Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com NCR | 24 Mai 2022
Cardeais e teólogos discutem o papel da tomada de decisão dos leigos na Igreja
O debate ocorreu a 20 de Maio no Palazzo Pio do Vaticano, durante a apresentação de um novo livro lançado pela editora vaticana e escrito pelo cardeal Francesco Coccopalmerio.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © CNS photo/Paul Haring

Enquanto a Igreja Católica continua a reflectir sobre a sinodalidade através de um processo de dois anos de escuta e diálogo, um painel de seis teólogos e canonistas notáveis ​​discutiu a natureza da consulta e tomada de decisões numa Igreja sinodal.

O debate ocorreu a 20 de Maio no Palazzo Pio do Vaticano, durante a apresentação de um novo livro lançado pela editora vaticana e escrito pelo cardeal Francesco Coccopalmerio, presidente aposentado do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos, órgão encarregado de interpretar o direito canónico.

O livro, lançado apenas em italiano, intitula-se “Sinodalidade com «Responsabilidade Limitada» ou de Consultiva a Deliberativa?”. Propõe que a sinodalidade seja vista como a comunhão de sacerdotes e fiéis que se esforçam para procurar e discernir juntos o bem da Igreja para que as decisões para alcançar esse bem possam ser tomadas. Propõe maior discussão sobre a participação dos fiéis leigos não apenas no processo consultivo na vida da igreja, mas também na fase de tomada de decisões.

Os conferencistas concordaram que havia uma diferença entre o processo de tomada de decisão como um exercício conjunto de discernimento, consulta e cooperação, e a autoridade de tomada de decisão, que é da competência do bispo, de acordo com o documento aprovado pelo Papa publicado pela Comissão Teológica Internacional em 2018 sobre “Sinodalidade na Vida e Missão da Igreja”.

Um dos oradores, o cardeal Mario Grech, secretário-geral do Sínodo dos Bispos, disse que a reflexão do cardeal Coccopalmerio “não repudia ou ameaça a autoridade”, seja do bispo, do clero ou de qualquer líder da Igreja.

“Pelo contrário, pede-se que a autoridade esteja sempre envolvida no processo de expressar sem falta a própria opinião e que preste muita atenção para que haja um discernimento autêntico”, disse o cardeal Grech.

Desta forma, o processo progressivo de tomada de decisão nunca se trata de ir contra ou na ausência da pessoa de autoridade, mas sempre juntamente com essa pessoa e com o seu consentimento, disse, explicando a reflexão do cardeal Coccopalmerio.

Este processo de “discernimento comunitário”, no qual o clero e os fiéis “estão unidos na escuta comum do Espírito Santo”, não é fácil, disse o Cardeal Grech; mas há exemplos análogos, como o de como o Colégio dos Bispos é chamado a exercer sempre a autoridade em conjunto e com a aprovação do Papa.

É um “processo espiritual” que não coloca clérigos e leigos uns contra os outros, mas envolve cada pessoa estar “com” os outros na Igreja com o desejo partilhado de ouvir, deliberar e determinar, afirmou.

É uma Igreja que não funciona como uma monarquia ou um parlamento, mas é uma igreja de clérigos e leigos unidos na sua identidade baptismal comum e que reúne os seus diferentes ministérios e carismas para discernir e planear, disse o cardeal Grech.

O Mons. Severino Dianich, teólogo e especialista em Eclesiologia, disse que esse tipo de reflexão é fundamental.

Em Itália e talvez noutras partes do mundo, disse, “há um notável sentimento de frustração que deve ser reconhecido em como os conselhos estão realmente a funcionar, sejam eles diocesanos ou paroquiais”.

Há uma sensação de que “caminhar juntos” significa uma jornada que acontece apenas pela metade, porque quando chega a hora de tomar uma decisão, pode parecer que o bispo ou o padre continua o resto dessa jornada sozinho, explicou.

É uma preocupação que teólogos e canonistas devem discutir, disse, especialmente ao abordarem objecções a um maior envolvimento dos leigos, tal como temores de que isso se transforme “numa luta por posições de poder”.

O Mons. Dianich disse que vê exactamente o oposto.

Todos os cristãos são “ricos em carismas” que são diferentes para clérigos e leigos, de modo que quando “um padre decide sozinho, ele é de facto empobrecido”.

O processo deliberativo da comunidade eclesial “nada mais é do que enriquecer o ministério hierárquico” com dons e carismas que podem servir a cada bispo ou sacerdote individualmente, observou.

O Papa Bento XVI reconheceu isso, adiantou, num discurso de 2011 que discutia a encíclica de São João XXIII “Mater et Magistra”. O sacerdote citou o texto do Papa Emérito, dizendo que os fiéis leigos “não podem ser somente os seus fruidores e executores passivos, mas constituem os protagonistas da mesma, no momento vital da sua realização, assim como colaboradores preciosos dos Pastores na sua formulação, graças à experiência adquirida no campo e às próprias competências específicas”.

Uma razão pela qual há maior consciência e desejo de que a Igreja seja mais sinodal, disse o Mons. Dianich, é por a Igreja estar a redescobrir o seu “propósito original fundamental”, que é existir, não para si mesma, mas para evangelizar.

Ficou claro, acrescentou, que os evangelizadores mais importantes – além do Papa – são as pessoas “nas periferias e parte da vida quotidiana”. Os fiéis leigos são aqueles que “estão rodeados de pessoas” e encontram diária e directamente aqueles que ainda não encontraram Jesus e que podem testemunhar imediatamente o Evangelho em acção, afirmou.

O Cardeal Coccopalmerio disse que as suas propostas são muito rudimentares e devem ser discutidas para determinar a sua validade com a orientação do Espírito Santo; se as ideias não chegarem a lugar algum, “pelo menos terá existido a tentativa de aprender mais sobre a natureza da Igreja”.

Artigo de Carol Glatz, publicado no National Catholic Reporter a 20 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui