Arquidiocese

ANO PASTORAL
"Juntos no caminho de Páscoa"

[+info e Calendário]

 

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS | 28 Mar 2022
Cardeal diz que Sínodo é um momento para falar
Enquanto o cardeal Mario Grech disse que entendia as preocupações das pessoas sobre o sínodo, ele argumentou que também havia um mal-entendido generalizado sobre os objectivos de Francisco.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Campion Hall através do Twitter

O cardeal que supervisiona o Sínodo de 2023 diz que o processo é uma tentativa de acabar com a “cultura do silêncio” da Igreja sobre os seus problemas, incluindo a crise dos abusos sexuais cometidos pelo clero e as “divisões profundas” que existem entre os católicos. 

O cardeal Mario Grech, secretário-geral do Sínodo dos Bispos, diz que o sínodo é uma oportunidade para ter uma discussão “franca e aberta” sobre as questões fundamentais sobre o futuro do catolicismo. 

“Existem problemas, questões dentro da Igreja sobre os quais escolhemos ficar calados ao invés de falar”, disse ele durante uma missa de abertura de em encontro de três dias de líderes da Igreja, “O Caminho para uma Igreja Sinodal”, na Capelania Católica da Universidade de Oxford a 24 de Março.

“O exemplo mais claro que vem à mente de todos é a crise dos abusos sexuais pela qual a Igreja passou e ainda está a passar. Infelizmente, este não é o único caso de um problema na Igreja sobre o qual optamos por permanecer em silêncio”, disse, questionando sobre “o silêncio geral sobre as profundas divisões dentro da Igreja Católica”. 

O cardeal citou divergências sobre a liturgia, o papel das mulheres na Igreja, as divisões políticas, e porque alguns “querem excluir certas categorias de nossos bancos”, uma referência aos católicos LGBT. Em vez de discutir essas questões, a Igreja muitas vezes prefere permanecer em silêncio, o que leva ao crescimento de «grupos exclusivos» de mentalidade semelhante e cultura de “nós contra eles”.

O prelado maltês de 65 anos, que participou do simpósio do sínodo recebido pelo Campion Hall, um salão privado permanente jesuíta da Universidade de Oxford, falava quase seis meses desde que o Papa Francisco lançou um processo de escuta sem precedentes no catolicismo global. 

Os processos sinodais, no entanto, têm provocado divergências ferozes dentro da Igreja, com o caminho sinodal alemão repetidamente na linha de fogo para críticas de cardeais e bispos.

O processo alemão, que tenta atacar as causas profundas dos escândalos de abuso, tem preocupado os conservadores por decidir concentrar-se no uso do poder na Igreja, na questão do ministério das mulheres e nos ensinamentos sexuais católico. Enquanto isso, o sínodo global, que culmina com um encontro em Roma em Outubro de 2023, tem sido recebido com indiferença e resistência em alguns sectores, inclusive de padres e bispos.

Enquanto o cardeal Grech disse que entendia as preocupações das pessoas sobre o sínodo, ele argumentou que também havia um mal-entendido generalizado sobre os objectivos de Francisco.

“Este não é um processo de revolução: o Papa não quer transformar a Igreja em algo que ela não é”, sublinhou. “Isso não é uma eliminação da tradição. Este não é um processo de democratização. Em vez disso, o processo sinodal é um momento de fala. Um tempo para deixar a voz da Igreja falar e apresentar as questões, os problemas que habitam nossa Igreja sinodal”. 

Durante a sua homilia, o cardeal reflectiu sobre a passagem evangélica em que Jesus expulsa um demónio de um homem que era mudo e depois recupera a fala. Observando que o demónio obriga o homem a ficar em silêncio, o cardeal disse que “o silêncio no momento em que a fala é necessária é um sinal do mal, um sinal do diabo”.

Grech acrescentou que era “hora de as Igrejas locais expressarem suas preocupações” e de “liberais e conservadores da Igreja falarem, franca e abertamente”. Mas também salientou que, depois de falar sobre os assuntos na Igreja, é necessário um “tempo de silêncio, um tempo de discernimento”.

No dia seguinte, o cardeal fez a palestra principal na reunião de Oxford, expondo os fundamentos bíblicos e teológicos do processo sinodal. Falando depois, sublinhou que o sínodo é sobre colocar em prática o Concílio Vaticano II, enfatizando a Igreja como o “Povo de Deus”, enquanto a nova constituição do Papa sobre a Cúria Romana, que abre caminho os leigos liderarem os departamentos do Vaticano, continua nesta linha. 

No discurso, o cardeal realçou que o Vaticano II expôs como a revelação divina é “dialógica” – Deus revela-se através da humanidade – o que faz da “escuta” um princípio fundamental da Igreja. 

Durante os primeiros séculos do cristianismo, disse o cardeal, a Igreja foi sustentada pelo sensus fidei, o sentido da fé entre os crentes. Esse conceito foi “totalmente recuperado” pelo Vaticano II que, na constituição dogmática  Lumen Gentium, deu precedência à noção da Igreja como Povo de Deus antes da Igreja como hierarquia.

A constituição também redescobriu o sacerdócio dado a todos os baptizados e colocou-o em relação com o sacerdócio ordenado. Na palestra, Grech insistiu que os ministérios ordenados não devem ser colocados uns contra os outros, e a maneira como eles se inter-relacionam é crucial para o processo de listagem sinodal. 

A ordenação, disse ele, não se baseia no “princípio de dignidade e poder, mas insiste no elemento de serviço ao santo Povo de Deus”, e se “não houvesse povo santo de Deus, não haveria necessidade de ministério: se não houvesse Igreja, não haveria ministério!” 

Embora as práticas sinodais tenham diminuído durante o século XX, o cardeal Grech destacou que Pio IX consultou antes de definir a doutrina da Imaculada Conceição (1854), enquanto Pio XII fez o mesmo antes de proclamar a doutrina da Assunção (1950). Ele lembrou ao público que John Henry Newman usou o exemplo da consulta de Pio IX ao defender um maior envolvimento dos leigos na vida da Igreja. 

“Onde há escuta, está a Igreja, e isso só pode ser sinodal”, disse o cardeal. “São João Crisóstomo (347-407) já tinha entendido isso: 'Sínodo e Igreja são sinônimos’.” 

“O Caminho para uma Igreja Sinodal” reuniu os principais processos sinodais diocesanos e nacionais em todo o mundo de língua inglesa, incluindo um grande número de dioceses na Inglaterra e no País de Gales. Foi organizado por Austen Ivereigh, o biógrafo papal e jornalista que é membro de História Contemporânea da Igreja no Campion Hall.

 

Notícia original do The Tablet, publicada a 26 de Março de 2022

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Sínodo  •  Sínodo 2023  •  Mario Grech
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui