Boletim Paroquial
Folhinha 717- 2021.06.13
Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter da Paróquia Tenões (Santa Eulália)
Adelaide Rodrigues | 26 Jun 2020
Vaticano apresenta novo Diretório para a Catequese do século XXI
O novo Directório adverte para os limites e problemas do digital, observando que o processo deve ser colectivo e nunca individual.
PARTILHAR IMPRIMIR
 

O Vaticano apresentou esta quinta-feira o novo Directório para a Catequese. A nova edição sublinha o impacto das novas tecnologias e da globalização na transmissão da fé, para além de defender uma maior atenção às pessoas com deficiência, migrantes e reclusos na acção das comunidades católicas.

“Na Igreja, muitas vezes, é habitual uma comunicação unidireccional: prega-se, ensina-se e apresentam-se sínteses dogmáticas. Além disso, só com um texto escrito é difícil falar aos mais jovens, habituados a uma linguagem que consiste na convergência da palavra escrita, som e imagens”, refere o texto.

O documento que vai orientar a acção catequética das comunidades católicas sublinha as possibilidades de “interação” abertas com as redes sociais e plataformas digitais, que alteram “a própria abordagem da experiência fé”.

Os catequistas são desafiados a aproximar a linguagem na rede com a linguagem religiosa, num acompanhamento pessoal que leve “cada jovem a redescobrir o seu projecto pessoal de vida”.

“Este caminho requer que se passe da solidão, alimentada pelos likes, à realização de projectos pessoais e sociais a realizar em comunidade”, pode ler-se.

Estas propostas, destaca o Vaticano, serão cada vez mais digitais, exigindo “formas inéditas de evangelização” que levem a “acções pastorais globais, tal como é global a cultura digital”.

O novo Directório adverte para os limites e problemas do digital, observando que o processo deve ser colectivo e nunca individual, passando do mundo “isolado das redes sociais para a comunidade eclesial”.

“A catequese valoriza todas as linguagens que a ajudam a realizar as suas tarefas; de modo particular, tem uma atenção em relação à linguagem narrativa e autobiográfica”, bem como a arte, acrescenta o texto.

A Santa Sé destaca também a “exigência de colocar tudo em chave evangelizadora”, projectando “espaços e propostas concretas para o primeiro anúncio e para repensar a iniciação cristã em chave catecumenal”.

O Directório fala da catequese como “laboratório” de diálogo, apresentando princípios teológico-pastorais e orientações gerais para o sector, com destaque para a formação dos catequistas.

O Vaticano sublinha que todos são responsáveis pela acção catequética, falando no papel dos bispos, padres, consagrados e consagradas neste processo, na relação com os pais, padrinhos e com os avós, destacando o papel dos mais velhos na transmissão da fé.

No texto assume-se ainda o compromisso de “evitar qualquer género de abuso, seja ele de poder, de consciência, económico ou sexual”.

Dioceses desafiadas a promover o acolhimento

“As pessoas com deficiência constituem uma oportunidade de crescimento para a comunidade eclesial que, com a sua presença, é incentivada a superar os preconceitos culturais”, refere também o documento.

O texto orientador da pastoral catequética desafia cada diocese a promover o acolhimento e “presença habitual das pessoas com deficiência”, marcando posição em favor de uma cultura da inclusão “contra a lógica do descarte”.

“As pessoas com deficiências intelectuais vivem a relação com Deus no imediatismo da sua intuição e é necessário e condigno acompanhá-las na vida de fé. Isso exige que os catequistas procurem novos canais de comunicação e métodos mais adequados para favorecer o encontro com Jesus”, pode ler-se.

O documento sugere formação específica e pede que os catequistas acompanhem também as famílias de pessoas com deficiência, “acompanhando-as e favorecendo a sua plena inserção na comunidade”.

O novo Directório – o terceiro documento do género em 50 anos – apela à presença dos migrantes no sector da catequese, promovendo até a sua língua materna, para evitar a “perda dos seus ritos e da sua identidade religiosa”.

Outra nota liga-se à pastoral nas prisões, sustentando que o encontro com a Palavra de Deus “pode consolar e curar até a vida mais devastada pelo pecado, além de abrir espaços para a reeducação e a reabilitação”.

O Directório para a Catequese sublinha a atenção a questões sociais, ecológicas, culturais e espirituais do mundo contemporâneo, propondo uma Igreja “capaz de acolhimento e proximidade, activamente atenta às pessoas que vivem em sofrimento, pobreza e solidão”.

O Vaticano propõe uma catequese “sensível à salvaguarda da criação”, que promove uma cultura da atenção “tanto ao ambiente como às pessoas que o habitam”

“A par de uma preocupante desigualdade social que, muitas vezes, desemboca em alarmantes tensões planetárias, está a alterar-se profundamente o horizonte de significado da própria experiência humana”, adverte.

A Santa Sé realça que a catequese participa no desafio eclesial de se opôr a “processos centrados na injustiça, na exclusão dos pobres, no primado do dinheiro” para se constituir, pelo contrário, em “sinal profético de promoção e de vida plena para todos”.

Falando em dinâmica de conversão missionária, o documento apela para que cada paróquia se interrogue “acerca do tipo de catequese que propõe, sobretudo nos novos contextos sociais e culturais”.

 

“Cada Igreja particular é convidada a desenvolver da melhor maneira a catequese como expressão evangelizadora dentro do seu contexto cultural e social. Toda a comunidade cristã é responsável pela catequese, ainda que somente alguns recebam do Bispo o mandato para serem catequistas. Estes agem e operam sob forma eclesial em nome de toda a Igreja”, indica o texto.

O documento destaca o papel das associações, movimentos e diferentes grupos eclesiais, bem como das escolas católicas, aludindo ainda ao ensino da religião, defendendo uma distinção “clara”.

PARTILHAR IMPRIMIR
Paróquia de Tenões (Santa Eulália)
Casa Paroquial
Morada

Rua da Igreja, 6
4715-108 Nogueiró

TLM

916099541

Cartório Paroquial

Atendimento

Residência paroquial, Rua da Igreja, nº 6, 4715-108 Nogueiró.

De segunda a sexta, das 15h00 às 18h00.

tel. 916099541

email: zonaestebraga@gmail.com

O serviço do cartório paroquial deixa de estar aberto ao público.

Para tratar de qualquer assunto devem entrar em contacto telefónico  ou por mail.

Eucaristias
Eucaristias
Confissões
Confisses
Visitas aos Doentes
Visitas aos Doentes