Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com NCR | 18 Mai 2022
Porque está a Igreja a falhar no Ocidente?
Da próxima vez que tivermos uma discussão sobre o porquê de a Igreja estar a falhar, não convidem os teólogos; convidem sociólogos, psicólogos, artistas, músicos e as pessoas que deixaram a Igreja.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Unsplash/Creative Commons/Channel 82

Existem inúmeros sinais de que a Igreja Católica está a falhar nos países ocidentais. Há poucas vocações, a participação na igreja está em baixo e os jovens estão a deixar a igreja em massa. Há tantas teorias que explicam esse declínio quanto há comentadores, mas as teorias podem ser reunidas em dois pontos principais: aqueles que culpam a cultura e aqueles que culpam a própria igreja.

A hierarquia católica tende a culpar a cultura contemporânea pelos problemas da Igreja. Consumismo, individualismo e secularismo encabeçam a lista de forças negativas. Os média bombardeiam as pessoas com imagens e mensagens que são antitéticas ao cristianismo: a felicidade vem do sexo, dinheiro e poder. A vida está muito ocupada com trabalho e lazer para haver tempo para a religião.

As estruturas sociais que sustentavam a religião também enfraqueceram.

Os bairros étnicos que dantes reforçavam as comunidades e os valores religiosos viram um declínio à medida que os seus moradores foram deslocados para os subúrbios. À medida que os católicos aderiram ao mainstream, perderam as suas raízes. Menos crianças vão para escolas católicas. Os casamentos inter-religiosos aumentaram à medida que os jovens católicos socializam com não-católicos. À medida que se tornavam mais instruídos, eram menos propensos a seguir o clero sem fazer perguntas.

Há muita verdade nesta explicação cultural para as falhas da igreja, mas culpar a cultura é como culpar o clima. Este é o mundo em que vivemos; aprendam a lidar com isso. Retirarmo-nos para um gueto católico não é uma opção.

A teoria de que a própria Igreja é a culpada pelo seu declínio apresenta uma versão conservadora e outra liberal. Ambas culpam a hierarquia por não lidar adequadamente com a crise dos abusos sexuais. Os liberais sublinham a falta de responsabilidade e o envolvimento dos leigos, enquanto os conservadores apontam o dedo aos padres homossexuais.

Os conservadores também culpam as mudanças na Igreja ordenadas pelo Concílio Vaticano II. Antes do concílio, a Igreja era uma rocha de estabilidade e certeza num mundo tempestuoso. A mudança minou a credibilidade da Igreja porque a mudança foi uma admissão de que a Igreja estava errada no passado. Numa semana iria para o inferno por comer carne na sexta-feira; na semana seguinte estava tudo bem. Num ano ano disseram que a missa seria sempre em latim; no ano seguinte seria em inglês.

Os conservadores também culpam os teólogos por confundirem o povo ao debaterem publicamente questões morais e doutrinárias que a hierarquia diz serem ensinamentos definitivos. Também acreditam que a mensagem de justiça social da igreja distrai dos seus dogmas tradicionais. Alguns argumentam que o diálogo ecuménico e inter-religioso levou à crença de que todas as religiões são igualmente válidas. Sublinhar o papel dos leigos na Igreja tirou o padre do seu pedestal e tornou o sacerdócio menos atraente.

Os conservadores acreditam que o Papa Francisco está a caminhar na direcção errada e rezam por um regresso às políticas dos Papas João Paulo II e Bento XVI.

A versão liberal, por sua vez, aponta o dedo à hierarquia.

Os liberais acreditam que o Vaticano II foi apenas o começo das reformas necessárias à Igreja. Eles acreditam que a hierarquia, especialmente João Paulo II, temia o caos na Igreja e encerrou qualquer reforma adicional. Os documentos do Concílio foram interpretados por uma lente conservadora, e os teólogos foram rotulados de dissidentes e silenciados se não seguissem a linha do Vaticano.

Comentadores como o Pe. Andrew Greeley acreditavam que a hierarquia perdeu os leigos quando o Papa Paulo VI reafirmou a proibição da Igreja contra o controlo artificial da natalidade. O ensino foi rejeitado tanto pelos teólogos morais, quanto pelos leigos.

Negar a comunhão a católicos divorciados e recasados também tem sido problemático para os casais e para os seus filhos.

Os liberais também culpam a hierarquia pela crise vocacional porque, argumentam, haveria muitos padres se pudessem casar, e ainda mais se as mulheres tivessem permissão para serem ordenadas.

Os liberais também argumentam que a oposição da hierarquia ao aborto e aos direitos dos homossexuais alienaram muitas pessoas, especialmente os jovens. As pessoas também foram alienadas por bispos que negam a Comunhão a certos políticos democratas.

Os liberais dizem que a hierarquia está a seguir o mesmo caminho que escolheu na Europa, onde alienou as classes trabalhadoras no século XIX com a sua aliança com as classes altas. Durante grande parte do século XX, o anticlericalismo era inexistente na América porque os bispos estavam do lado dos sindicatos e das classes trabalhadoras. O anticlericalismo só floresceu quando os bispos se alinharam com o Partido Republicano contra o aborto e os direitos dos homossexuais.

Como cientista social, acredito que a preponderância de evidências apoia a explicação liberal do declínio da igreja, mas acho que os conservadores apontam alguns pontos positivos. Certamente que as mudanças após o Vaticano II não foram bem explicadas ou implementadas. O clero estava tão confuso quanto os leigos. E os liberais precisam de explicar o porquê de mais católicos se estarem a juntar a igrejas evangélicas do que a igrejas liberais.

Um dos problemas com todas essas teorias, no entanto, é que elas foram desenvolvidas por teólogos que acreditam que as ideias são o que motivam os humanos. As ideias são importantes, mas a experiência muitas vezes é mais importante.

Muitas pessoas permanecem na Igreja mesmo discordando de alguns ensinamentos da Igreja. Mas uma experiência má numa confissão, num casamento ou num funeral pode afastar as pessoas para sempre. Mais pessoas são expulsas da Igreja por padres arrogantes do que por divergências sobre teologia. É por isso que Francisco é tão crítico sobre o clericalismo.

E o facto é que perdemos mais pessoas por tédio do que por teologia. Agora que as pessoas não acreditam que vão para o inferno por faltar à missa ao Domingo, não irão a menos que beneficiem da experiência.

Se a pregação for monótona, se a música não os comover, se não se sentirem acolhidos, então não vão voltar. Se a Missa é vista como algo que o padre faz, se as Escrituras são de domínio do clero, se não há senso de comunidade, então porquê ir?

É por isso que muitos católicos são atraídos pelas igrejas evangélicas. As ideias são importantes, mas o catolicismo também deve ser uma experiência vivida que seja relevante para a vida dos fiéis. A igreja pré-Vaticano II proporcionou tais experiências nas devoções populares. Depois do Vaticano II, a liturgia deveria proporcionar essa experiência, mas muitas vezes isso não aconteceu.

Então, da próxima vez que tivermos uma discussão sobre o porquê de a Igreja estar a falhar, não convidem os teólogos; convidem sociólogos, psicólogos, artistas, músicos e as pessoas que deixaram a Igreja.

Artigo do Pe. Thomas Reese, sj, publicado no National Catholic Reporter a 13 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Igreja  •  Fiéis  •  Ocidente  •  Eucaristia  •  Liberais  •  Conservadores
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui