Esses pequenos projectos contribuirão para a luta contra a pobreza. Precisamos de aumentar as nossas exportações para os países europeus. Precisamos de cuidar do meio ambiente para poder lidar com as mudanças climáticas.

 

Como reage à tendência especialmente dos negros na África do Sul em verem os migrantes com suspeita e os ataques xenófobos dirigidos contra os migrantes?

Há uma série de causas dos ataques xenófobos contra os estrangeiros na África do Sul. Esses ataques têm aumentado desde o início da democracia em 1994. No entanto, é preciso saber que a população local da África do Sul está a enfrentar vários desafios desde a queda do apartheid. É preciso saber que muitos do nosso povo nunca foram expostos a muitos estrangeiros africanos locais que se parecem com eles. Ou seja, são negros e pobres como eles. A nossa cultura tem sido uma cultura fechada ao resto da África. O sistema do apartheid afastouas pessoas do resto da África. Os sul-africanos dizem sempre: “Nós estamos a ir para a África, ou somos de África”. Isso significa que a África do Sul é tomada ou vista como não sendo parte de África. Para quem não conhece bem a África do Sul, pode-se pensar que é em tudo um país de primeiro mundo. No entanto, há muita pobreza envergonhada que é semelhante à do continente africano. Esta pobreza levou à falta de oportunidades de emprego que afectou tanto os moradores quanto os estrangeiros. Portanto, há um conflito sobre recursos limitados para todas as pessoas na África do Sul. E com isto está o aumento da criminalidade em que os políticos culpam os estrangeiros. Temos visto muito crime organizado; pensa-se que isso se deve aos migrantes e refugiados. A população local não vê os migrantes como pessoas que podem contribuir para a construção das comunidades de acolhimento, especialmente porque muitos deles vêm com habilidades práticas. Em vez disso, são vistos como pessoas que estão a entrar para aceitar empregos destinados a cidadãos sul-africanos. O que nos deixa tristes é que há muitos migrantes indocumentados e refugiados do resto da África. Este é um desafio para nós no SACBC e nos diferentes departamentos. Os ataques de xenofobia também se baseiam nas discriminações estruturais e institucionais. As pessoas que são migrantes e refugiadas acham muito difícil obter ajuda dos departamentos de Assuntos Internos e desenvolvimento social. Procurar documentos adequados, não é fácil conseguir os papéis. A África do Sul tem cerca de 70 fronteiras oficiais que dificultam muito a monitorização e o controlo das fronteiras. Uma vez que os migrantes e refugiados chegam à África do Sul, esses estrangeiros entram em pequenos negócios, como abrir lojas de spaza, que são de propriedade principalmente de paquistaneses, somalis, bengaleses e etíopes. Tornam-se alvos fáceis para assaltos e ataques. As pessoas acabam por tomar a lei nas suas mãos. A polícia precisa de mudar de atitude e não ficar indiferente ao ver os crimes e os ataques.

 

Qual foi o impacto de tais ataques?

Migrantes perderam a vida durante esses ataques, e outros foram realocados à força das suas casas recém-descobertas. Essas pessoas pobres perderam mais uma vez os seus pequenos pertences que trabalharam muito para conseguir. Agora estão a viver com medo, sem saber o que vai acontecer. Houve uma perda de dignidade humana e baixa auto-estima entre esses migrantes e refugiados. Questiona-se a moralidade do país anfitrião: fazemos parte da África? Somos africanos? Por que não conseguimos colocar em prática os quatro verbos do Papa Francisco: Acolher, Proteger, Integrar e Promover? Somos chamados a cuidar dos vulneráveis ​​e dos pobres. Pode-se perguntar para onde foi esse espírito “Ubuntu”. A nossa fé também foi desafiada, pois rezamos e adoramos com essas pessoas que são atacadas de vez em quando. Onde está esse chamamento de ser solidário, de ser o guardião do irmão e das irmãs? Como pregamos o Evangelho de amar a si mesmo como amamos o nosso próximo? A nível global, esses ataques xenófobos colocaram a África do Sul sob uma luz hostil, vista como não hospitaleira e um lugar perigoso para se visitar.

 

Qual tem sido o papel da igreja na África do Sul nos esforços para aliviar as tensões?

Houve uma série de esforços que colocamos em prática para diminuir as tensões dos ataques xenófobos. Temos usado os nossos meios de comunicação social, especialmente a rádio, as cartas pastorais, workshops e reuniões para condenar esses ataques. A igreja tem usado os seus diferentes agentes para promover e destacar os direitos humanos e a dignidade dos migrantes e refugiados. A igreja também estendeu a mão a outros departamentos civis e governamentais seculares, para trabalhar em rede, para abordar essas questões em conjunto. Também fomos a países vizinhos como Eswatini e Lesoto para oferecer workshops e programas de consciencialização. Há também um grande movimento da Conferência dos Bispos Católicos da África do Sul [SACBC] para convocar os gabinetes da Cáritas no país e os departamentos de Justiça e Paz, para liderarem este apelo a uma melhor distribuição de bens e recursos para o bem do bem comum. Alimentos e outros materiais foram fornecidos aos migrantes. A igreja tem vários abrigos que foram abertos – alguns perto das fronteiras ou do ponto de entrada – para oferecer assistência pastoral aos migrantes e refugiados, para que possam viver em paz com as comunidades de acolhimento. As habilidades dos pequenos negócios foram-lhes estendidas, como forma de apoiar os seus rendimentos. Também oferecemos tratamento médico a quem precisa. A SACBC conseguiu produzir livros de pastoral, que serão usados ​​por aqueles que estão a ajudar os migrantes e refugiados. A Igreja Católica Romana na África do Sul tem trabalhado em rede com os principais departamentos que trabalham com migrantes e refugiados, como assuntos internos, desenvolvimento social, polícia e educação. Todos esses diferentes departamentos têm ajudado no processamento de documentos. Há também outros grupos como os advogados de direitos humanos e a sociedade de direito infantil e a clínica de advocacia pro bono. Temos feito muito para promover os documentos do Papa Francisco e a carta encíclica Fratelli Tutti, entre outros. Temos pregado muito sobre hospitalidade na tradição bíblica; partilhamos esses textos com os migrantes e os refugiados, e eles acharam-nos muito úteis e consoladores. Nesses textos bíblicos vemos homens e mulheres de fé, bondade, generosidade, hospitalidade, integração e cuidado. Também produzimos uma nova visão pastoral que será usada em todas as dioceses, igrejas, pequenas comunidades cristãs e confrarias. A igreja está aberta para organizar liturgias e celebrar as suas festas e festivais culturais. Estas celebrações litúrgicas ajudam-nos a abrir-nos ao país anfitrião e podem criar amizade com a população local. Em algumas das dioceses, assumimos o projecto de registar todas as pessoas indocumentadas nas nossas dioceses. A SACBC quer ter certeza de que ajudamos no processo de legalização das pessoas no país. Somos uma igreja de compaixão e amor; no entanto, os migrantes e refugiados podem não ver isso – que somos todos criados à imagem de Deus.

 

Que reformas institucionais acha que precisam de ser realizadas para garantir que tanto os estrangeiros quanto os sul-africanos indígenas gozem de direitos semelhantes?

Devemos criar um sistema mais humano que acolha, proteja, integre e promova os estrangeiros e os indígenas sul-africanos, para que gozem de direitos semelhantes. Precisamos de falar sobre a oferta de vistos mais amigáveis. Precisamos de vistos que facilitem a entrada e saída das pessoas de forma regularizada. A África do Sul tem sido membro de vários órgãos signatários internacionais. Por que eles não estão a cumprir a promessa? Precisamos de lidar com os migrantes e refugiados que estão envolvidos em actividades más, como crime e drogas. Ninguém gosta de ver actividades más no seu país. A Igreja deveria condenar tais actividades maléficas feitas pelos migrantes e refugiados. Também precisamos de fazer grandes reformas para as necessidades da população local, a maioria dos negros ainda vive em casas pobres, é preciso que o governo melhore a vida das pessoas. A população local não deve ser usada pelos partidos políticos que precisam de fazer mudanças voltando a sua raiva para os estrangeiros; não devem apoiar aqueles que os perseguem e atacam ou assaltam as suas lojas e os expulsam das suas casas. Precisamos de reformas políticas que não usem estrangeiros como bodes expiatórios. Temos que lidar com o medo dos outros – a generalização de que todos os estrangeiros estão envolvidos com drogas e crime. Tal condenação generalizada não nos ajuda a tornar a África do Sul um país melhor. Precisamos de revisitar a Constituição da África do Sul: diz-se que é uma das melhores Constituições do mundo. No entanto, não é usada e seguida. Esta constituição convida-nos a partilhar todos os recursos e materiais com todas as pessoas encontradas na África do Sul. Precisamos de usar a Constituição para melhorar o estilo de vida e as condições de vida dos cidadãos sul-africanos. Precisamos de partilhar a visão pastoral com todas as pessoas nas nossas igrejas locais e com os migrantes e refugiados. Temos que usar a doutrina social da igreja para lidar com o abuso humano. A advocacia e o trabalho em rede com os níveis locais e internacionais são necessários. Precisamos de ter certeza de que as nossas igrejas não estão a explorar também esses migrantes e refugiados, empregando-os sem documentos. Às vezes também lhes pagamos salários de escravos. Em suma, os migrantes e refugiados fazem parte da nossa vida e são seres humanos necessitados. Precisamos de nos ver à sua própria imagem e ver o rosto e a dignidade humana antes de atacá-los. Todos somos chamados a unir-nos ao Santo Padre para acolher, proteger, promover e integrar as pessoas em movimento. Estamos todos em movimento, a Igreja está em movimento e esta é a alegria e a bênção.

 

Entrevista de Ngala Killian Chimtom, publicada no Crux a 8 de Junho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui