Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 7 Jan 2022
Virtudes sinodais de confiança mútua
A menos que os ministros ordenados e o Povo de Deus confiem sinceramente uns nos outros, nunca existirá uma Igreja sinodal.
PARTILHAR IMPRIMIR
 

Cada instituição humana – seja uma família, uma aldeia, uma empresa ou uma Igreja mundial – deve confiar em certas virtudes que sejam comuns aos seus membros se quiser sobreviver.

Esse é o truísmo que está na base de todo sistema de ética – tanto os que foram escritos, quanto os incontáveis ​​outros que nunca alcançaram esse nível de formalidade.

Além disso, é a presença ou a ausência de virtudes particulares que frequentemente determina as diferenças entre grupos. Diferentes estilos de sociedade suscitam nos seus membros valores de comportamento diferentes.

Numa Igreja clericalista, a virtude mais difundida necessária à maioria dos membros é a virtude da obediência.

A obediência à hierarquia até foi incluída na velha lista dos “Seis Mandamentos da Igreja". E qualquer acto de desobediência era punível pela lei canónica.

O maior elogio que poderia ser feito a um leigo católico era que ele ou ela “era um filho ou filha leal da igreja”.

Isto significava que a pessoa obedecia às regras e não procurava – como político, por exemplo – limitar o âmbito dos líderes da Igreja, usando a sua posição para influenciar a legislação, controlar hospitais e escolas e talvez actuar como “guardiães” da “moralidade pública”.

Numa sociedade de dois níveis tão simples, a relação entre clérigos e leigos era análoga à de oficiais e aos de escalões mais baixos. O poder desceu e a obediência e a lealdade uniram os dois níveis para formar a sociedade da Igreja.

É este sistema de virtudes que muitas vezes se resume nesta frase: os leigos estão lá para rezar, pagar e obedecer.

 

Nova situação, novas virtudes

Mas, se quisermos mudar para uma Igreja sinodal, teremos que descobrir e aprender a viver com um novo conjunto de virtudes.

Uma ideia básica de sinodalidade é que os bispos vieram de uma variedade de lugares reuniram-se – o local do sínodo foi, na verdade, um cruzamento. Assim que se encontraram, tiveram que confiar uns nos outros e que cada um estava a trabalhar no seu próprio lugar – perto ou longe – para o bem de todo o grupo.

Esta é a virtude da confiança mútua, mas como é a confiança mútua na nova Igreja sinodal que procuramos criar?

 

A confiança na comunidade Eucarística

Claramente, espera-se que a maioria de cada comunidade – “os leigos” – confie no presbítero que preside às suas celebrações. Espera-se que eles acreditem que o sacerdote está a trabalhar tanto para o bem deles quanto para o bem de todo o Povo de Deus.

Eles acreditam que o presbítero está a dar atenção cuidadosa à liturgia; por exemplo, que pensa e se prepara cuidadosamente de cada vez que procura abrir a Palavra de Deus numa homilia. E acreditam na sua atenção cuidadosa aos pobres da comunidade, assim como aos enfermos.

Também devem confiar na virtude de o presbítero ser o rosto público daquela Igreja. E devem acreditar que, na medida em que ele assume esse papel público, é um modelo de serviço cristão. Não é apenas a confiança que a comunidade deposita no seu presbítero – e que sustentam com as suas contribuições –, mas é o que as estruturas formais da Igreja mais ampla esperam dele, conforme está expresso no direito canónico.

 

Verdade ou desconfiança? Uma questão básica em todas as comunidades

É esta confiança que muitas vezes foi destruída nas últimas duas décadas pelos escândalos de abusos que continuam a surgir país após país.

O problema irá continuar, em parte porque temos medo de olhar profundamente para o problema, e em parte pelo nosso constrangimento.

Toda a organização tende, em vão, a diminuir a extensão do problema, na esperança de que isso preserve a face pública da organização. Mas ainda permanece este facto: uma comunidade deve colocar a confiança na pessoa que preside a Eucaristia. Devem vê-lo a liderá-los como um irmão amado no seu sacrifício de louvor ao Pai em união com Cristo. Devem confiar nele como mestre, guia, confidente e curador, que ele será o instrumento do Espírito a guiá-los na peregrinação da fé.

 

Vice-versa

Mas, se a comunidade deve confiar no presbítero, o presbítero também deve confiar na comunidade dos baptizados, porque são eles que juntos constituem o povo sacerdotal de Deus.

Para os católicos romanos, é quase desnecessário dizer que os membros da comunidade devem confiar no sacramento da Ordem. Mas a tarefa mais difícil é o ordenado confiar no sacramento do batismo.

Cada presbítero baptizou muitas pessoas; infelizmente, muito poucos acreditam realmente no que a Igreja – não apenas a ocidental, a igreja Romana – crê sobre o baptismo.

Mas, se o Espírito Santo mora no coração de cada pessoa baptizada, então essa pessoa merece confiança e respeito dentro da Igreja.

 

A Oração dos Fiéis

Há alguns anos, um pároco na Escócia queria criar uma liturgia sinodal dominical na sua paróquia. A comunidade traria os seus dons para o encontro a cada semana e partilhá-los-ia com a comunidade dos baptizados na sua acção de graças ao Pai.

Portanto, esse presbítero criou vários pequenos grupos de três ou quatro pessoas que se revezariam para preparar a Oração dos Fiéis. E, para ajudá-los, instruiu-os na teologia dessa acção e deu-lhes formação para a fazerem bem.

Isto pode parecer surpreendente porque, em muitos lugares, esta parte da reunião dominical é erroneamente chamada de “orações dos fiéis”, como se fosse apenas uma lista de orações com pedidos. Noutros lugares, é chamada de “orações de licitação”. Isto transmite novamente a ideia de listarmos o que queremos.

A Oração dos Fiéis é, de facto, a intercessão do novo povo sacerdotal – que se tornou tal pelo seu baptismo para o mundo, para toda a Igreja de Deus, para todos os que estão em necessidade e para as suas necessidades particulares. Este é um acto sacerdotal de entrar na presença de Deus – e estar lá como um povo – e fazer intercessão.

As raízes disto estão no Judaísmo e no trabalho diário da tribo de Levi, os cohenim. É a expressão do novo e único sacerdócio de Cristo Ressuscitado, no qual todos nós, como Santo Povo de Deus, participamos.

O irmão ordenado que preside, participa nesta oração em virtude do seu baptismo, não da sua ordenação. A “Oração dos Fiéis” pode ser vista como expressão da Igreja sinodal em acção.

 

E a confiança?

Um novo e jovem padre foi para a paróquia na Escócia e não gostou do que o seu antecessor tinha feito. Ele ia liderar a liturgia e só ele ia liderar a liturgia! O seu primeiro passo foi pedir ao grupo que preparava as Orações dos Fiéis que lhe mostrasse – para sua aprovação – o que iam dizer. Em seguida, vetou os textos que não se encaixavam na sua própria visão da Igreja. Queria que eles usassem os seus textos ou os lessem a partir de um livro.

A oração deixou de ser uma expressão desta comunidade particular de baptizados para se tornar em mais uma fórmula lida por eles. Esta Igreja não estava mais a fazer a sua intercessão específica e única, mas simplesmente a concordando com alguma coisa.

As pessoas naturalmente ficaram magoadas porque os seus esforços, e o seu ministério para as suas irmãs e irmãos, estavam a ser postos de lado. Uma delas afirmou: “Ele só nos quer a rezar, pagar e a obedecer às sua palavras!”. “Ele pensa em termos de uma igreja clerical!” disse outra. E outra disse: “Ele simplesmente não confia em nós!”.

Todos concordaram que esse era o problema básico. Este presbítero simplesmente não confiava na sua comunidade. Não confiava naquilo que acreditamos sobre o baptismo. Não acreditava que o Espírito fala no coração dos fiéis.

E simplesmente não acreditava que quando as três ou quatro pessoas se reunissem para compor um texto para a Oração dos Fiéis no Domingo que o Senhor Jesus estava entre eles.

Simples e claro, este presbítero não confia nos fiéis.

 

A confiança é uma estrada de via dupla

De cada vez que encontro um bispo, um presbítero ou um diácono, ouço preocupações com o triste facto de terem perdido em grande parte a confiança do povo.

Mas quando converso com grupos de católicos leigos, eles geralmente estão mais preocupados com o facto de o clero não confiar neles.

A confiança acontece para os dois lados. É um valor básico para a sinodalidade. A menos que os nossos presbíteros aprendam a confiar no Povo de Deus, não existirá Igreja sinodal.

 

Artigo do Pe. Thomas O'Loughlin, publicado no La Croix International a 6 de Janeiro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Sinodalidade  •  Confiança  •  Clero  •  Povo de Deus  •  Papa Francisco  •  Baptismo
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui