Arquidiocese

Uma Igreja Sinodal e Samaritana

Programa Pastoral 2020/2023

[+info]

Desejo subscrever a newsletter da Arquidiocese de Braga
Colaborador | 5 Dez 2011
S. GERALDO, O ARTÍFICE DA CARIDADE
Homilia de D. Jorge Ortiga na Solenidade de G. Geraldo, padroeiro da Arquidiocese de Braga, na Sé Catedral.
PARTILHAR IMPRIMIR

Num momento em que entramos já em plena época natalícia, o evangelista S. Lucas agracia-nos hoje com um concentrado de 3 parábolas num só evangelho. Parábolas que, por sua vez, nos reportam à contemporaneidade.

 

1. A primeira (v. 35-38) enquadra-nos neste tempo de Advento: porque não sabemos a que horas regressa o senhor do casamento, precisamos de estar vigilantes. A segunda (v. 39-40) situa-nos no actual contexto social, pois a crise tem arrombado diariamente a porta da nossa casa. E a terceira (v. 41-44) remete para a Solenidade de S. Geraldo, enquanto administrador fiel e prudente.

Administrador na medida em que reorganizou a Arquidiocese a partir da cidade de Braga. Um trabalho persistente de contacto com as pessoas nas visitas pastorais, mas simultaneamente reestruturando a cidade no aspecto religioso, cultural e social, culminando com a atribuição da dignidade de Metrópole pelo Papa Pascoal II.

Por tudo isto, hoje consideramo-lo padroeiro da cidade pelo rosto novo que lhe restituiu e por ter cuidado particularmente dos carenciados. O milagre da fruta pode ser paradigmático, não só pela experiência pessoal, mas pela atenção aos outros. E por causa desta re-estruturação urbana, S. Geraldo define-se assim como o “artífice da caridade”: construiu, delineou mas, sobretudo, amou.

 

2. Passaram-se 900 anos… a cidade cresceu… as infra-estruturas multiplicaram-se… os poderes civis e espirituais separaram-se… mas a actualização do milagre da fruta tem de marcar a acção da Igreja que, assim o creio, também é assumida pela Câmara Municipal.

 Se queremos honrar este legado de S. Geraldo, compete-nos uma dupla tarefa na cidade (e no mundo): criar uma mentalidade de fraternidade e dar dignidade a quem sofre, num compromisso realista e exigente, mostrando que estamos do lado dos mais carenciados.

Não nos interessa o protagonismo, as recompensas humanas ou as vitórias das estatísticas da assistência social. Sabemos que só o amor permanecerá! (1Jo 4,16) O bem comum não pode ser, só e apenas, um princípio estruturante da Doutrina Social da Igreja. Trata-se duma mentalidade nova que coloca o “nós” acima do “eu” e que acredita na responsabilidade histórica de criar uma nova consciência de solidariedade.

Com esta mentalidade, como cultura da solidariedade, ousaremos continuar a repetir o “milagre da fruta”, nunca no intuito de as pretendermos só para alguns. Se assim fosse, estaríamos a “falsificar a palavra de Deus” (2.ª leitura). Mas é no repartir e partilhar através de iniciativas concretas que o milagre acontece. E porquê? Porque não bastam as estruturas, interessam as pessoas!

 

3. Sabemos ainda que não podemos nem devemos ser os únicos intérpretes desta “reconstrução” da cidade. Somos parte e queremos agir integrados num processo comum. Não podemos colocar de lado a nossa verdadeira identidade.

Esta advém da Palavra de Deus. Actuamos em prol da caridade porque o Senhor nos enviou “a curar, a proclamar, a consolar, a cantar e a anunciar a boa-nova” (1.ª leitura). E agimos em nome da fé que professamos, sem escolher rostos nem simpatias.

Recordo que a Igreja não é detentora duma capacidade económica capaz de responder a todas as necessidades. Aquilo que possui, recebe-o dos seus fiéis ou de instituições que acreditam na Igreja e na sua capacidade de agir, gratuitamente e sem interesses pessoais, em favor de todos sem discriminação. Tudo o que possuímos tem esta finalidade directa ou indirectamente: fazer o bem.

Graças a Deus que muitos compreendem a nossa missão e nos ajudam. Temos uma mensagem de amor que celebramos no culto e semeamos com o exercício persistente da caridade. Sofremos com a crise e estamos na linha da frente a “pagar” a crise, quando a primeira obrigatoriedade compete ao Estado. Continuaremos num esforço de traduzir a festa de S. Geraldo em festa da caridade, no sentido de dar alegria àqueles que não conseguem encontrar um sentido para a existência.

 

Para terminar, o poeta inglês William Cowper afirmava que “se Deus criou o campo, o homem edificou a cidade”. Por isso, reestruturemos a cidade (do homem) com o milagre da fruta (caridade), proveniente do campo (da Palavra de Deus).

Como tal, neste tempo de Advento, queremos oferecer à crise esta caridade, “que não se pode produzir, apenas acolher.” (CIV 81).

Que S. Geraldo, o artífice da caridade, nos conceda a dom da sensibilidade aos problemas e necessidades dos outros! E nos conceda a generosidade de todos para que algures, voluntariamente, amenizem o quotidiano das pessoas e das famílias. A tarefa é árdua mas a fé é capaz de encontrar soluções!

+ Jorge Ortiga, A. P.

Solenidade de S. Geraldo, Sé Catedral, 5 de Dezembro de 2011

 

PARTILHAR IMPRIMIR
Departamento para a Comunicação Social
Contactos
Director

P. Paulo Alexandre Terroso Silva

Morada

Rua de S. Domingos, 94 B
4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190