Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com The Tablet | 12 Mai 2022
Muitos leigos acham que a Igreja Católica é “julgadora e condenatória”
No início deste ano, os leigos foram convidados a reunir e discutir questões dentro da Igreja Católica num processo de “escuta” que faz parte da construção do Sínodo.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © CNS/Vatican Media

Muitos leigos sentiram que a Igreja, em vez de liderar a sociedade em termos de justiça, estava na verdade a minar a sua própria legitimidade moral.

Uma equipa de especialistas vocacionais, missionários e catequéticos foi reunida para elaborar uma síntese dos relatórios das dioceses da Inglaterra e do País de Gales sobre o processo sinodal até agora.

No início deste ano, os leigos foram convidados a reunir e discutir questões dentro da Igreja Católica num processo de “escuta” que faz parte da construção do Sínodo sobre a sinodalidade convocado pelo Papa Francisco e programado para ocorrer no próximo ano.

As sínteses diocesanas foram apresentadas aos bispos na sexta-feira anterior à Semana Santa e uma equipa nacional de síntese começou a trabalhar na redacção do documento final para a Inglaterra e País de Gales, que será enviado a Roma até 15 de Agosto deste ano.

De acordo com uma análise inicial dos relatórios diocesanos para o The Tablet, há um “senso de unidade da voz” com o qual os leigos católicos falaram.

“Os temas emergentes podem ter sido escritos antes mesmo da convocação do sínodo: o papel das mulheres, comunicação deficiente, esforço insuficiente para envolver os jovens”, diz Frank Callus, presidente de A Call to Action, que promove o respeito e o diálogo na Igreja. Relata que há razões substanciais para ter esperança nos resultados do processo sinodal.

No entanto, inevitavelmente, já surgiram problemas sérios que irão precisar de ser resolvidos.

Callus escreve num blog do The Tablet: “Nesse sentido, pelo menos, o sínodo confirmou o que já sabíamos. E isso, paradoxalmente, não era o que o sínodo abordava. Não foi um voto popular para mudar a Igreja ou uma oportunidade para vencer aqueles que ocupam uma parte diferente da largura de banda que é o catolicismo moderno. É uma reflexão orante sobre o que Deus está a chamar-nos para sermos. O que foi produzido é a primeira iteração, o primeiro enunciado de um apelo por uma Igreja mais próxima do Evangelho, mais sintonizada com o Sermão da Montanha”.

Num grande número de respostas sinodais, havia um forte sentimento de que a Igreja deveria estar lá para todos. No entanto, muitos leigos expressaram a opinião de que a Igreja parece ser julgadora e condenatória e que deveria haver mais foco em semelhanças com os outros, em vez de diferenças.

Com demasiada frequência, a Igreja Católica era vista como censuradora. Os leigos pediram uma atitude mais tolerante com aqueles considerados como estando em relacionamentos irregulares e membros das comunidades LGBTQ+.

“Parece que os leigos estão a liderar os bispos para moldar a Igreja no modelo do hospital de campanha imaginado pelo Papa Francisco”, escreve Callus.

Muitos sentiram que a Igreja geralmente não reage bem às mudanças, com autoridade e tomada de decisão centralizadas. Houve exemplos disso a todos os níveis, desde a instituição da nova tradução da Missa e a proibição do Rito Extraordinário, até às decisões pastorais individuais dos sacerdotes.

Callus também descreve a partir dos relatórios diocesanos uma sensação geral de que a Igreja perdeu a sua voz em praça pública. Além disso, uma questão que apareceu em quase todos os relatórios diocesanos foi a do desenvolvimento e formação dos leigos.

“Os leigos e o clero da Inglaterra e do País de Gales estavam mal preparados para este processo sinodal e os últimos meses demonstraram falta de conhecimento e compreensão de alguns elementos básicos da eclesiologia”.

O lugar das mulheres na Igreja e particularmente em termos de papéis de liderança e ministério ficou evidente na grande maioria dos relatórios.

“Numa sociedade da Europa Ocidental que tem legislação de igualdade há meio século, a posição da Igreja sobre as mulheres era vista como anacrónica e prejudicial. A grande maioria dos leigos que contribuíram para as discussões sinodais sentiu que a Igreja, em vez de liderar a sociedade em termos de justiça, estava realmente a minar a sua própria legitimidade moral”.

O escândalo de abuso sexual clerical foi referido na grande maioria dos relatórios.

“O impacto disso na Igreja ainda estava a ser sentido e muitos consideravam-no como um causador de danos incalculáveis. Em quase todos os casos, a questão foi apresentada como uma declaração separada dentro do relatório. Muitas vezes foi representado tanto como uma causa para muitos deixarem a Igreja e para a dificuldade em executar o papel principal da Igreja na evangelização”, relata Callus.

A sua análise acontece após a primeira reunião da equipa nacional de síntese em Abril. As conclusões iniciais da equipa foram apresentadas aos bispos na sua reunião em Cardiff na semana passada.

Uma reunião sinodal nacional de bispos e leigos que ajudaram a produzir as submissões ocorrerá na Catedral de São Jorge, em Southwark, em breve, quando um primeiro rascunho da síntese nacional será considerado.

Os membros da equipa de síntese nacional são Sarah Adams, directora do departamento de educação de adultos e evangelização da diocese de Clifton, Dominic Belli de Menevia, o biógrafo Papal Austen Ivereigh, Mark Nash, director da agência de evangelização e catequese de Southwark, D. Jan Nowotnik, director da missão para a conferência episcopal, a Irmã Elaine Penrice FSP, Filha de São Paulo e directora do departamento nacional para as vocações, Canon Christopher Thomas, secretário geral da conferência episcopal, Kate Wilkinson de Liverpool e com supervisão episcopal do Arcebispo de Southwark, John Wilson, e o Bispo de Leeds, Marcus Stock.

Artigo de Ruth Gledhill, publicado no dia 10 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Leigos  •  Sínodo  •  Inglaterra  •  País de Gales  •  Abusos  •  Mulheres
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui