Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 17 Fev 2022
Reabrindo o debate sobre o celibato sacerdotal
O celibato clerical está entre os temas que vozes influentes na Igreja estarão a discutir abertamente nestes dias num simpósio internacional sobre o sacerdócio em Roma.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © FRÉDÉRIC PÉTRY/HANS LUCAS

“Tenho uma opinião muito favorável ao celibato, mas será que ele é indispensável?”.

Vindo de um cardeal da Igreja Católica Romana, esta pergunta é tudo menos trivial.

O cardeal Jean-Claude Hollerich, que é Arcebispo do Luxemburgo e Presidente da Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (COMECE), não poupou nas palavras.

“Perguntemos francamente se um padre deve necessariamente ser celibatário”, afirmou numa entrevista publicada a 24 de Janeiro pelo La Croix e traduzida pelo DACS.

“Porque não ter padres casados também?”, perguntou.

Ele não é o único líder influente da Igreja na Europa a perguntar se seria melhor acabar com o celibato obrigatório para presbíteros ordenados.

“Pergunto-me se o celibato deveria terminar como condição básica para qualquer padre”, afirmou o Cardeal Alemão Reinhard Marx a 2 de Fevereiro.

“Acho que as coisas não podem continuar como estão”, disse o Arcebispo de Munique, um dos assessores mais próximos do Papa Francisco.

 

Mudanças que preocupam o Vaticano

Os comentários do Cardeal Marx surgiram na véspera de uma Assembleia Plenária do Caminho Sinodal Alemão, o processo de reflexão sobre o futuro da Igreja.

Alguns católicos alemães que estão envolvidos no processo estão a pedir mudanças profundas que preocupam o Vaticano. Isto inclui a ordenação de mulheres e o fim do celibato sacerdotal obrigatório.

A 4 de Fevereiro, 86% dos membros da Assembleia Sinodal, com igual número de clérigos e leigos, votaram a favor de um documento – que terá que ser ratificado numa segunda leitura em Setembro – que pede um relaxamento do celibato, tornando-o opcional.

Trata-se de uma votação que não deixará de provocar diversas reacções na Igreja universal sobre esse tema delicado.

O celibato não é o tema central do simpósio sobre o sacerdócio que se realiza de quinta a sábado no Vaticano. Mas o cardeal Marc Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos e principal organizador do simpósio, não o descarta.

 

Celibato como “um dom para a Igreja”

As questões sobre o celibato obrigatório não são novas. Nas Igrejas orientais em comunhão com Roma, homens casados ​​são ordenados ao presbitério.

No entanto, não parece que os debates actuais na Igreja Romana estejam a ocorrer ao mais alto nível.

Sobretudo porque o número de sacerdotes em todo o mundo tem decaído novamente desde 2015. Actualmente, existem pouco mais de 400.000 em todo o mundo.

Além disso, a possibilidade de ordenar homens casados ​​foi um dos pontos debatidos durante a assembleia do Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazónica, gerando fortes tensões.

Mas o Papa não se referiu a isso na sua exortação pós-sinodal “Querida Amazónia”, publicada a 12 de Fevereiro de 2020.

Então, a regra pode mudar?

No seu voo de volta do Panamá em Janeiro de 2019, Francisco referiu-se ao celibato como “um dom para a Igreja”, rejeitando a ideia da regra como “opcional”.

“A questão do celibato de bispos e padres não pode ser considerada uma questão puramente disciplinar e acidental da história”, afirmou o padre Philippe Capelle-Dumont, que lecciona na Universidade Católica de Estrasburgo.

 

“Mais que uma lei e menos que um dogma”

“Não pode ser desvinculado do estado celibatário de Cristo e da sua exclusividade missionária", observou.

Por outro lado, aponta “apreciações enganosas” sobre este assunto.

O filósofo e teólogo, que falou no simpósio do Vaticano na quinta-feira sobre “Visões do sacerdócio numa era de mudança”, acredita que a possibilidade do casamento não é uma resposta à crise vocacional.

“Isso não é verdade no mundo protestante, nem no ortodoxo, nem no catolicismo oriental”, argumentou.

D. Didier Berthet de Saint-Dié, ex-reitor do Seminário, destacou que o celibato é “mais que uma lei e menos que um dogma”.

Apontou para a questão de como os padres vivem realmente a vida de celibato.

“Certificamo-nos de que os padres que se comprometeram com o celibato podem vivê-lo de maneira humana e espiritualmente frutífera e não em solidão e isolamento?”, perguntou.

Se a regra deve evoluir, o bispo espera que aconteça por razões positivas. Afirmou que, antes de tudo, deve levar em conta a vida e a missão dos sacerdotes. E aí, sim, um Concílio deveria ser realizado para resolver esta questão “incómoda”.

Artigo de Arnaud Bevilacqua, publicado no La Croix International a 17 de Fevereiro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui