Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 24 Mai 2022
Católicos no Vietname ajudam mulheres a combater o aborto e a enterrar bebés ainda não nascidos
A caridade católica em todo o país Life Protection Group administra um programa de cura emocional para ajudar mulheres forçadas a optar pelo aborto.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

Com cerca de 300.000 casos de abortos todos os anos no Vietname, os católicos estão a ajudar as mulheres do Estado comunista de partido único a valorizar o dom da vida e a enterrar os restos mortais de crianças ainda não nascidas com dignidade.

Actualmente, as mulheres no país do Sudeste Asiático não precisam de um motivo específico para um aborto e as estatísticas mostram que a maioria dos abortos é realizada em meninas solteiras entre 15 e 19 anos.

No comando dos esforços da Igreja está o Grupo de Protecção à Vida que recolhe os restos mortais de crianças não nascidas de hospitais estatais e clínicas privadas, enterrando-os em cemitérios especiais.

A caridade católica também administra um programa de cura emocional para ajudar mulheres, casadas e solteiras vítimas de abuso, que foram forçadas por várias circunstâncias – económicas, sociais, culturais, psicológicas – a optar pelo aborto.

Um cemitério administrado pelo Grupo de Protecção à Vida na Arquidiocese de Hanói tem actualmente os restos mortais de 46.000 nascituros.

Uma missa foi recentemente celebrada na igreja de Thai Ha, na Arquidiocese de Hanói, para lembrar 22 crianças não nascidas e enterrar os seus restos mortais.

“Aborto é assassínio, é um pecado grave e uma ofensa a Deus. Todos os dias, muitas crianças são privadas do direito à vida, do direito de crescer como seres humanos”, disse o padre Francis Nguyen Kim Phung durante a missa.

“Em particular, nós, católicos, devemos estar cientes de que a gravidez é um dom concedido por Deus”, disse o padre Kim Phung.

Na diocese de Xuan Loc, o grupo enterrou mais de 53.000 restos mortais de nascituros, com fiéis a orar por eles no “Cemitério dos nascituros”.

“Sou padre católico, acredito que fetos são seres humanos; não condeno, não julgo, nem culpo ninguém. Só quero receber os fetos abortados para enterrá-los. Deixem-me levá-los, por favor”, disse o padre Joseph Nguyen Van Tich, capelão do Grupo de Proteção à Vida na Diocese de Xuan Loc, aos funcionários do hospital, informou a Fides.

O trabalho do grupo foi reconhecido pelo jornal “Thanh Nien”, com sede em Ho Chi Minh City, o segundo jornal vietnamita mais popular do país.

O padre Van Tich foi nesse artigo chamado de “Pai dos nascituros” e mais tarde premiado com uma medalha de honra.

 

“Dêem amor. Não semeiem a morte. Protejam a vida.”

Em muitas outras paróquias do Vietname, grupos de voluntários recolhem os restos mortais abandonados de crianças não nascidas em hospitais e celebram missas por elas, dando-lhes um enterro digno.

O Grupo de Protecção à Vida conseguiu resgatar 2.000 bebés do aborto nos últimos 30 anos e os seus voluntários incluem aquelas que foram abandonados por homens e forçadas a abortar.

O grupo pró-vida costumava recolher 25 a 40 fetos abortados diariamente dos hospitais e lixeiras no passado. Agora recolhem os restos mortais de 5 a 10 crianças não nascidas porque as mulheres vietnamitas interrompem a gravidez precocemente.

Nas últimas semanas, o Grupo Protecção à Vida realizou uma marcha pública para consciencializar as pessoas, com a mensagem: “Dêem amor. Não semeiem a morte. Protejam a vida.”

Membros do grupo disseram que, graças a esses protestos, “a consciência de que o aborto é um mal está a aumentar dramaticamente” e as pessoas entendem que “a protecção da vida é responsabilidade de todos os membros da sociedade”.

Na Festa dos Santos Inocentes,  oseu patrono, o grupo pró-vida pinta e limpa sepulturas de fetos em cemitérios católicos, para espalhar a mensagem sobre a protecção da vida.

Em entrevista ao UCA News em Janeiro deste ano, o padre Dominic Truong Van Quy, que iniciou o grupo pró-vida em 1990, disse que os seus membros visitam, confortam e ajudam mulheres que se submetem a abortos.

Poucos países no mundo actualmente permitem o aborto tão tarde na gravidez. No entanto, o Vietname é um dos sete outros países, juntamente com o Canadá, China, Holanda, Coreia do Norte, Singapura e Estados Unidos, que permitem abortos após as 20 semanas de gravidez.

Em média, cada mulher em idade reprodutiva sofre 2,5 abortos no Vietname.

Os assistentes sociais dizem que os abortos são comuns no Vietname porque as famílias preferem um filho que mantenha o nome da família e também para se manterem economicamente competitivos, a nação comunista precisa que as famílias tenham menos filhos, o que muitos médicos dizem ser o motivo pelo qual cerca de 40% de todas as gestações terminam em aborto.

O Banco Mundial também alerta que o país terá três vezes mais pessoas com mais de 65 anos em 2040. Muitos abortos também acontecem devido à política de dois filhos do governo comunista.

A política de dois filhos está em vigor há mais de 50 anos. Aqueles que infringirem a lei são punidos, quer trabalhem para o governo, ou sejam funcionários de empresas estatais.

Artigo publicado no La Croix International a 23 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Bebés  •  Maternidade  •  Paternidade  •  Pró-vida  •  Aborto  •  Vietname
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui