Arquidiocese

Subsídios Semeadores de Esperança (2018/2019)
[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Escola de Música Litúrgica São Frutuoso
Escola de Música Litúrgica São Frutuoso | 8 Set 2018
Carta Formativa da Escola de Música Litúrgica São Frutuoso
PARTILHAR IMPRIMIR
 

Carta formativa da Escola de Música Litúrgica São Frutuoso

In principio erat Verbum (Jo 1, 1) No princípio era o Verbo

O papa Pio X, no primeiro parágrafo do seu importante Motu Proprio sobre a restauração da Música Sacra nas funções de culto, Tra le Sollecitudini, estabelecia os três princípios fundamentais que deveriam reger essa restauração:

1.       A Música Sacra nas funções de culto, ou seja, a Música Litúrgica, é parte integrante da Liturgia e participa do seu fim geral, que é a glória de Deus, a santificação e edificação dos fiéis.

2.       A Música Litúrgica concorre para aumentar o decoro e esplendor da Liturgia.

3.       A Missão principal da Música Litúrgica é revestir de adequadas melodias o texto litúrgico acrescentando maior eficácia ao mesmo texto.

Decorre destes três princípios, em particular do terceiro, que a Música Litúrgica existe para servir o texto litúrgico em geral e o texto bíblico em particular. Na Liturgia, Palavra é anterior à Música e esta última nasce para lhe dar maior eficácia. Por isso, parafraseando o Evangelho Segundo São João, podemos dizer que, na Música Litúrgica, no Princípio era o Verbo. Nesta perspetiva é legitimo dizermos que, na assembleia cristã, a música tem uma função muito semelhante à do silêncio. O silêncio atento e hospitaleiro é a condição necessária para um bom acolhimento da Palavra de Deus. A música concorre para um bom acolhimento da Palavra de Deus, não pelo silêncio, mas pela beleza do som.

Verbum caro factum est (Jo 1, 14) O Verbo fez-se carne

Esta primazia da Palavra materializa-se em formas musicais e melodias concretas. Entre essas diversas formas musicais, o Canto Gregoriano é aquela na qual, em grau supremo, se encontram as qualidades requeridas para a Música Litúrgica. É claro que o reportório gregoriano não é o único que possa ser usado na Liturgia. Todavia, ele deve ser particularmente cultivado e deve servir de paradigma para as outras formas musicais que pretendam servir a Liturgia. No documento de Pio X já citado, lê-se também que a Polifonia Clássica se aproxima bastante do supremo modelo que é o Canto Gregoriano.

A música instrumental, com o seu carater próprio, está também ao serviço da “Incarnação da Palavra” quer na forma como ela prolonga ou prepara a sua escuta, quer como parafraseia, na sua linguagem própria, os textos bíblicos e litúrgicos. As obras musicais de grandes compositores como João Sebastião Bach ou Olivier Messiaen, passando por Charles Tournemire são um exemplo supremo desta utilização dos instrumentos, em particular do órgão de tubos. A utilização de instrumentos musicais, tocados com qualidade, contribui ainda para o decoro e o esplendor da Liturgia e a sustentação do canto.

Fides ex auditu (Rm 10, 17) A fé nasce da escuta

A Música Litúrgica participa também da obediência ao Mandato Divino: “Ide, fazei discípulos de todas as nações” (Mt 28, 19). Como parte integrante da Liturgia, a Música Litúrgica participa da missão de santificação e edificação dos fiéis. Mais do que um elemento meramente cultual, ela tem uma força evangelizadora própria. A força da Palavra revestida da beleza musical torna-se num poderoso meio de evangelização porque a fé nasce da escuta. A pureza da forma musical levanta o véu da beleza do Evangelho.

Cum angelis et archangelis hymnum gloriae tuae canimus (Prefácio da Missa) Com os anjos e os arcanjos cantamos um hino à tua glória

Todavia, a Liturgia cristã não é unicamente, nem principalmente, uma atividade humana. Ela é antes de mais uma associação, pelo poder do Espírito Santo, à Liturgia Celeste. É precisamente isso que exprimem os Prefácios que se concluem com o Sanctus. Assim, devemos entrar na Liturgia com a reverência de quem penetra no Santuário Celeste e o nosso canto deve ser entendido como uma humilde associação ao Hino que os anjos e os santos cantam à gloria de Deus na Jerusalém Celeste. Por isso, o nosso decoro e esmero devem tender para a perfeição celeste à qual, humildemente, associamos as nossas vozes.

PARTILHAR IMPRIMIR
Escola de Música Litúrgica São Frutuoso
Contactos
Morada

Avenida de São Frutuoso
4700-303 Braga

TLM

966300419

Director

Departamento Arquidiocesano para a Música Sacra

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui