Informações

Inscrições abertas para a Formação de Voluntários Missionários para o projeto Salama!

Próxima sessão - 07 janeiro 2017

Arquidiocese

Semeadores de Esperança: VII Tema
[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Centro Missionário
Pe. Jorge Vilaça | 28 Jun 2018
Embondeiros que sonham pássaros
Pe. Jorge Vilaça, CMAB
PARTILHAR IMPRIMIR
 

1. Há pessoas que são como lugares bem situados. Transmitem o que crêem sem (ab)usarem da palavra nem reclamarem notícia. Tudo neles é dom. Vivem a nu, para quem quiser vê-los, para quem quiser lê-los. Não buscam simpatias (nem são particularmente simpáticos) e, talvez por isso, não chegam a ser nomeados. Homens que lembram aqueles embondeiros africanos (ou d’ “O principezinho” de Exupery), sólidos por fora, albergues por dentro. Uns e outros tão largos que podem servir de abrigo, de celeiro ou de sepultura. E até há quem diga que, o embondeiro-árvore é capaz de armazenar dentro de si 120.000 litros de água.

2. João Gonçalves, nascido em Pombal, esteve quase 40 anos como irmão missionário no norte de Moçambique (Pemba). Atravessou lá a guerra colonial e, depois, quase 20 anos de guerra civil. Faleceu nos últimos dias de maio, aos 88 anos, fora da sua terra. O Irmão João era um homem que falava em verso. Literalmente. Rimava as suas respostas com as do seu interlocutor. Sintonizava. Quem o conheceu sabia da sua arte: amanhar a terra, regar, desbravar capim, fazer nascer couves e alfaces. Numa das primeiras vezes que o encontrei estava, naturalmente, na horta. Sem camisa, magro, calvo, com as patilhas descidas pela face, com a pele enegrecida pelo sol, como que coberto por uma carapaça natural. Indiferente aos salamaleques habituais da presença de um Bispo que também chegava, cumprimentou e continuou agarrado à enxada. Pouco depois, apareceu à mesa dos convivas com a sua camisa coçada pelo uso, dobrada sobre um ombro. Sentou-se, pegou na sua tigela de sopa, juntou-lhe um pouco de tudo o que estava sobre a mesa, remexeu e comeu sem delongas nem cortesias. Não abdicava do direito às férias. Para essa viagem usava o seu único fato. Já cego e paralisado de um dos braços, frutos de um assalto, remetido para Portugal por questões de saúde, dizia: “se não faço nada aqui [Portugal], prefiro não fazer nada na minha terra [Moçambique]”. E cantava “vai trabalhar pelo mundo inteiro, Eu estarei até ao fim contigo. Está na hora, o Senhor me chamou, Senhor aqui estou...”. Assim partiu como viveu: com os pássaros e em nome de Deus.

3. Há 5 anos, um grupo de beneditinos do extraordinário oásis do Mosteiro de Ndanda, Tanzânia, uma mega escola de ofícios, passou por terras da Diocese de Pemba (recordo que esta Diocese é do tamanho de Portugal). Quando passaram em Imbuo (Mueda), local distante do “mundo”, viram umas casas em ruínas: seria ali mesmo que reergueriam uma Missão católica. O padre Witmar, de feitio férreo contrastante com a magreza do corpo, voluntariou-se para reconstruir essa Missão. Em três anos construiu uma grande igreja, ergueu a casa das irmãs missionárias e a escolinha para crianças (com internato). Construiu ainda duas cisternas de 100.000 litros de água, qual mina de ouro. O Pe. Witmar tem 87 anos. Nasceu na Alemanha e é monge beneditino há 63 anos. Fala fluentemente alemão, inglês e kiswahili. Foi missionário na Tanzânia durante 59 anos. Repare-se sobretudo neste “pormenor”: depois dos 80 anos mudou de país, de língua... Vive ainda, com os pássaros e em nome de Deus.

4. Parafraseando o título de um conto de Mia Couto, há embondeiros que sonham pássaros.

Artigo publicado no Suplemento Igreja Viva de 28 de junho de 2018.

PARTILHAR IMPRIMIR
Documentos para Download
Centro Missionário
Contactos
Morada

Rua S. Domingos, 94 B
4710-435 BRAGA

TEL

253 203 180

FAX

253 203 190

Coordenador

Sara Poças

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui