Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS | 12 Jan 2022
Bispo italiano proíbe padres não-vacinados de distribuir a Comunhão
Prelado citou o Papa Francisco e disse que ser vacinado é um “acto de amor” e que ajudar “mais pessoas a serem vacinadas é um acto de amor”.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Bob Roller/CNS

Um bispo na região de Campania, no sul de Itália, está a dar que falar pela recente decisão de proibir padres, religiosos e leigos que não foram vacinados de distribuir a Comunhão na missa, numa tentativa de travar a subida de infecções por covid-19 no país.

O bispo Giacomo Cirulli, que lidera as dioceses de Teano-Calvi e Alife-Caiazzo – localizadas numa região com mais de 11 mil novos casos de covid-19 e cinco mortes relacionadas registadas na segunda-feira – emitiu um decreto a anunciar a proibição no dia 8 de Janeiro.

No documento, D. Cirulli diz que o ponto de situação da pandemia está “constantemente e seriamente a piorar”, e convidou os fiéis sob a sua direcção pastoral a “respeitar e levar a cabo profilaxia e as normas sanitárias para a contenção da pandemia dentro das nossas igrejas e espaços relevantes”.

O bispo italiano pediu especificamente aos fiéis para obedecer às regras de um memorando de entendimento celebrado em Maio de 2020 entre o governo italiano e a Conferência Episcopal Italiana sobre o retomar das celebrações litúrgicas, memorando esse que proíbe o uso de água benta e a recepção da Comunhão na boca, requer que os fiéis estejam nas celebrações com pelo menos um metro de distância para outras pessoas, desinfectem as mãos e usem máscara.

Cirulli pediu a quem participa na eucaristia para “respeitar estritamente a distância e, assim, o número de pessoas admitidas nos espaços litúrgicos” nos próximos dias e semanas.

O bispo também anunciou a decisão de proibir a distribuição da Eucaristia por padres, diáconos, religiosos e leigos “que não estão vacinados”, e insistiu que as hóstias usadas nas missas serão devidamente protegidas. Todas as actividades presenciais pastorais e de catequese foram suspensas nas duas dioceses a 9 de Janeiro.

No decreto, Cirulli citou o Papa Francisco e disse que ser vacinado é um “acto de amor” e que ajudar “mais pessoas a serem vacinadas é um acto de amor”.

“Convido à oração contínua para que o Senhor nos ajude a viver este longo período de provação responsavelmente e conscientemente,” disse, orando por todos os afectados pela covid-19.

A decisão de Cirulli de proibir o clero não-vacinado de distribuir a Comunhão foi notícia por toda a Itália e levou a reacções fortes de alguns. No meio de toda a atenção mediática, o bispo emitiu uma declaração esta segunda-feira, dizendo que a decisão confirma “o respeito e protecção da vida que, neste momento histórico, põe em questão as escolhas de cada indivíduo”.

“É, ainda, uma medida útil para combater a transmissão do vírus entre a população e para proteger, entre os mais frágeis, aqueles que não podem usufruir da cobertura vacinal e, infelizmente – como é prova o crescente número de casos nos hospitais pela Itália –, sofrer os danos da doença”, acrescentou o bispo.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Comunhão  •  Itália  •  Covid-19
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui